D. Dinis - Todas as cantigas

Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 497, V 80
(C 497)

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Praz-mi a mi, senhor, de morrer
e praz-m'ende por vosso mal,
ca sei que sentiredes qual
míngua vos pois hei de fazer;
5ca nom perde pouco senhor
quando perde tal servidor
qual perdedes em me perder.
  
E com mia mort'hei eu prazer
porque sei que vos farei tal
10míngua qual faz homem leal,
o mais que podia seer,
a quem ama, pois morto for;
e fostes vós mui sabedor
d'eu por vós atal mort'haver.
  
15E pero que hei de sofrer
a morte mui descomunal,
com mia mort'oimais nom m'en chal,
por quanto vos quero dizer:
ca meu serviç'e meu amor
20será-vos d'escusar peior
que a mim d'escusar viver.
  
E certo podedes saber
que, pero s'o meu tempo sal
per morte, nom há já i al,
25que me nom quer'end'eu doer:
porque a vós farei maior
míngua que fez Nostro Senhor
de vassal'a senhor prender.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 498, V 81

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Oimais quer'eu já leixá'lo trobar
e quero-me desemparar d'amor,
e quer'ir algũa terra buscar
u nunca possa seer sabedor
5ela de mi nem eu de mia senhor,
pois que lh'é d'eu viver aqui pesar.
  
Mais Deus! Que grave cousa d'endurar
a mim será ir-me d'u ela for!
Ca sei mui bem que nunca poss'achar
10nẽũa cousa ond'haja sabor,
senom da morte; mais ar hei pavor
de mi a nom querer Deus tam cedo dar.
  
Mais se fez Deus a tam gram coita par
come a de que serei sofredor,
15 quando m'agora houver d'alongar
daquesta terra u est a melhor
de quantas som e de cujo loor
nom se pode per dizer acabar.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 499, V 82

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Se hoj'em vós há nẽum mal, senhor,
mal mi venha d'Aquel que pod'e val,
senom que matades mi, pecador,
que vos servi sempr'e vos fui leal
5e serei já sempr'enquant'eu viver;
e, senhor, nom vos venh'esto dizer
polo meu, mais porque vos está mal.
  
Ca, par Deus, mal vos per está, senhor!
Des i é cousa mui descomunal
10de matardes mim, que merecedor
nunca vos foi de mort'; e pois que al
de mal nunca Deus em vós quis poer,
por Deus, senhor, nom queirades fazer
em mim agora que vos estê mal.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 500, V 83

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Que razom cuidades vós, mia senhor,
dar a Deus, quand'ant'El fordes, por mi,
que matades, que vos nom mereci
outro mal senom se vos hei amor,
5aquel maior que vo-l'eu poss'haver?
Ou que salva lhi cuidades fazer
da mia morte, pois per vós morto for?
  
Ca [e]na mia morte nom há razom
bõa que ant'El possades mostrar;
10des i non'O er podedes enganar,
ca El sabe bem quam de coraçom
vos eu am'e [que] nunca vos errei;
e por en, quem tal feito faz, bem sei
que em Deus nunca pod'achar perdom.
  
15Ca, de pram, Deus nom vos perdoará
a mia morte, ca El sabe mui bem
ca sempre foi meu saber e meu sem
em vos servir; er sabe mui bem [já]
que nunca vos mereci por que tal
20morte por vós houvess'; e por en mal
vos será quand'ant'El formos alá.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 501, V 84

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Quant'eu, fremosa mia senhor,
de vós receei a veer,
muit'er sei que nom hei poder
de m'agora guardar que nom
5veja; mais [sei] que morrerei
aquel dia (tal confort'hei),
e perderei coitas d'amor.
  
E como quer que eu maior
pesar nom podesse veer
10do que entom verei, prazer
hei ende, se Deus mi perdom:
porque por morte perderei
aquel dia coita que hei,
qual nunca fez Nostro Senhor.
  
15E pero hei tam gram pavor
daquel dia grave veer,
qual vos sol nom posso dizer,
confort'hei no meu coraçom:
porque por morte sairei
20aquel dia do mal que hei,
peior do que Deus fez peior.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 502, V 85

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Vós mi defendestes, senhor,
que nunca vos dissesse rem
de quanto mal mi por vós vem;
mais fazede-me sabedor:
5por Deus, senhor, a quem direi
quam muito mal [lev'e] levei
por vós, senom a vós, senhor?
  
Ou a quem direi o meu mal
se o eu a vós nom disser,
10pois calar-me nom m'é mester
e dizer-vo-lo nom m'er val?
E pois tanto mal sofr'assi,
se convosco nom falar i,
per quem saberedes meu mal?
  
15Ou a quem direi o pesar
que mi vós fazedes sofrer,
se o a vós nom for dizer,
que podedes conselh'i dar?
E por en, se Deus vos perdom,
20coita deste meu coraçom,
a quem direi o meu pesar?


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 503, V 86

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Como me Deus aguisou que vivesse
em gram coita, senhor, des que vos vi!
Ca logo m'El guisou que vos oí
falar; des i quis que er conhocesse
5o vosso bem, a que El nom fez par;
e tod'aquesto m'El foi aguisar
em tal que eu nunca coita perdesse.
  
E tod'est'El quis que eu padecesse
por muito mal que me lh'eu mereci,
10e de tal guisa se vingou de mi;
e com tod'esto nom quis que morresse,
porque era meu bem de nom durar
em tam gram coita nem tam gram pesar;
mais quis que tod'este mal eu sofresse.
  
15Des i nom er quis que m'eu percebesse
de tam gram meu mal, nen'o entendi,
ante quis El que, por viver assi
e que gram coita nom mi falecesse,
que vos viss'eu, u m'El fez desejar
20des entom morte, que mi nom quer dar,
mais que, vivend', o peior atendesse.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 504, V 87

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Nunca Deus fez tal coita qual eu hei
com a rem do mundo que mais amei
des que a vi, e am'e amarei:
noutro dia, quando a fui veer,
5o demo lev'a rem que lh'eu falei
de quanto lh'ante cuidara dizer.
  
Mais, tanto que me d'ant'ela quitei,
do que ante cuidara me nembrei,
que nulha cousa ende nom minguei;
10mais quand'er quis tornar, pola veer,
a lho dizer (e me bem esforcei,
de lho contar) sol nom houvi poder.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 505, V 88

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Da mia senhor, que eu servi
sempr'e que mais ca mi amei,
veed', amigos, que tort'hei,
que nunca tam gram torto vi:
5ca, pero a sempre servi,
       grand'é o mal que mia senhor
       mi quer; mais quero-lh'eu maior
  
mal que posso: sei, per gram bem,
lhi querer mais ca mim nem al;
10e se aquest'é querer mal,
est'é o que a mim avém:
ca pero lhi quero tal bem
       grand'é o mal que mia senhor
       mi quer; mais quero-lh'eu maior
  
15mal que posso: se per servir
e pela mais ca mim amar,
se est'é mal, a meu cuidar,
este mal nom poss'eu partir;
ca, pero que a fui servir,
20       grand'é o mal que mia senhor
       mi quer; mais quero-lh'eu maior
  
mal que poss'; e pero nozir
nom mi devia desamor,
tal que no bem nom há melhor.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 506, V 89

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Em gram coita, senhor,
que peior que mort'é,
vivo, per bõa fé;
e polo voss'amor
5       esta coita sofr'eu
       por vós, senhor, que eu
  
vi polo meu gram mal;
e melhor mi será
de moirer por vós já;
10e pois me Deus nom val,
       esta coita sofr'eu
       por vós, senhor, que eu
  
polo meu gram mal vi;
e mais mi val morrer
15ca tal coita sofrer;
pois por meu mal assi
       esta coita sofr'eu
       por vós, senhor, que eu
  
vi por gram mal de mi,
20pois tam coitad'and'eu.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 507, V 90

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Senhor, pois que m'agora Deus guisou
que vos vejo e vos posso falar,
quero-vo'la mia fazenda mostrar,
que vejades como de vós estou:
5       vem-mi gram mal de vós, ai mia senhor,
       em que nunca pôs mal Nostro Senhor.
  
E, senhor, gradesc'a Deus este bem
que mi fez em mi vos fazer veer,
e mia fazenda vos quero dizer,
10que vejades que mi de vós avém:
       vem-mi gram mal de vós, ai mia senhor,
       em que nunca pôs mal Nostro Senhor.
  
E nom sei quando vos ar veerei;
e por en vos quero dizer aqui
15mia fazenda, que vos sempr'encobri,
que vejades o que eu de vós hei:
       vem-mi gram mal de vós, ai mia senhor,
       em que nunca pôs mal Nostro Senhor.
  
Ca nom pôs em vós mal Nostro Senhor,
20senom quant'a mim fazedes, senhor.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 508, V 91

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Pois mia ventura tal é já
que sodes tam poderosa
de mim, mia senhor fremosa,
por mesura que em vós há,
5e por bem que vos estará,
       pois de vós nom hei nẽum bem,
       de vos amar nom vos pês en,
       senhor.
  
E pois por bem nom teedes
10que eu haja de vós grado
por quant'afã hei levado
por vós, e assi queredes,
mia senhor, fé que devedes,
       pois de vós nom hei nẽum bem,
15       de vos amar nom vos pês en,
       senhor.
  
E, lume destes olhos meus,
pois m'assi desemparades
e que me grado nom dades
20como dam outras aos seus,
mia senhor, polo amor de Deus,
       pois de vós nom hei nẽum bem,
       de vos amar nom vos pês en,
       senhor.
  
25E eu nom perderei o sem,
e vós nom perdedes i rem,
senhor.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 509, V 92

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Senhor, dizem-vos por meu mal
que nom trobo com voss'amor,
mais ca m'hei de trobar sabor;
e nom mi valha Deus nem al
5       se eu trobo por m'en pagar:
       mais faz-me voss'amor trobar.
  
E essa que vos vai dizer
que trobo porque me pag'en
e nom por vós que quero bem,
10mente; ca nom veja prazer,
       se eu trobo por m'en pagar:
       mais faz-me voss'amor trobar.
  
E pero quem vos diz que nom
trobo por vós, que sempr'amei,
15mais por gram sabor que m'end'hei,
mente; ca Deus nom mi perdom,
       se eu trobo por m'en pagar:
       mais faz-me voss'amor trobar.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 510, V 93

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Tam muito mal mi fazedes, senhor,
e tanta coita e afã levar
e tanto me vejo coitad'andar,
que nunca mi valha Nostro Senhor
5       se ant'eu já nom queria morrer
       e se mi nom fosse maior prazer.
  
Em tam gram coita viv', há gram sazom,
por vós, senhor, e levo tanto mal,
que vos nom posso nem sei dizer qual;
10e por aquesto Deus nom mi perdom
       se ant'eu já nom queria morrer
       e se mi nom fosse maior prazer.
  
Tam muit'é o mal que mi por vós vem
e tanta coita lev'e tanto'afã
15que morrerei com tanto mal, de pram,
mais pero, senhor, Deus nom mi dê bem,
       se ant'eu já nom queria morrer
       e se mi nom fosse maior prazer.
  
Ca mais meu bem é de morte sofrer
20ante ca sempr'em tal coita viver.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 511, V 94

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Grave vos é de que vos hei amor
e, par Deus, aquesto vej'eu mui bem;
mais empero direi-vos ũa rem,
per boa fé, fremosa mia senhor:
5       se vos grav'é de vos eu bem querer,
       grav'est a mi, mais nom poss'al fazer.
  
Grave vos é, bem vej'eu que é 'si,
de que vos amo mais ca mim nem al
e que est'é mia mort'e meu gram mal;
10mais par Deus, senhor, que por meu mal vi,
       se vos grav'é de vos eu bem querer,
       grav'est a mi, mais nom poss'al fazer.
  
Grave vos est, assi Deus mi perdom,
que nom podia mais, per bõa fé,
15de que vos am', e sei que assi é;
mais par Deus, coita do meu coraçom,
       se vos grav'é de vos eu bem querer,
       grav'est a mi, mais nom poss'al fazer.
  
Pero mais grave dev'a mim de seer
20quant'é morte mais grave ca viver.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 512, V 95

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Pois que vos Deus fez, mia senhor,
fazer do bem sempr'o melhor
e vos en fez tam sabedor,
ũa verdade vos direi:
5se mi valha Nostro Senhor,
       érades bõa pera rei!
  
E pois sabedes entender
sempr'o melhor e escolher,
verdade vos quero dizer,
10senhor, que sêrvi'e servirei:
pois vos Deus atal foi fazer,
       érades bõa pera rei!
  
E pois vos Deus nunca fez par
de bom sem nem de bem falar,
15nem fará já, a meu cuidar,
mia senhor e quanto bem hei,
se o Deus quisesse guisar,
       érades bõa pera rei!


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 513, V 96

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Senhor, des quando vos vi
e que fui vosco falar,
sabed'agora per mi
que tanto fui desejar
5vosso bem; e pois é 'ssi
que pouco posso durar
e moiro-m'assi de chão,
       porque mi fazedes mal
       e de vós nom ar hei al,
10       mia morte tenho na mão.
  
Ca tam muito desejei
haver bem de vós, senhor,
que verdade vos direi,
se Deus mi dê voss'amor:
15por quant'hoj'eu creer sei,
com cuidad'e com pavor
meu coraçom nom é são;
       porque mi fazedes mal,
       e de vós nom ar hei al,
20       mia morte tenho na mão.
  
E venho-vo-lo dizer,
senhor do meu coraçom,
que possades entender
como prendi o cajom,
25quando vos [eu] fui veer;
e por aquesta razom
moir'assi servind'em vão;
       porque a mim fazedes mal
       e de vós nom ar hei al,
30       mia morte tenho na mão.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 514, V 97

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Um tal home sei eu, ai bem talhada,
que por vós ten'a sa morte chegada;
veedes quem é, seed'en nembrada:
       eu, mia dona.
  
5Um tal home sei [eu] que preto sente
de si [a] morte [chegada] certamente;
veedes quem é, venha-vos em mente:
       eu, mia dona.
  
Um tal home sei [eu], aquest'oíde,
10que por vós morre, vó'lo [en] partide;
veedes quem é, nom xe vos obride:
       eu, mia dona.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 515, V 98

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Pero que eu mui long'estou
da mia senhor e do seu bem,
nunca me Deus dê o seu bem,
pero m'eu [de]la long'estou,
5       se nom é o coraçom meu
       mais preto dela que o seu.
  
E pero long'estou dali
d'u agora é mia senhor,
nom haja bem da mia senhor,
10pero m'eu long'estou dali,
       se nom é o coraçom meu
       mais preto dela que o seu.
  
E pero longe do logar
estou, que nom poss'al fazer,
15Deus nom mi dê o seu bem-fazer,
pero long'estou do logar,
       se nom é o coraçom meu
       mais preto dela que o seu.
  
C'a vezes tem em al o seu,
20e sempre sigo tem o meu.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 516, V 99

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Sempr'eu, mia senhor, desejei
mais que al, e desejarei,
vosso bem, que mui servid'hei,
       mais nom com asperança
5d'haver de vós bem; ca bem sei
que nunca de vós haverei
       senom mal e viltança.
  
Desej'eu mui mais doutra rem
o que mi pequena prol tem,
10ca desej'haver vosso bem,
       mais nom com asperança
que haja, do mal que mi vem
por vós, nem galardom por en
       senom mal e viltança.
  
15Desej'eu, com mui gram razom,
vosso bem, se Deus mi perdom,
mui mais de quantas cousas som,
       mais nom com asperança
que sol coid'eno coraçom
20haver de vós por galardom
       senom mal e viltança.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 517, V 100

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Se eu podess'ora meu coraçom,
senhor, forçar e poder-vos dizer
quanta coita mi fazedes sofrer
por vós, cuid'eu, assi Deus mi perdom,
5       que haveríades doo de mi.
  
Ca, senhor, pero me fazedes mal
e mi nunca quisestes fazer bem,
se soubéssedes quanto mal mi vem
por vós, cuid'eu, par Deus que pod'e val,
10       que haveríades doo de mi.
  
E pero mi havedes gram desamor,
se soubéssedes quanto mal levei
e quanta coita, des que vos amei,
por vós, cuid'eu, per bõa fé, senhor,
15       que haveríades doo de mi;
  
e mal seria se nom foss'assi.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 518, V 101

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Quant'há, senhor, que m'eu de vós parti,
atam muit'há que nunca vi prazer
nem pesar; e quero-vos eu dizer
como prazer nem pesar nom er [vi]:
5       perdi o sem e nom poss'estremar
       o bem do mal, nem prazer do pesar.
  
E des que m'eu, senhor, per bõa fé,
de vós parti, creed'agora bem
que nom vi prazer nem pesar de rem;
10e aquesto direi-vos por que [é]:
       perdi o sem e nom poss'estremar
       o bem do mal, nem prazer do pesar.
  
Ca, mia senhor, bem des aquela vez
que m'eu de vós parti, no coraçom
15nunca ar houv'eu pesar des entom
nem prazer; e direi-vos que mi o fez:
       perdi o sem e nom poss'estremar
       o bem do mal nem prazer do pesar.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 519, V 102

Descrição:

Cantiga de Pastorela

Refrão

Ũa pastor se queixava
muit'estando noutro dia
e sigo medês falava
e chorava e dizia
5com amor que a forçava:
"Par Deus, vi-t'em grave dia,
       ai amor!"
  
Ela s'estava queixando
come molher com gram coita
10e que a pesar, des quando
nacera, nom fora doita;
por en dezia chorando:
"Tu nom és senom mia coita,
       ai amor!"
  
15Coitas lhi davam amores,
que nom lh'eram senom morte;
e deitou-s'antr'ũas flores
e disse com coita forte:
"Mal ti venha per u fores,
20ca nom és senom mia morte,
       ai amor!"


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 520, V 103

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Ora vej'eu bem, mia senhor,
que mi nom tem nẽũa prol
de no coraçom cuidar sol
de vós – senom que o peior
5       que mi vós poderdes fazer
       faredes, a vosso poder.
  
Ca nom atend'eu de vós al,
nem er passa per coraçom,
se Nostro Senhor mi perdom,
10senom que aquel maior mal
       que mi vós poderdes fazer
       faredes, a vosso poder.
  
E sol nom met'eu em cuidar
de nunca de vós haver bem,
15ca sõo certo d'ũa rem:
que o mais mal e mais pesar
       que mi vós poderdes fazer
       faredes, a vosso poder.
  
Ca Deus vos deu end'o poder
20e o coraçom de mi o fazer.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 521, V 104

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Quem vos mui bem visse, senhor,
com quaes olhos vos eu vi,
mui pequena sazom há i,
guisar-lh'-ia Nostro Senhor
5       que vivess'em mui gram pesar;
guisando-lho Nostro Senhor
       como mi a mi foi guisar.
  
E quem vos bem com estes meus
olhos visse, creede bem
10que, se nom perdess'ant'o sem,
que bem lhi guisaria Deus
       que vivess'em mui gram pesar;
se lho assi guisasse Deus
       como mi a mi foi guisar.
  
15E, senhor, quem algũa vez
com quaes olhos vos catei
vos catasse, per quant'eu sei,
guisar-lh'-ia quem vos tal fez
       que vivess'em mui gram pesar,
20guisando-lho quem vos tal fez,
       como mi a mi foi guisar.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 522, V 105

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Nostro Senhor, hajades bom grado
por quanto m'hoje mia senhor falou;
e tod'esto foi porque se cuidou
que andava doutra namorado;
5       ca sei eu bem que mi nom falara,
       se de qual bem lh'eu quero cuidara.
  
Porque mi falou hoj'este dia,
hajades bom grado, Nostro Senhor;
e tod'esto foi porque mia senhor
10cuidou que eu por outra morria;
       ca sei eu bem que mi nom falara,
       se de qual bem lh'eu quero cuidara.
  
Porque m'hoje falou, haja Deus
bom grado, mais desto nom fora rem
15senom porque mia senhor cuidou bem
que doutra eram os desejos meus;
       ca sei eu bem que mi nom falara,
       se de qual bem lh'eu quero cuidara.
  
Ca tal é que ante se matara
20ca mi falar, se o sol cuidara.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 523, V 106

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

A mia senhor que eu por mal de mi
vi e por mal daquestes olhos meus
e por que muitas vezes maldezi
mi e o mund'e muitas vezes Deus,
5       des que a nom vi, nom er vi pesar
       d'al, ca nunca me d'al pudi nembrar.
  
A que mi faz querer mal mi medês
e quantos amigos soía haver
e de[s]asperar de Deus, que mi pês,
10pero mi tod'este mal faz sofrer,
       des que a nom vi, nom ar vi pesar
       d'al, ca nunca me d'al pudi nembrar.
  
A por que mi quer este coraçom
sair de seu logar, e por que já
15moir'e perdi o sem e a razom,
pero m'este mal fez e mais fará,
       des que a nom vi, nom ar vi pesar
       d'al, ca nunca me d'al pudi nembrar.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 524, T 1, V 107

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Pois que vos Deus, amigo, quer guisar
d'irdes a terra d'u é mia senhor,
rogo-vos ora que por qual amor
vos hei lhi queirades tanto rogar:
5       que se doia já do meu mal.
  
E d'irdes i tenh'eu que mi fará
Deus gram bem, poila podedes veer;
e, amigo, punhad'em lhi dizer,
pois tanto mal sofro, gram sazom há,
10       que se doia já do meu mal.
  
E pois que vos Deus aguisa d'ir i,
tenh'eu que mi fez El i mui gram bem;
e pois sabede'lo mal que mi vem,
pedide-lhi mercee por mi:
15       que se doia já do meu mal.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 525, T 2, V 108

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

A tal estado mi adusse, senhor,
o vosso bem e vosso parecer
que nom vejo de mi nem d'al prazer,
nem veerei já, enquant'eu vivo for,
5       u nom vir vós que eu por meu mal vi.
  
E queria mia mort'e nom mi vem,
senhor, porque tamanh'é o meu mal
que nom vejo prazer de mim nem d'al,
nem veerei já, esto creede bem,
10       u nom vir vós que eu por meu mal vi.
  
E pois meu feito, senhor, assi é,
querria já mia morte, pois que nom
vejo de mi nem d'al nulha sazom
prazer, nem veerei já, per bõa fé,
15       u nom vir vós que eu por meu mal vi;
  
pois nom havedes mercee de mi.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 526, T 3, V 109

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

O que vos nunca cuidei a dizer,
com gram coita, senhor, vo-lo direi,
porque me vejo já por vós morrer;
ca sabedes que nunca vos falei
5de como me matava voss'amor;
ca sabe Deus bem que doutra senhor,
que eu nom havia, mi vos chamei.
  
E tod[o] aquesto mi fez fazer
o mui gram medo que eu de vós hei
10e des i por vos dar a entender
que por outra morria - de que hei,
bem sabedes, mui pequeno pavor;
e des oimais, fremosa mia senhor,
se me matardes, bem vo-lo busquei.
  
15E creede que haverei prazer
de me matardes, pois eu certo sei
que esso pouco que hei de viver
que nẽum prazer nunca veerei;
e porque sõo desto sabedor,
20se mi quiserdes dar morte, senhor,
por gram mercee vo-lo [eu] terrei.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 527, T 4, V 110

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Que mui gram prazer que eu hei, senhor,
quand'em vós cuid'e nom cuido no mal
que mi fazedes! Mais direi-vos qual
tenh'eu por gram maravilha, senhor:
5       de mi viir de vós mal, u Deus nom
       pôs mal, de quantas eno mundo som.
  
E, senhor fremosa, quando cuid'eu
em vós e nom eno mal que mi vem
por vós, tod'aquel temp'eu hei de bem;
10mais por gram maravilha per tenh'eu
       de mi viir de vós mal, u Deus nom
       pôs mal, de quantas eno mundo som.
  
Ca, senhor, mui gram prazer mi per é
quand'em vós cuid'e nom hei de cuidar
15em quanto mal mi fazedes levar;
mais gram maravilha tenh'eu que é
       de mi viir de vós mal, u Deus nom
       pôs mal, de quantas eno mundo som.
  
Ca, par Deus, semelha mui sem razom
20d'haver eu mal d'u o Deus nom pôs, nom.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 528, T 5, V 111

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Senhor fremosa, nom poss'eu osmar
que est aquel em que vos mereci
tam muito mal quam muito vós a mi
fazedes; e venho-vos preguntar
5o por que é, ca nom poss'entender,
(se Deus me leixe de vós bem achar),
em que vo-l'eu podesse merecer.
  
Se é, senhor, porque vos sei amar
mui mais que os meus olhos, nem ca mi,
10e assi foi sempre des que vos vi;
pero sabe Deus que hei gram pesar
de vos amar, mais nom poss'al fazer;
e por en vós, a quem Deus nom fez par,
nom me devedes i culpa põer.
  
15Ca sabe Deus que se m'end'eu quitar
podera des quant'há que vos servi,
mui de grado o fezera log'i;
mais nunca pudi o coraçom forçar
que vos gram bem nom houvess'a querer;
20e por en nom dev'eu a lazerar,
senhor, nem devo por end'a morrer.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 529, T 6, V 112

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Nom sei como me salv'a mia senhor
se me Deus ant'os seus olhos levar,
ca, par Deus, nom hei como m'assalvar
que me nom julgue por seu traedor,
5       pois tamanho temp'há que guareci
       sem seu mandad'oir e a nom vi.
  
E sei eu mui bem no meu coraçom
o que mia senhor fremosa fará
depois que ant'ela for: julgar-m'-á
10por seu traedor com mui gram razom,
       pois tamanho temp'há que guareci
       sem seu mandad'oir e a nom vi.
  
E pois tamanho foi o erro meu,
que lhe fiz torto tam descomunal,
15se mi a sa gram mesura nom val,
julgar-m'-á por en por traedor seu,
       pois tamanho temp'há que guareci
       sem seu mandad'oir e a nom vi.
  
[E] se o juizo passar assi,
20ai eu cativ'! e que será de mim?


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 520a, T 7, V 113

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Quix bem, amigos, e quer'e querrei
ũa molher que me quis e quer mal
e querrá; mais nom vos direi eu qual
é a molher; mais tanto vos direi:
5       quix bem e quer'e querrei tal molher
       que me quis mal sempr'e querrá e quer.
  
Quis e querrei e quero mui gram bem
a quem mi quis mal e quer e querrá,
mais nunca homem per mi saberá
10quem é; pero direi-vos ũa rem:
       quix bem e quer'e querrei tal molher
       que me quis mal sempr'e querrá e quer.
  
Quix e querrei e quero bem querer
a quem me quis e quer, per bõa fé,
15mal, e querrá; mais nom direi quem é;
mais pero tanto vos quero dizer:
       quix bem e quer'e querrei tal molher
       que me quis mal sempr'e querrá e quer.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 521a, V 114

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Senhor, nom vos pês se me guisar Deus
algũa vez se vos poder veer,
ca bem creede que outro prazer
nunca [d'al] verám estes olhos meus,
5       senom se mi vós fezéssedes bem,
       o que nunca será per nulha rem.
  
E nom vos pês de vos veer, ca tam
cuitad'ando que querria morrer,
se aos meus olhos podedes creer
10que outro prazer nunca d'al verám,
       senom se mi vós fezéssedes bem,
       o que nunca será per nulha rem.
  
E se vos vir, pois que já morr'assi,
nom devedes ende pesar haver;
15mais [dos] meus olhos vos poss'eu dizer
que nom verám prazer d'al nem de mi,
       senom se mi vós fezéssedes bem,
       o que nunca será per nulha rem.
  
Ca d'eu falar em mi fazerdes bem,
20como falo, faç'i míngua de sem.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 522a, V 115

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Senhor fremosa e do mui loução
coraçom, e querede-vos doer
de mi, pecador, que vos sei querer
melhor ca mi! Pero sõo certão
5       que mi queredes peior doutra rem;
       pero, senhor, quero-vos eu tal bem
  
qual maior poss'e o mais encoberto
que eu poss'; e sei de Brancafrol
que lhi nom houve Flores tal amor
10qual vos eu hei; e pero sõo certo
       que mi queredes peior doutra rem;
       pero, senhor, quero-vos eu tal bem
  
qual maior poss'; e o mui namorado
Tristam sei bem que nom amou Iseu
15quant'eu vos amo, esta certo sei eu;
e com tod'esto sei, mao pecado!,
       que mi queredes peior doutra rem;
       pero, senhor, quero-vos eu tal bem
  
qual maior poss'e tod'aquest'avém
20a mim, coitad'e que perdi o sem.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 524a, V 117

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Ora, senhor, nom poss'eu já
per nẽũa guisa sofrer
que me nom hajam d'entender
o que eu muito receei;
5ca m'entenderám que vos sei,
       senhor, melhor ca mi querer.
  
Esto receei eu muit'há;
mais esse vosso parecer
me faz assi o sem perder
10que des oimais, pero m'é greu,
entenderám que vos sei eu
       senhor, melhor ca mi querer.
  
Vós veed'en como será;
ca par Deus, nom hei já poder
15que em mim nom possa veer
quem quer que me vir des aqui
que vos sei eu, por mal de mi,
       senhor, melhor ca mim querer.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 525a, V 118

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Senhor, hoj'houvess'eu vagar
e Deus me dess'end'o poder
que vos eu podesse contar
o gram mal que mi faz sofrer
5esse vosso bom parecer,
       senhor, a que El nom fez par.
  
Ca se vos podess'i falar,
cuidaria muit'a perder
da gram coita e do pesar
10com que m'hoj'eu vejo morrer;
ca me nom pod'escaecer
       esta coita que nom há par.
  
Ca me vos fez Deus tant'amar,
er fez-vos tam muito valer,
15que nom poss'hoj'em mi osmar,
senhor, como possa viver,
pois me nom queredes tolher
       esta coita que nom há par.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 526a, V 119

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Que soidade de mia senhor hei
quando me nembra dela qual a vi
e que me nembra que ben'a oí
falar; e por quanto bem dela sei,
5       rog'eu a Deus, que end'há o poder,
       que mi a leixe, se lhi prouguer, veer
  
cedo; ca, pero mi nunca fez bem,
se a nom vir, nom me posso guardar
d'ensandecer ou morrer com pesar;
10e porque ela tod'em poder tem,
       rog'eu a Deus que end'há o poder
       que mi a leixe, se lhi prouguer, veer
  
cedo; ca tal a fez Nostro Senhor,
de quantas outras no mundo som
15nom lhi fez par, a la minha fé, nom;
e poila fez das melhores melhor,
       rog'eu a Deus que end'há o poder,
       que mi a leixe, se lhi prouguer, veer
  
cedo; ca tal a quiso Deus fazer,
20que, se a nom vir, nom posso viver.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 517b, V 120

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Pero eu dizer quisesse,
creo que nom saberia
dizer, nem er poderia,
per poder que eu houvesse,
5a coita que o coitado
sofre, que é namorado;
nem er sei quem mi o crevesse
  
senom aquel a quem desse
amor coita todavia,
10qual a mim dá noit'e dia;
este cuido que tevesse
que dig'eu muit'aguisado;
ca outr'homem nom é nado
que esto creer podesse.
  
15E por en quem bem soubesse
esta coita, bem diria,
e sol nom duvidaria,
que coita que Deus fezesse,
nem outro mal aficado,
20nom fez tal, nem é pensado
d'homem que lhi par posesse.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 518b, V 121

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Ai senhor fremosa! por Deus
e por quam boa vos El fez,
doede-vos algũa vez
de mim e destes olhos meus
5       que vos virom por mal de si,
       quando vos virom, e por mi.
  
E porque vos fez Deus melhor
de quantas fez e mais valer,
querede-vos de mim doer
10e destes meus olhos, senhor,
       que vos virom por mal de si,
        quando vos virom, e por mi.
  
E porque o al nom é rem,
senom o bem que vos Deus deu,
15querede-vos doer do meu
mal e dos meus olhos, meu bem,
       que vos virom por mal de si,
       quando vos virom, e por mi.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 519b, V 122

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Senhor fremosa, por qual vos Deus fez
e por quanto bem em vós quis poer,
se m'agora quiséssedes dizer
o que vos já preguntei outra vez,
5tenho que mi faríades gram bem:
de mi dizerdes quanto mal mi vem
por vós, se vos éste loor ou prez.
  
Ca se vos fosse ou prez ou loor,
de me matardes seria razom
10e nom diria eu por en de nom;
mais d'atanto seede sabedor:
que nẽum prez nem loor nom vos é,
ant'errades muito, per bõa fé,
de me matardes, fremosa senhor.
  
15E sabem quantos sabem vós e mi
que nunca cousa come vós amei;
des i sabem que nunca vos errei
[e] er sabem que sempre vos servi
o melhor que pud'e soubi cuidar;
20e por en fazedes de me matar
mal, pois vo-l'eu, senhor, nom mereci.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 520b, V 123

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Quer'eu em maneira de proençal
fazer agora um cantar d'amor
e querrei muit'i loar mia senhor
a que prez nem fremosura nom fal,
5nem bondade; e mais vos direi en:
tanto a fez Deus comprida de bem
que mais que todas las do mundo val.
  
Ca mia senhor quiso Deus fazer tal,
quando a fez, que a fez sabedor
10de todo bem e de mui gram valor,
e com tod'est[o] é mui comunal
ali u deve; er deu-lhi bom sem
e des i nom lhi fez pouco de bem
quando nom quis que lh'outra foss'igual.
  
15Ca em mia senhor nunca Deus pôs mal,
mais pôs i prez e beldad'e loor
e falar mui bem e riir melhor
que outra molher; des i é leal
muit'; e por esto nom sei hoj'eu quem
20possa compridamente no seu bem
falar, ca nom há, tra'lo seu bem, al.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 521b, V 124

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Mesura seria, senhor,
de vos amercear de mi,
que vos em grave dia vi;
e en mui grav'é voss'amor:
5tam grave, que nom hei poder
daquesta coita mais sofrer
de que, muit'há, fui sofredor.
  
Pero sabe Nostro Senhor
que nunca vo-l'eu mereci,
10mais sabe bem que vos servi,
des que vos vi, sempr'o melhor
que nunca [eu] pudi fazer;
por en querede-vos doer
de mim, coitado, pecador.
  
15Mais Deus, que de tod'é senhor,
me queira põer conselh'i,
ca se meu feito vai assi
e m'El nom for ajudador
contra vós, que El fez valer
20mais de quantas fezo nacer,
moir'eu, mais nom merecedor.
  
Pero se eu hei de morrer
sem vo-lo nunca merecer,
nom vos vej'i prez nem loor.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 522b, V 125

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Que estranho que mi é, senhor,
e que gram coita d'endurar,
quando cuid'em mi, de nembrar
de quanto mal fui sofredor
5des aquel dia que vos vi;
       e tod'este mal eu sofri
       por vós e polo voss'amor.
  
Ca des aquel tempo, senhor,
que vos vi e oí falar,
10nom perdi coitas e pesar,
nem mal, nom podia maior,
e aquesto passou assi:
       e tod'este mal sofri
       por vós e polo voss'amor.
  
15E por en seria, senhor,
gram bem de vos amercear
de mim, que hei coita sem par,
de qual vós sodes sabedor
que passou e passa per mi;
20       e tod'este mal sofri
       por vós e polo voss'amor.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 523b, V 126

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Senhor, cuitad'é o meu coraçom
por vós e moiro, se Deus mi perdom,
porque sabede que des que entom
       vos vi,
5       des i
       nunca coita perdi.
  
Tanto me coita e trax mal Amor,
que me mata, seed'en sabedor;
e tod'aquesto é des que, senhor,
10       vos vi;
       des i
       nunca coita perdi.
  
Ca de me matar Amor nom m'é greu,
tanto mal sofro já em poder seu;
15e tod'aquest'é, senhor, des quand'eu
       vos vi;
       des i
       nunca coita perdi.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 524b, V 127

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Proençaes soem mui bem trobar
e dizem eles que é com amor;
mais os que trobam no tempo da flor
e nom em outro, sei eu bem que nom
5ham tam gram coita no seu coraçom
qual m'eu por mia senhor vejo levar.
  
Pero que trobam e sabem loar
sas senhores o mais e o melhor
que eles podem, sõo sabedor
10que os que trobam quand'a frol sazom
há e nom ante, se Deus mi perdom,
nom ham tal coita qual eu hei sem par.
  
Ca os que trobam e que s'alegrar
vam eno tempo que tem a color
15a frol consig'e, tanto que se for
aquel tempo, log'em trobar razom
nom ham, nem vivem [em] qual perdiçom
hoj'eu vivo, que pois m'há de matar.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 525b, V 128

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Preguntar-vos quero, por Deus,
senhor fremosa, que vos fez
mesurada e de bom prez,
que pecados forom os meus
5       que nunca tevestes por bem
       de nunca mi fazerdes bem.
  
Pero sempre vos soub'amar
des aquel dia que vos vi,
mais que os meus olhos em mi;
10e assi o quis Deus guisar
       que nunca tevestes por bem
       de nunca mi fazerdes bem.
  
Des que vos vi, sempr'o maior
bem que vos podia querer,
15vos quigi, a todo meu poder;
e pero quis Nostro Senhor
       que nunca tevestes por bem
       de nunca mi fazerdes bem.
  
Mais, senhor, a vida com bem
20se cobraria: bem por bem.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 526b, V 129

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

De muitas coitas, senhor, que levei
des que vos soubi mui gram bem querer,
par Deus, nom poss'hoj'eu mi escolher
end'a maior; mais per quant'eu passei,
5       de mal em mal e peior de peior,
       nom sei qual é maior coita, senhor.
  
Tantas coitas levei e padeci
des que vos vi, que nom poss'hoj'osmar
end'a maior, tantas forom sem par;
10mais de tod'esto que passou per mi,
       de mal em mal e peior de peior,
       nom sei qual é maior coita, senhor.
  
Tantas coitas passei dê'la sazom
que vos eu vi, [senhor], per bõa fé,
15que nom poss'osmar a maior qual é;
mais das que passei, se Deus mi perdom,
       de mal em mal e peior de peior,
       nom sei qual é maior coita, senhor.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 527b, V 130

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Nostro Senhor, se haverei guisado
de mia senhor mui fremosa veer,
que mi nunca fez[o] nẽum prazer
e de que nunca cuid'haver bom grado;
5pero filhar-lh'-ia por galardom
de a veer, se soubesse que nom
lh'era tam grave, Deus foss'en loado!
  
Ca mui gram temp'há que ando coitado,
se eu podesse, pola ir veer,
10ca depois nom me pod'escaecer
qual eu [a] vi, u houvi Deus irado;
ca verdadeiramente des entom
nom trago mig'aqueste coraçom,
nem er sei de mim parte nem mandado.
  
15Ca me tem seu amor tam aficado,
des que se nom guisou de a veer,
que nom hei em mim força nem poder,
nem dórmio rem, nem hei em mim recado;
e porque viv'em tam gram perdiçom,
20que mi dê morte, peç'a Deus per dom,
e perderei meu mal e meu cuidado.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 528b, V 131

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Senhor, pois me nom queredes
fazer bem, nen'o teedes
por guisado,
Deus seja por en loado.
  
5Mais pois vós mui bem sabedes
o torto que mi fazedes,
gram pecado
havedes de mi, coitado.
  
E pois que vos nom doedes
10de mim e sol nom havedes
en cuidado,
em grave dia fui nado.
  
Mais, par Deus, senhor, seeredes
de mim pecador, ca vedes:
15mui doado
moir'e de vós nom hei grado.
  
E pois mentes nom metedes
no meu mal, nem corregedes
o estado
20a que m'havedes chegado,
  
de me matardes faredes
meu bem, pois m'assi tragedes
estranhado
do bem que hei desejado.
  
25E, senhor, sol nom pensedes
que, pero mi morte dedes,
agravado
end'eu seja, mais pagado.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 529b, V 132

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Que grave coita, senhor, é
a quem [há] sempr'a desejar
o vosso bem, que nom há par,
com'eu faç'! E, per bõa fé,
5       se eu a Deus mal mereci,
       bem se vinga per vós em mi.
  
Tal coita mi dá voss'amor
e faz-me levar tanto mal,
que esto m'é coita mortal
10de sofrer; e por en, senhor,
       se eu a Deus mal mereci,
       bem se vinga per vós em mi.
  
Tal coita sofr', há gram sazom,
e tanto mal e tant'afã
15que par de morte m'é de pram;
e senhor, por esta razom,
       se eu a Deus mal mereci,
       bem se vinga por vós em mi.
  
E quer-se Deus vingar assi,
20como Lhi praz, per vós em mi.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 530, V 133

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

De mi vós fazerdes, senhor,
bem ou mal, tod'est'em vós é,
e sofrer m'é, per bõa fé,
o mal; ca o bem, sabedor
5sõo que o nom hei d'haver;
mais que gram coit'há de sofrer
quem é coitado pecador!
  
Ca no mal, senhor, viv'hoj'eu,
que de vós hei; mais nulha rem
10nom atendo de vosso bem
e cuido sempre no mal meu,
que pass'e que hei de passar,
com haver sempr'[a] desejar
o mui gram bem que vos Deus deu.
  
15E pois que eu, senhor, sofri
e sofro por vós tanto mal
e que de vós nom atend'al,
em que grave dia naci!
Que eu de vós por galardom
20nom hei d'haver se coita nom,
que sempr'houvi des que vos vi.
  


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 531, V 134

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Assi me trax coitado
e aficad'Amor
e tam atormentado
que, se Nostro Senhor
5a mia senhor nom met'em cor
que se de mi doa, da mor-
-t'haverei prazer e sabor.
  
Ca viv'em tal cuidado
come quem sofredor
10é de mal aficado
que nom pode maior,
se mi nom val a que em for-
te ponto vi; ca já da mor-
t'hei prazer e nẽum pavor.
  
15E faço mui guisado,
pois sõo servidor
da que mi nom dá grado,
querendo-lh'eu melhor
ca mim nem al; por en conor-
20t'eu nom hei já senom da mor-
t', [e] ende sõo desejador.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 532, V 135

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

O gram viç'e o gram sabor
e o gram conforto que hei
é porque bem entender sei
que o gram bem da mia senhor
5nom querrá Deus que err'em mi,
que a sempr'amei e servi
e lhi quero ca mim melhor.
  
Esto me faz alegr'andar
e mi dá confort'e prazer,
10cuidand'em como poss'haver
bem daquela que nom há par;
e Deus, que lhi fez tanto bem,
nom querrá que o seu bom sem
err'em mim, quant'é meu cuidar.
  
15E por end'hei no coraçom
mui gram prazer; ca tal a fez
Deus, que lhi deu sem, com bom prez,
sobre quantas no mundo som,
que nom querrá que o bom sem
20err'em mim, mais dar-mi-á, cuid'en,
dela bem e bom galardom.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 533, V 136

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Senhor, que de grad'hoj'eu querria,
se a Deus e a vós aprouguesse,
que, u vós estades, estevesse
convosc'e por esto me terria
5       por tam bem andante
       que por rei nem ifante
       des ali adeante
       nom me cambiaria.
  
E sabendo que vos prazeria
10que, u vós morássedes, morasse
e que vos eu viss'e vos falasse,
terria-me, senhor, todavia
       por tam bem andante
       que por rei nem ifante
15       des ali adeante
       nom me cambiaria.
  
Ca, senhor, em gram bem viveria,
se u vós vivêssedes, vivesse
e sol que de vós est'entendesse,
20terria-me, e razom faria,
       por tam bem andante
       que per rei nem ifante
       des ali adeante
       nom me cambiaria.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 534, V 137

Descrição:

Cantiga de Pastorela

Mestria

Ũa pastor bem talhada
cuidava em seu amigo
e estava, bem vos digo,
per quant'eu vi, mui coitada;
5e diss': "Oimais nom é nada
de fiar per namorado
nunca molher namorada,
pois que mi o meu há errado".
  
Ela tragia na mão
10um papagai mui fremoso,
cantando mui saboroso,
ca entrava o verão;
e diss': "Amigo loução,
que faria per amores?
15Pois m'errastes tam em vão!"
E caeu antr'ũas flores.
  
Ũa gram peça do dia
jouv'ali, que nom falava,
e a vezes acordava
20e a vezes esmorecia;
e diss': "Ai Santa Maria!
que será de mim agora?"
E o papagai dizia:
"Bem, per quant'eu sei, senhora."
  
25"Se me queres dar guarida",
diss'a pastor, "di verdade,
papagai, por caridade,
ca morte m'é esta vida".
Diss[e] el: "Senhor comprida
30de bem, e nom vos queixedes,
ca o que vos há servida,
erged'olho e vee-lo-edes".


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 535, V 138

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Senhor fremosa, pois no coraçom
nunca posestes de mi fazer bem,
nem mi dar grado do mal que mi vem
por vós, siquer teede por razom,
5       senhor fremosa, de vos nom pesar
       de vos veer, se mi o Deus [a]guisar.
  
Pois vos nunca no coraçom entrou
de mi fazerdes, senhor, senom mal,
nem ar atendo jamais de vós al,
10teede por bem, pois assi passou,
       senhor fremosa, de vos nom pesar
       de vos veer, se mi o Deus [a]guisar.
  
Pois que vos nunca doestes de mi,
er sabedes quanta coita passei
15por vós e quanto mal lev'e levei,
teede por bem, pois que est assi,
       senhor fremosa, de vos nom pesar
       de vos veer, se mi o Deus [a]guisar.
  
E assi me poderedes guardar,
20senhor [fremosa], sem vos mal estar.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 536, V 139

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Nunca vos ousei a dizer
o gram bem que vos sei querer,
       senhor deste meu coraçom;
       mais aque m'em vossa prisom:
5do que vos praz de mi fazer.
  
Nunca vos dixi nulha rem
de quanto mal mi por vós vem,
       senhor deste meu coraçom;
       mais aque m'em vossa prisom:
10de mi fazerdes mal ou bem.
  
Nunca vos ousei a contar
mal que mi fazedes levar,
       senhor deste meu coraçom;
       mais aque m'em vossa prisom:
15de me guarir ou me matar.
  
E, senhor, coita e al nom
me forçou de vos ir falar.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 537, V 140

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Bem me podedes vós, senhor,
partir deste meu coraçom
graves coitas; mas sei que nom
mi poderíades tolher,
5per bõa fé, nẽum prazer:
ca nunca o eu pud'haver
des que vos eu nom vi, senhor.
  
Podedes-mi partir gram mal
e graves coitas que eu hei
10por vós, mia senhor; mas bem sei
que me nom podedes per rem
tolher prazer nem nẽum bem:
pois end'eu nada nom houv'en,
des que vos vi, senom mal.
  
15Graves coitas e grand'afã
mi podedes, se vos prouguer,
partir mui bem, senhor; mais er
sei que nom podedes tolher,
o que em mi nom há: prazer,
20des que vos nom pudi veer,
mais grave coit'e grand'afã.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 538, V 141

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Pois ante vós estou aqui,
senhor deste meu coraçom,
por Deus, teede por razom,
por quanto mal por vós sofri,
5       de vos querer de mi doer
       ou de me leixardes morrer.
  
E pois do mal que eu levei
muit'há vós sodes sabedor,
teede já por bem, senhor,
10por Deus, pois tanto mal passei,
       de vos querer de mi doer
       ou de me leixardes morrer.
  
E pois que viv'em coita tal
per que o dormir e o sem
15perdi, teede já por bem,
senhor, pois tant'é o meu mal,
       de vos querer de mi doer
       ou de me deixardes morrer
  
ou de me quererdes valer.
20


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 539, V 142

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Senhor, que mal vos nembrades
de quanto mal por vós levei
e levo, ben'o creades,
que, par Deus, já poder nom hei
5de tam grave coita sofrer;
mais Deus vos leixe part'haver
da mui gram coita que mi dades.
  
E se Deus quer que hajades
parte da mia coita, bem sei,
10pero m'ora desamades,
log'entom amado serei
de vós, e podedes saber
qual coita é de padecer
aquesta de que me matades.
  
15E senhor, certa sejades
que des entom nom temerei
coita que mi dar possades,
e tod'o meu sem cobrarei
que mi vós fazedes perder;
20e vós cobrades conhocer,
tanto que m'algum bem façades.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 540, V 143

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Amor, em que grave dia vos vi,
pois [a] que tam muit'há que eu serv'i,
jamais nunca se quis doer de mi!
E pois me tod'este mal per vós vem,
5mia senhor haja bem, pois est assi,
e vós hajades mal e nunca bem.
  
Em grave dia que vos vi, Amor,
pois a de que sempre foi servidor,
me fez e faz cada dia peior!
10E pois hei por vós tal coita mortal,
faça Deus sempre bem a mia senhor,
e vós, Amor, hajades todo mal.
  
Pois da mais fremosa de quantas som
[jamais] nom pud'haver se coita nom
15e por vós viv'eu em tal perdiçom,
que nunca dormem estes olhos meus,
mia senhor haja bem por tal razom,
e vós, Amor, hajades mal de Deus.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 541, V 144

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Que prazer havedes, senhor,
de mi fazerdes mal por bem
que vos quig'e quer'? E por en
peç'eu tant'a Nostro Senhor:
5       que vos mud'esse coraçom
       que mi havedes, tam sem razom.
  
Prazer havedes do meu mal
pero vos amo mais ca mi;
e por en peç'a Deus assi,
10que sabe quant'é o meu mal:
       que vos mud'esse coraçom
       que mi havedes, tam sem razom.
  
Muito vos praz do mal que hei,
lume daquestes olhos meus;
15e por esto peç'eu a Deus,
que sab'a coita que eu hei,
       que vos mud'esse coraçom
       que mi havedes tam sem razom.
  
E se vo-lo mudar, entom
20poss'eu viver [e] se nom, nom.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 542, V 145

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Senhor, que bem parecedes,
se mi contra vós valvesse
Deus, que vos fez, e quisesse
do mal que mi fazedes
5mi fezéssedes enmenda...
E vedes, senhor, quejenda:
que vos viss'e vos prouguesse.
  
Bem parecedes, sem falha,
que nunca viu homem tanto,
10por meu mal e meu quebranto;
mais, senhor, que Deus vos valha,
por quanto mal hei levado
por vós, haja en, por grado,
veer-vos siquer já quanto.
  
15Da vossa gram fremosura,
ond'eu, senhor, atendia
gram bem e grand'alegria,
mi vem gram mal sem mesura;
e pois hei coita sobeja,
20praza-vos já que vos veja
no ano ũa vez d'um dia.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 543, V 146

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Senhor fremosa, vejo-vos queixar
porque vos am', e no meu coraçom
hei mui gram pesar, se Deus mi perdom,
porque vej'end'a vós haver pesar;
5e queria-m'en de grado quitar,
mais nom posso forçar o coraçom,
  
que mi forçou meu saber e meu sem,
des i meteu-me no vosso poder;
e do pesar que vos eu vej'haver,
10par Deus, senhor, a mim pesa muit'en;
e partir-m'-ia de vos querer bem,
mais tolhe-m'end'o coraçom poder,
  
que me forçou de tal guisa, senhor,
que sem nem força nom hei já de mi;
15e do pesar que vós tomades i,
tom'eu pesar, que nom posso maior;
e queria nom vos haver amor,
mais o coraçom pode mais ca mi.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 544, V 147

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Amor fez a mim amar,
gram temp'há, ũa molher
que meu mal quis sempr'e quer
e me quis e quer matar;
5e ben'o pod'acabar
pois end'o poder houver.
Mais Deus, que sab'a sobeja
coita que m'ela dá, veja
como vivo tam coitado:
10El mi ponha i recado.
  
Tal molher mi fez Amor
amar, que bem des entom
nom mi deu se coita nom,
e do mal sempr'o peior;
15por end'a Nostro Senhor
rog'eu mui de coraçom
que El m'ajud'em atam forte
coita que par m'é de morte,
e ao gram mal sobejo
20com que m'hoj'eu morrer vejo.
  
A mim fez gram bem querer
Amor ũa molher tal
que sempre quis o meu mal
e a que praz d'eu morrer.
25E pois que o quer fazer,
nom poss'eu fazer i al;
mais Deus que sab'o gram torto
que mi tem, mi dê conorto
a este mal sem mesura
30que tanto comigo dura.
  
Amor fez a mim gram bem
querer tal molher ond'hei
sempre mal e haverei;
ca em tal coita me tem
35que nom hei força nem sem;
por en rog'e rogarei
a Deus, que sabe que vivo
em tal mal e tam esquivo,
que mi queira dar guarida
40de mort'ou dê melhor vida.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 545, V 148

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Punh'eu, senhor, quanto poss', em quitar
d'em vós cuidar este meu coraçom,
que cuida sempr'em qual vos vi; mais nom
poss'eu per rem nem mi nem el forçar
5que nom cuide sempr'em qual vos eu vi;
e por esto nom sei hoj'eu de mi
que faça, nem me sei conselh'i dar.
  
Nom pudi nunca partir de chorar
estes meus olhos bem dê'la sazom
10que vos virom, senhor; ca des entom
quis Deus assi, que vo-lhi foi mostrar,
que nom podess'o coraçom des i
partir d'em vós cuidar; e viv'assi
sofrendo coita tal que nom há par.
  
15E, mia senhor, u sempr'hei de cuidar
no maior bem dos que no mundo som
qual est o vosso, hei mui gram razom,
pois nom poss'end'o coraçom tirar,
de viver em camanho mal vivi
20des que vos eu por meu mal conhoci
e d'haver sempr'a mort'a desejar.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 546, V 149

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

De mi valerdes seria, senhor,
mesura, por quant'há que vos servi;
mais pois vos praz de nom seer assi
e do mal hei de vós sempr'o peior,
5veed'ora se seria melhor,
       como vos praz de me leixar morrer,
       de vos prazer de mi querer valer.
  
De mi valerdes, senhor, nulha rem
nom errades, pois vos sei tant'amar
10como vos am'; e pois vos é pesar,
e sofr'eu mal de que moir', e por en
veed'agora se seria bem,
       como vos praz de me leixar morrer,
       de vos prazer de mi querer valer.
  
15De mi valerdes era mui mester,
porque perço quanto vos [eu] direi:
o corp'e Deus; e nunca vos errei
e pero praz-vos do meu mal; mais er
veede se é bem, se vos prouguer,
20       como vos praz de me leixar morrer,
       de vos prazer de mi querer valer.
  
De mi valerdes, Deus nom mi perdom,
se vós perdedes do vosso bom prez,
pois vos tant'am'; e por Deus que vos fez
25valer mais de quantas no mundo som,
ve[e]d'agora se nom é razom,
       como vos praz de me leixar morrer,
       de vos prazer de mi querer valer.
  
E pois, senhor, em vós é o poder,
30par Deus, quered'o melhor escolher.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 547, V 150

Descrição:

Cantiga de Pastorela

Mestria

Vi hoj'eu cantar d'amor
em um fremoso virgeu,
ũa fremosa pastor
que, ao parecer seu,
5jamais nunca lhi par vi;
e por en dixi-lh'assi:
"Senhor, por vosso vou eu".
  
Tornou sanhuda entom,
quando m'est'oiu dizer,
10e diss': "Ide-vos, varom!
Quem vos foi aqui trajer
para m'irdes destorvar
d'u dig'aqueste cantar
que fez quem sei bem querer?"
  
15"Pois que me mandades ir,"
dixi-lh'eu, "senhor, ir-m'-ei;
mais já vos hei de servir
sempr'e por voss'andarei;
ca voss'amor me forçou,
20assi que por vosso vou,
cujo sempr'eu já serei."
  
Dix'ela: "Nom vos tem prol
esso que dizedes, nem
mi praz de o oir sol,
25ant'hei noj'e pesar en;
ca meu coraçom nom é,
nem será, per bõa fé,
senom do que quero bem."
  
"Nem o meu", dixi-lh'eu "já,
30senhor, nom se partirá
de vós, por cujo s'el tem."
  
"O meu", diss'ela, "será
u foi sempr'e u está,
e de vós nom curo rem."


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 548, V 151

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Quand'eu bem meto femença
em qual vos vej'e vos vi,
des que vos eu conhoci,
Deus, que nom mente, mi mença,
5       senhor, se hoj'eu sei bem
       que semelh'o voss'em rem.
  
Quand'eu a beldade vossa
vejo, que vi por meu mal,
Deus, que a coitados val,
10a mim nunca valer possa,
       senhor, se hoj'eu sei bem,
       que semelh'o voss'em rem.
  
E quem o assi nom tem,
nom vos viu ou nom há sem.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 549, V 152

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Senhor, aquel que sempre sofre mal,
mentre mal há, nom sabe que é bem;
e o que sofre bem sempr', outro tal
do mal nom pode saber nulha rem;
5por en querede, pois que eu, senhor,
por vós fui sempre de mal sofredor,
que algum tempo sábia que é bem.
  
Ca o bem, senhor, nom poss'eu saber
senom per vós, per que eu o mal sei;
10des i o mal non'o posso perder
se per vós nom; e poilo bem nom hei,
quered'ora, senhor, vel por Deus já,
que em vós pôs quanto bem no mund'há,
que o bem sábia, pois que [o] nom sei.
  
15Ca se nom souber algũa sazom
o bem por vós, por que eu mal sofri,
nom tenh'eu já i se morte nom
e vós perdedes mesura em mi;
por en querede, por Deus que vos deu
20tam muito bem, que por vós sábia eu
o bem, senhor, por quanto mal sofri.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 550, V 153

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Senhor, em tam grave dia
vos vi que nom poderia
mais; e, por Santa Maria,
que vos fez tam mesurada,
5doede-vos algum dia
       de mi, senhor bem talhada.
  
Pois sempr'há em vós mesura
e todo bem e cordura,
que Deus fez em vós feitura
10qual nom fez em molher nada,
doede-vos por mesura
       de mim, senhor bem talhada.
  
E por Deus, senhor, tomade
mesura por gram bondade
15que vos El deu, e catade
qual vida vivo coitada
e algum doo tomade
       de mi, senhor bem talhada.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 551, V 154

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Por Deus, senhor, pois per vós nom ficou
de mi fazer bem e ficou per mi,
teede por bem, pois assi passou,
em galardom de quanto vos servi,
5       de mi teer puridade, senhor,
       e eu a vós, ca éste o melhor.
  
Nom ficou per vós de mi fazer bem,
e de Deus hajades bom galardom,
mais a mi a míngua foi grand'; e por en
10por mercee teede por razom
       de me teer puridade, senhor,
       e eu a vós, ca éste o melhor.
  
Sempre vos desto bom grado darei,
mais eu minguei em loor e em prez,
15como Deus quis; mais [pois] assi passou,
praza-vos, senhor, por qual vos El fez,
       de me teer puridade, senhor,
       e eu a vós, ca éste o melhor.
  
Ca nom tiro eu nem vós prez nem loor
20daqueste preito, se sabudo for.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 552, V 155

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Senhor, eu vivo coitada
vida des quando vos nom vi;
mais pois vós queredes assi,
por Deus, senhor bem talhada,
5       querede-vos de mim doer
       ou ar leixade-m'ir morrer.
  
Vós sodes tam poderosa
de mim que meu mal e meu bem
em vós é todo; [e] por en
10por Deus, mia senhor fremosa,
       querede-vos de mim doer
       ou ar leixade m'ir morrer.
  
Eu vivo por vós tal vida
que nunca estes olhos meus
15dormem, mia senhor; e por Deus,
que vos fez de bem comprida,
       querede-vos de mim doer
       ou ar leixade m'ir morrer.
  
Ca, senhor, todo m'é prazer
20quant'i vós quiserdes fazer.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 553, V 156
(C 553)

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Rubrica:

E em [e]sta folha adeante se començam as cantigas d'amigo que o mui nobre Dom Denis Rei de Portugal fez

Bem entendi, meu amigo,
que mui gram pesar houvestes
quando falar nom podestes
vós noutro dia comigo,
5mais certo seed', amigo,
       que nom fui o vosso pesar
       que s'ao meu podess'iguar.
  
Mui bem soub'eu por verdade
que érades tam coitado
10que nom havia recado,
mais, amigo, acá tornade:
sabede bem por verdade
       que nom fui o vosso pesar
       que s'ao meu podess'iguar.
  
15Bem soub', amigo, por certo
que o pesar daquel dia
vosso, que par nom havia,
mais pero foi encoberto,
e por en seede certo
20       que nom fui o vosso pesar
       que s'ao meu podess'iguar.
  
Ca o meu nom se pod'osmar,
nem eu non'o pudi negar.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 554, V 157

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Amiga, muit'há gram sazom
que se foi daqui com el-rei
meu amigo, mais já cuidei
mil vezes no meu coraçom
5       que algur morreu com pesar,
       pois nom tornou migo falar.
  
Por que tarda tam muito lá
e nunca me tornou veer,
amiga, si veja prazer,
10mais de mil vezes cuidei já
       que algur morreu com pesar,
       pois nom tornou migo falar.
  
Amiga, o coraçom seu
era de tornar ced'aqui
15u visse os meus olhos em mim,
e por en mil vezes cuid'eu
       que algur morreu com pesar,
       pois nom tornou migo falar.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 555, V 158

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Que trist'hoj'é meu amigo,
amiga, no seu coraçom,
ca nom pode falar migo
nem veer-m', e faz gram razom
5       meu amigo de trist'andar,
       pois m'el nom vir e lh'eu nembrar.
  
Trist'anda, se Deus mi valha,
ca me nom viu, e dereit'é,
e por esto faz sem falha
10mui gram razom, per bõa fé,
       meu amigo de trist'andar,
       pois m'el nom vir e lh'eu nembrar.
  
D'andar triste faz guisado,
ca o nom vi, nem viu el mi
15nem ar oíu meu mandado,
e por en faz gram dereit'i
       meu amigo de trist'andar,
       pois m'el nom vir e lh'eu nembrar.
  
Mais, Deus, como pode durar
20que já nom morreu com pesar?


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 556, V 159

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Dos que ora som na hoste,
amiga, querria saber
se se verrám tard'ou toste,
por quanto vos quero dizer:
5       porque é alá meu amigo.
  
Querria saber mandado
dos que alá som, ca o nom sei,
amiga, par Deus, de grado,
por quanto vos ora direi:
10       porque é alá meu amigo.
  
E queredes que vos diga?
Se Deus bom mandado mi dê,
querria saber, amiga,
deles novas, vedes porquê:
15       porque é alá meu amigo.
  
Ca por al nom vo-lo digo.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 557, V 160

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Que muit'há já que nom vejo
mandado do meu amigo,
pero, amiga, pôs migo
bem aqui, u mi ora sejo,
5       que logo m'enviaria
       mandad'ou s'ar tornaria.
  
Muito mi tarda, sem falha,
que nom vejo seu mandado,
pero houve-m'el jurado
10bem aqui, se Deus mi valha,
       que logo m'enviaria
       mandad'ou s'ar tornaria.
  
E que vos verdade diga:
el seve muito chorando,
15er seve por mi jurando
u m'agora sej', amiga,
       que logo m'enviaria
       mandad'ou s'ar tornaria.
  
Mais, pois nom vem nem envia
20mandad', é mort'ou mentia.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 558, V 161

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Chegou-m'or'aqui recado,
amiga, do voss'amigo,
e aquel que falou migo
diz-mi que é tam coitado
5       que per quanta poss'havedes
       já o guarir nom podedes.
  
Diz que hoje tercer dia
bem lhi partírades morte,
mais houv'el coita tam forte
10e tam coitad'er jazia
       que per quanta poss'havedes
       já o guarir nom podedes.
  
Com mal que lhi vós fezestes
jurou-mi, amiga fremosa,
15que, pero vós poderosa
fostes del quanto quisestes,
       que per quanta poss'havedes
       já o guarir nom podedes.
  
E gram perda per fazedes
20u tal amigo perdedes.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 559, V 162

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

O meu amig', amiga, nom quer'eu
que haja gram pesar nem gram prazer,
e quer'eu este preit'assi trager,
ca m'atrevo tanto no feito seu:
5       non'o quero guarir nen'o matar,
       nen'o quero de mi desasperar.
  
Ca, se lh'eu amor mostrasse, bem sei
que lhi seria end'atam gram bem
que lh'haveriam d'entender por en
10qual bem mi quer; por end'esto farei:
       non'o quero guarir nen'o matar,
       nen'o quero de mi desasperar.
  
E, se lhi mostrass'algum desamor,
nom se podia guardar de morte,
15tant'haveria en coita forte,
mais, por eu nom errar end'o melhor,
       non'o quero guarir nen'o matar,
       nen'o quero de mi desasperar.
  
E assi se pode seu tempo passar,
20quando com prazer, quando com pesar.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 560, V 163

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Amiga, bom grad'haja Deus
do meu amigo que a mi vem,
mais podedes creer mui bem,
quando o vir dos olhos meus,
5       que possa aquel dia veer
       que nunca vi maior prazer.
  
Haja Deus ende bom grado
porque o faz viir aqui,
mais podedes creer per mim,
10quand'eu vir o namorado,
       que possa aquel dia veer
       que nunca vi maior prazer.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 561, V 164

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Vós que vos em vossos cantares meu
amigo chamades, creede bem
que nom dou eu por tal enfinta rem,
e por aquesto, senhor, vos mand'eu
5       que bem quanto quiserdes des aqui
       fazer, façades enfinta de mi.
  
Ca demo lev'essa rem que eu der
por enfinta fazer o mentiral
de mim, ca me nom monta bem nem mal,
10e por aquesto vos mand'eu, senher,
       que bem quanto quiserdes des aqui
       fazer, façades enfinta de mi.
  
Ca mi nom tolh'a mi rem, nem mi dá,
de s'enfinger de mi mui sem razom
15ao que eu nunca fiz se mal nom,
e por en, senhor, vos mand'ora já
       que bem quanto quiserdes des aqui
       fazer, façades enfinta de mi.
  
[E] estade com'estades de mi,
20e enfingede-vos bem des aqui.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 562, V 165

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Roga-m'hoje, filha, o voss'amigo
muit'aficado que vos rogasse
que de vos amar nom vos pesasse,
e por en vos rog'e vos castigo
5       que vos nom pês de vos el bem querer,
       mais nom vos mand'i, filha, mais fazer.
  
E, u m'estava em vós falando
e m'esto que vos digo rogava,
doí-me del, tam muito chorava,
10e por en, filha, [vos] rog'e mando
       que vos nom pês de vos el bem querer,
       mais nom vos mand'i, filha, mais fazer.
  
Ca de vos el amar de coraçom
nom vej'eu rem que vós i perçades,
15sem i mais haver, mais gaanhades,
e por esto, pola mia beençom,
       que vos nom pês de vos el bem querer,
       mais nom vos mand'i, filha, mais fazer.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 563, V 166

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Pesar mi fez meu amigo,
amiga, mais sei eu que nom
cuidou el no seu coraçom
de mi pesar, ca vos digo
5       que ant'el querria morrer
       ca mi sol um pesar fazer.
  
Nom cuidou que mi pesasse
do que fez, ca sei eu mui bem
que do que foi nom fora rem;
10por en sei, se en cuidasse,
       que ant'el querria morrer
       ca mi sol um pesar fazer.
  
Feze-o por encoberta,
ca sei que se fora matar
15ante ca mi fazer pesar,
e por esto sõo certa
       que ant'el querria morrer
       ca mi sol um pesar fazer.
  
Ca, de morrer ou de viver,
20sab'el ca x'é no meu poder.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 564, V 167

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Amiga, sei eu bem d'ũa molher
que se trabalha de vosco buscar
mal a voss'amigo, polo matar,
mais tod'aquest', amiga, ela quer
5       porque nunca com el pôde põer
       que o podesse por amig'haver.
  
E busca-lhi convosco quanto mal
ela mais pode, aquesto sei eu,
e tod'aquest'ela faz polo seu,
10e por este preit[o] e nom por al:
       porque nunca com el pôde põer
       que o podesse por amig'haver.
  
Ela trabalha-se, há gram sazom,
de lhi fazer o vosso desamor
15haver, e há ende mui gram sabor,
e tod'est', amiga, nom é senom
       porque nunca com el pôde põer
       que o podesse por amig'haver.
  
[E] por esto faz ela seu poder
20pera fazê-lo convosco perder.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 565, V 168

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão e Paralelística

Bom dia vi amigo,
pois seu mandad'hei migo,
       louçana.
  
Bom dia vi amado,
5pois mig'hei seu mandado,
       louçana.
  
Pois seu mandad'hei migo,
rog'eu a Deus e digo
       louçana.
  
10Pois migo hei seu mandado,
rog'eu a Deus de grado,
       louçana.
  
Rog'eu a Deus e digo
por aquel meu amigo,
15       louçana.
  
[Rog'eu a Deus de grado
por aquel namorado,
       louçana.]
  
Por aquel meu amigo,
20que o veja comigo,
       louçana.
  
Por aquel namorado,
que fosse já chegado,
       louçana.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 566, V 169

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão e Paralelística

Nom chegou, madre, o meu amigo,
e hoj'est o prazo saido;
       ai madre, moiro d'amor!
  
Nom chegou, madr', o meu amado,
5e hoj'est o prazo passado;
       ai madre, moiro d'amor!
  
E hoj'est o prazo saido;
por que mentiu o desmentido?
       ai madre, moiro d'amor!
  
10E hoj'est o prazo passado;
por que mentiu o perjurado?
       ai madre, moiro d'amor!
  
Por que mentiu o desmentido,
pesa-mi, pois per si é falido;
15       ai madre, moiro d'amor!
  
Por que mentiu o perjurado,
pesa-mi, pois mentiu per seu grado;
       ai madre, moiro d'amor!


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 567, V 170

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão e Paralelística

- De que morredes, filha, a do corpo velido?
- Madre, moiro d'amores que mi deu meu amigo.
        Alva é, vai liero.
  
- De que morredes, filha, a do corpo louçano?
5- Madre, moiro d'amores que mi deu meu amado.
       Alva é, vai liero.
  
Madre, moiro d'amores que mi deu meu amigo,
quando vej'esta cinta que por seu amor cingo.
       Alva é, vai liero.
  
10Madre, moiro d'amores que mi deu meu amado,
quando vej'esta cinta que por seu amor trago.
       Alva é, vai liero.
  
Quando vej'esta cinta que por seu amor cingo
e me nembra, fremosa, como falou conmigo.
15       Alva é, vai liero.
  
Quando vej'esta cinta que por seu amor trago
e me nembra, fremosa, como falámos ambos.
       Alva é, vai liero.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 568, V 171

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão e Paralelística

- Ai flores, ai flores do verde pino,
se sabedes novas do meu amigo?
       Ai Deus, e u é?
  
Ai flores, ai flores do verde ramo,
5se sabedes novas do meu amado?
       Ai Deus, e u é?
  
Se sabedes novas do meu amigo,
aquel que mentiu do que pôs conmigo?
       Ai Deus, e u é?
  
10Se sabedes novas do meu amado,
aquel que mentiu do que mi há jurado?
       Ai Deus, e u é?
  
- Vós me preguntades polo voss'amigo
e eu bem vos digo que é san'e vivo.
15       Ai Deus, e u é?
  
- Vós me preguntades polo voss'amado
e eu bem vos digo que é viv'e sano.
       Ai Deus, e u é?
  
- E eu bem vos digo que é san'e vivo
20e será vosco ant'o prazo saído.
       Ai Deus, e u é?
  
- E eu bem vos digo que é viv'e sano
e será vosc[o] ant'o prazo passado.
       Ai Deus, e u é?


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 569, V 172

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão e Paralelística

Levantou-s'a velida,
       levantou-s'alva,
e vai lavar camisas
       eno alto,
5       vai-las lavar alva.
  
Levantou-s'a louçana,
       levantou-s'alva,
e vai lavar delgadas
       eno alto,
10       vai-las lavar alva.
  
[E] vai lavar camisas;
       levantou-s'alva,
o vento lhas desvia
       eno alto,
15       vai-las lavar alva.
  
E vai lavar delgadas;
       levantou-s'alva,
o vento lhas levava
       eno alto,
20       vai-las lavar alva.
  
O vento lhas desvia;
       levantou-s'alva,
meteu-s'[a] alva em ira
       eno alto,
25       vai-las lavar alva.
  
O vento lhas levava;
       levantou-s'alva,
meteu-s'[a] alva em sanha
       eno alto,
30       vai-las lavar alva.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 570, V 173

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão e Paralelística

Amad'e meu amigo,
       valha Deus!
vede'la frol do pinho
       e guisade d'andar.
  
5Amig'e meu amado,
       valha Deus!
vede'la frol do ramo
       e guisade d'andar.
  
Vede la frol do pinho,
10       valha Deus!
selad'o baiozinho
       e guisade d'andar.
  
Vede la frol do ramo,
       valha Deus!
15selad'o bel cavalo
       e guisade d'andar.
  
Selad'o baiozinho,
       valha Deus!
treide-vos, ai amigo,
20       e guisade d'andar.
  
[Selad'o bel cavalo,
       valha Deus!
treide-vos, ai amado,
       e guisade d'andar.]


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 523a=570bis, V 116=174

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

O voss'amigo tam de coraçom
pom ele em vós seus olhos e tam bem,
par Deus, amiga, que nom sei eu quem
o veja que nom entenda que nom
5       pod'el poder haver d'haver prazer
       de nulha rem senom de vos veer.
  
E quem bem vir com'el seus olhos pom
em vós, amiga, quand'ante vós vem,
se xi nom for mui minguado de sem,
10entender pode del mui bem que nom
       pod'el poder haver d'haver prazer
       de nulha rem senom de vos veer.
  
E quand'el vem u vós sodes, razom
quer el catar que s'encobra; e tem
15que s'encobre, pero nom lhi val rem,
ca nos seus olhos entendem que nom
       pod'el poder haver d'haver prazer
       de nulha rem senom de vos veer.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 571, V 175

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Com'ousará parecer ante mi
o meu amig', ai amiga, por Deus,
e com'ousará catar estes meus
olhos, se o Deus trouxer per aqui,
5       pois tam muit'há que nom vẽo veer-
       -mi e meus olhos e meu parecer?
  
Amiga, ou como s'atreverá
de m'ousar sol dos seus olhos catar,
se os meus olhos vir um pouc'alçar,
10ou no coraçom como o porrá?
       Pois tam muit'há que nom vẽo veer-
       -mi e meus olhos e meu parecer.
  
Ca sei que nom terrá el por razom,
como quer que m'haja mui grand'amor,
15de m'ousar veer, nem chamar senhor,
nem sol non'o porrá no coraçom;
       pois tam muit'há que nom vẽo veer-
       -mi e meus olhos e meu parecer.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 572, V 176

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão, Dialogada

– Em grave dia, senhor, que vos oí
falar, e vos virom estes olhos meus!
– Dized', amigo, que poss'eu fazer i
em aqueste feito, se vos valha Deus?
5       – Faredes mesura contra mi, senhor?
        - Farei, amigo, fazend'eu o melhor.
  
– U vos em tal ponto eu oí falar,
senhor, que nom pudi depois bem haver!
– Amigo, quero-vos ora preguntar
10que mi digades o que poss'i fazer.
       – Faredes mesura contra mi, senhor?
       – Farei, amigo, fazend'eu o melhor.
  
– Des que vos vi e vos oí falar, [nom]
vi prazer, senhor, nem dormi, nem folguei.
15– Amigo, dizede, se Deus vos perdom,
o que eu i faça, ca eu non'o sei.
       – Faredes mesura contra mi, senhor?
       – Farei, amigo, fazend'eu o melhor.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 573, V 177

Descrição:

Cantiga de Amigo

Mestria

- Amiga, faço-me maravilhada
como pode meu amigo viver
u os meus olhos nom pode veer
ou como pod'alá fazer tardada;
5ca nunca tam gram maravilha vi:
poder meu amigo viver sem mi;
e, par Deus, é cousa mui desguisada.
  
- Amiga, estad[e] ora calada
um pouco, e leixad'a mim dizer:
10per quant'eu sei cert'e poss'entender,
nunca no mundo foi molher amada
come vós de voss'amig'; e assi,
se el tarda, sol nom é culpad'i;
se nom, eu quer'en ficar por culpada.
  
15- Ai amiga, eu ando tam coitada
que sol nom poss'em mi tomar prazer,
cuidand'em como se pode fazer
que nom é já comigo de tornada;
e, par Deus, porque o nom vej'aqui,
20que é morto gram sospeita tom'i,
e, se mort'é, mal dia eu fui nada.
  
- Amiga fremosa e mesurada,
nom vos dig'eu que nom pode seer
voss'amigo, pois hom'é, de morrer;
25mais, por Deus, nom sejades sospeitada
doutro mal del, ca des quand'eu naci,
nunca doutr'home tam leal oí
falar, e quem end'al diz, nom diz nada.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 574, V 178

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

O voss'amig', amiga, vi andar
tam coitado que nunca lhi vi par,
que adur mi podia já falar;
       pero quando me viu, disse-mi assi:
5"Ai senhor, id'a mia senhor rogar,
       por Deus, que haja mercee de mi."
  
El andava trist'e mui sem sabor,
come quem é tam coitado d'amor,
e perdud'[há] o sem e a color,
10       pero quando me viu, disse-mi assi:
"Ai senhor, ide rogar mia senhor,
       por Deus, que haja mercee de mi."
  
El, amiga, achei eu andar tal
come morto, ca é descomunal
15o mal que sofr'e a coita mortal,
       pero quando me viu, disse-mi assi:
"Senhor, rogad'a senhor do meu mal,
       por Deus, que haja mercee de mi."


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 575/576, V 179
(C 575)

Descrição:

Cantiga de Amigo

Mestria, dialogada

- Amigo, queredes-vos ir?
- Si, mia senhor, ca nom poss'al
fazer, ca seria meu mal
e vosso; por end'a partir
5mi convém daqueste logar;
mais que gram coita d'endurar
mi será, pois me sem vós vir!
  
- Amig', e de mim que será?
- Bem, senhor bõa e de prez;
10e, pois m'eu for daquesta vez,
o vosso mui bem se passará;
mais morte m'é de m'alongar
de vós e ir-m'alhur morar,
mais pass'o voss'ũa vez já.
  
15- Amig', eu sem vós morrerei.
- Nom querrá Deus esso, senhor;
mais, pois u vós fordes nom for,
o que morrerá eu serei;
mais quer'eu ant'o meu passar
20ca assi do voss'aventurar;
ca eu sem vós de morrer hei!
  
- Queredes-mi, amigo, matar?
- Nom, mia senhor; mais, por guardar
vós, mato-mi, que mi o busquei.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 577, V 180

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão, Dialogada

- Dizede por Deus, amigo:
tamanho bem me queredes
como vós a mi dizedes?
- Si, senhor, e mais vos digo:
5       nom cuido que hoj'home quer
       tam gram bem no mund'a molher.
  
- Nom creo que tamanho bem
mi vós podéssedes querer
camanh'a mi ides dizer
10- Si, senhor, e mais direi en:
       nom cuido que hoj'home quer
       tam gram bem no mund'a molher.
  
- Amig', eu nom vos creerei,
fé que dev'a Nostro Senhor,
15que m'havedes tam grand'amor!
- Si, senhor, e mais vos direi:
       nom cuido que hoj'home quer
       tam gram bem no mund'a molher.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 578, V 181

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão, dialogada

- Nom poss'eu, meu amigo,
com vossa soidade
viver, bem vo-lo digo,
e por esto morade,
5       amigo, u mi possades
       falar e me vejades.
  
Nom poss', u vos nom vejo,
viver, ben'o creede,
tam muito vos desejo,
10e por esto vivede,
       amigo, u mi possades
       falar e me vejades.
  
Naci em forte ponto
e, amigo, partide
15o meu gram mal sem conto,
e por esto guaride,
       amigo, u mi possades
       falar e me vejades.
  
- Guarrei, ben'o creades,
20senhor, u me mandardes.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 579, V 182

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Por Deus, amigo, quem cuidaria
que vós nunca houvéssedes poder
de tam longo tempo sem mi viver?
E des oimais, par Santa Maria,
5       nunca molher deve, bem vos digo,
       muit'a creer per juras d'amigo.
  
Dissestes-mi u vos de mim quitastes:
"Log'aqui serei convosco, senhor";
e jurastes-mi polo meu amor,
10e des oimais, pois vos perjurastes,
       nunca molher deve, bem vos digo,
       muit'a creer per juras d'amigo.
  
Jurastes-m'entom muit'aficado
que logo logo, sem outro tardar,
15vos queríades pera mi tornar,
e des oimais, ai meu perjurado,
       nunca molher deve, bem vos digo,
       muit'a creer per juras d'amigo.
  
E assi farei eu, bem vos digo,
20por quanto vós passastes comigo.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 580, V 183

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

O meu amigo há de mal assaz,
tant', amiga, que muito mal per é,
que no mal nom há mais, per bõa fé,
e tod'aquesto vedes que lho faz:
5       porque nom cuida de mi bem haver,
       viv'em coita, coitado per morrer.
  
Tanto mal sofre, se Deus mi perdom,
que já eu, amiga, del doo hei,
e, per quanto de sa fazenda sei,
10tod'este mal é por esta razom:
       porque nom cuida de mi bem haver,
       viv'em coita, coitado per morrer.
  
Morrerá desta, u nom pod'haver al,
que toma em si tamanho pesar
15que se nom pode de morte guardar
e, amiga, vem-lhi tod'este mal
       porque nom cuida de mi bem haver,
       viv'em coita, coitado per morrer.
  
Ca, se cuidasse de mi bem haver,
20ant'el quer[r]ia viver ca morrer.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 581, V 184

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Meu amigo, nom poss'eu guarecer
sem vós nem vós sem mi; e que será
de vós? Mais Deus, que end'o poder há,
Lhi rog'eu que El queira escolher
5       por vós, amigo, e des i por mi,
       que nom moirades vós nem eu assi
  
como morremos, ca nom há mester
de tal vida havermos de passar,
ca mais nos valria de nos matar;
10mais Deus escolha, se a El prouguer,
       por vós, amigo, e des i por mi
       que nom moirades vós nem eu assi
  
como morremos, ca ena maior
coita do mundo, nen'a mais mortal,
15vivemos, amigo, e no maior mal;
mais Deus escolha, come bom senhor,
       por vós, amigo, e des i por mi
       que nom moirades vós nem eu assi
  
como morremos, ca, per bõa fé,
20mui gram temp'há que este mal passou
per nós, e passa, e muito durou;
mais Deus escolha, come quem Ele é,
       por vós, amigo, e des i por mi
       que nom moirades vós nem eu assi
  
25como morremos, e Deus ponha i
conselh', amigo, a vós e a mim.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 582, V 185

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Que coita houvestes, madr'e senhor,
de me guardar que nom possa veer
meu amig'e meu bem e meu prazer!
Mais, se eu posso, par Nostro Senhor,
5       que o veja e lhi possa falar,
       guisar-lho-ei, e pês a quem pesar.
  
Vós fezestes todo vosso poder,
madr'e senhor, de me guardar que nom
visse meu amig'e meu coraçom!
10Mais, se eu posso, a todo meu poder,
       que o veja e lhi possa falar,
       guisar-lho-ei, e pês a quem pesar.
  
Mia morte quisestes, madr', e nom al,
quand'aguisastes que per nulha rem
15eu nom viss'o meu amig'e meu bem!
Mais, se eu posso, u nom pod'haver al,
       que o veja e lhi possa falar,
       guisar-lho-ei, e pês a quem pesar.
  
E se eu, madr', esto poss'acabar,
20o al passe como poder passar.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 583, V 186

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Amig'e fals'e desleal,
que prol há de vos trabalhar
d'ena mia mercee cobrar?
Ca tanto o trouxestes mal
5       que nom hei, de vos bem fazer,
       pero m'eu quisesse, poder.
  
Vós trouxestes o preit'assi
come quem nom é sabedor
de bem nem de prez nem d'amor,
10e por en creede per mim
       que nom hei, de vos bem fazer,
       pero m'eu quisesse, poder.
  
Caestes [vós] em tal cajom
que sol conselho nom vos sei,
15ca já vos eu desemparei,
em guisa, se Deus mi perdom,
       que nom hei, de vos bem fazer,
       pero m'eu quisesse, poder.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 584, V 187

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Meu amigo vem hoj'aqui
e diz que quer migo falar,
e sab'el que mi faz pesar,
madre, pois que lh'eu defendi
5       que nom fosse, per nulha rem,
       per u eu foss', e ora vem
  
aqui; e foi pecado seu
de sol põer no coraçom,
madre, passar mia defensom;
10ca sab'el que lhi mandei eu
       que nom fosse per nulha rem
       per u eu foss', e ora vem
  
aqui, u eu com el falei
per ante vós, madr'e senhor;
15e oimais perde meu amor,
pois lh'eu defendi e mandei
       que nom fosse per nulha rem
       per u eu foss', e ora vem
  
aqui, madr', e pois fez mal sem,
20dereit'é que perça meu bem.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 585, V 188

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Quisera vosco falar de grado,
ai meu amig'e meu namorado,
       mais nom ous'hoj'eu convosc'a falar,
ca hei mui gram medo do irado;
5       irad'haja Deus quem me lhi foi dar.
  
Em cuidados de mil guisas travo
por vos dizer o com que m'agravo,
       mais nom ous'hoj'eu convosc'a falar,
ca hei mui gram medo do mal bravo;
10       mal brav'haja Deus quem me lhi foi dar.
  
Gram pesar hei, amigo, sofrudo
por vos dizer meu mal ascondudo,
       mais nom ous'hoj'eu convosc'a falar,
ca hei mui gram medo do sanhudo;
15       sanhud'haja Deus quem me lhi foi dar.
  
Senhor do meu coraçom, cativo
sodes em eu viver com quem vivo,
       mais nom ous'hoj'eu convosc'a falar,
ca hei mui gram medo do esquivo;
20       esquiv'haja Deus quem me lhi foi dar.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 586, V 189

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Vi-vos, madre, com meu amig'aqui
hoje falar e houv'en gram prazer
porque o vi de cabo vós erger
led', e tenho que mi faz Deus bem i,
5       ca, pois que s'el ledo partiu daquém,
       nom pode seer senom por meu bem.
  
Ergeu-se ledo e riiu já quê,
o que mui gram temp'há que el nom fez,
mais, pois já esto passou esta vez,
10fic'end'eu leda, se Deus bem mi dê,
       ca, pois que s'el ledo partiu daquém,
       nom pode seer senom por meu bem.
  
El pôs os seus olhos nos meus entom,
quando vistes que xi vos espediu,
15e tornou contra vós led'e riiu,
e por end'hei prazer no coraçom,
       ca, pois que s'el ledo partiu daquém,
       nom pode seer senom por meu bem.
  
E, pero m'eu da fala nom sei rem,
20de quant'eu vi, madr', hei gram prazer en.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 587, V 190

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Gram temp'há, meu amigo, que nom quis Deus
que vos veer podesse dos olhos meus,
e nom pom, com tod'esto, em mi os seus
olhos mia madr', amig', e pois est assi,
5       guisade de nos irmos, por Deus, daqui,
       e faça mia madr'o que poder des i.
  
Nom vos vi há gram tempo, nem se guisou,
ca o partiu mia madr[e], a que pesou
daqueste preit', e pesa, e mi guardou
10que vos nom viss', amig', e, pois est assi,
       guisade de nos irmos, por Deus, daqui,
       e faça mia madr'o que poder des i.
  
Que vos nom vi há muito, e nulha rem
nom vi des aquel tempo de nẽum bem,
15ca o partiu mia madr[e], e fez por en
que vos nom viss', amig', e, pois est assi,
       guisade de nos irmos, por Deus, daqui,
       e faça mia madr'o que poder des i.
  
E se [o] nom guisardes mui ced'assi,
20matades-vos, amig', e matades-mi.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 588, V 191

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Valer-vos-ia, amig'e [meu bem],
se eu ousasse, mais vedes quem
me tolhe daquest'e nom al:
mia madre, que vos há mortal
5desamor; e, com este mal,
de morrer nom mi pesa[ria].
  
Valer-vos-ia, par Deus, meu bem,
se eu ousasse, mais vedes quem
me tolhe de vos nom valer:
10mia madre, que end'há poder
e vos sabe gram mal querer;
e por en mia morte queria.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 589, V 192

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão e Paralelística

Pera veer meu amigo,
que talhou preito comigo,
       alá vou, madre.
  
Pera veer meu amado,
5que mig'há preito talhado,
       alá vou, madre.
  
Que talhou preito comigo;
é por esto que vos digo:
       alá vou, madre.
  
10Que mig'há preito talhado;
é por esto que vos falo:
       alá vou, madre.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 590, V 193

Descrição:

Cantiga de Amigo

Mestria

Chegou-mi, amiga, recado
daquel que quero gram bem,
que, pois que viu meu mandado,
quanto pode viir, vem;
5e and'eu leda por en
e faço muit'aguisado.
  
El vem por chegar coitado,
ca sofre gram mal d'amor,
er anda muit'alongado
10d'haver prazer nem sabor,
se nom ali u eu for,
u é todo seu cuidado.
  
Por quanto mal há levado,
amiga, razom farei
15de lhi dar end'algum grado,
pois vem como lh'eu mandei;
e log'el será, bem sei,
do mal guarid'e cobrado,
  
e das coitas que lh'eu dei
20des que foi meu namorado.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 591, V 194

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

De morrerdes por mi gram dereit'é,
amigo, ca tanto paresc'eu bem
que desto mal grad'hajades vós en
e Deus bom grado, ca, per bõa fé,
5       nom é sem guisa de por mi morrer
       quem mui bem vir este meu parecer.
  
De morrerdes por mi nom vos dev'eu
bom grado poer, ca esto fará quem quer
que bem cousir parecer de molher;
10e, pois mi Deus este parecer deu,
       nom é sem guisa de por mi morrer
       quem mui bem vir este meu parecer.
  
De vos por mi Amor assi matar,
nunca vos desto bom grado darei
15e, meu amigo, mais vos en direi:
pois me Deus quis este parecer dar,
       nom é sem guisa de por mi morrer
       quem mui bem vir este meu parecer.
  
que mi Deus deu, e podedes creer
20que nom hei rem que vos i gradecer.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 592, V 195

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão e Paralelística

Mia madre velida,
vou-m'a la bailia
       do amor.
  
Mia madre loada,
5vou-m'a la bailada
       do amor.
  
Vou-m'a la bailia
que fazem em vila
       do amor.
  
10[Vou-m'a la bailada
que fazem em casa
       do amor.]
  
Que fazem em vila
do que eu bem queria
15       do amor.
  
Que fazem em casa
do que eu muit'amava
       do amor.
  
Do que eu bem queria;
20chamar-m'-am garrida
       do amor.
  
Do que eu muit'amava;
chamar-m'-am perjurada
       do amor.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 593, V 196

Descrição:

Cantiga de Amigo

Mestria

Coitada viv', amigo, porque vos nom vejo,
e vós vivedes coitad'e com gram desejo
de me veer e mi falar, e por en sejo
sempr'em coita tam forte
5que nom m'é senom morte,
come quem viv', amigo, em tam gram desejo.
  
Por vos veer, amigo, vivo tam coitada,
e vós por me veer, que oimais nom é nada
a vida que fazemos, e maravilhada
10sõo de como vivo,
sofrendo tam esquivo
mal, ca mais mi valria de nom seer nada.
  
Por vos veer, amigo, nom sei quem sofresse
tal coita qual eu sofr'e vós, que nom morresse,
15e, com aquestas coitas, eu, que nom nacesse,
nom sei de mim que seja,
e da mort'hei enveja
a tod[o] home ou molher que já morresse.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 594, V 197

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

O voss'amig', ai amiga,
de que vos muito fiades,
tanto quer'eu que sabiades:
que ũa, que Deus maldiga,
5       vo-lo tem louc'e tolheito,
       e moir'end'eu com despeito.
  
Nom hei rem que vos asconda
nem vos será encoberto,
mais sabede bem por certo
10que ũa, que Deus cofonda,
       vo-lo tem louc'e tolheito,
       e moir'end'eu com despeito.
  
Nom sei molher que se pague
de lh'outras o seu amigo
15filhar, e por en vos digo
que ũa, que Deus estrague,
       vo-lo tem louc'e tolheito,
       e moir'end'eu com despeito.
  
E faço mui gram dereito,
20pois quero vosso proveito.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 595, V 198

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Ai fals'amig'e sem lealdade,
ora vej'eu a gram falsidade
       com que mi vós há gram temp'andastes,
ca doutra sei eu já por verdade
5       a que vós atal pedra lançastes.
  
Amigo fals'e muit'encoberto,
ora vej'eu o gram mal deserto
       com que mi vós há gram temp'andastes,
ca doutra sei eu já bem por certo
10       a que vós atal pedra lançastes.
  
Ai fals'amig', eu nom me temia
do gram mal e da sabedoria
       com que mi vós há gram temp'andastes,
ca doutra sei eu, que o bem sabia,
15       a que vós atal pedra lançastes.
  
E de colherdes razom seria
da falsidade que semeastes.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 596, V 199

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Meu amig', u eu sejo,
nunca perço desejo
senom quando vos vejo,
       e por en vivo coitada
5com este mal sobejo
       que sofr'eu, bem talhada.
  
U quer que sem vós seja,
sempr'o meu cor deseja
vós, atá que vos veja,
10       e por en vivo coitada
com gram coita sobeja
       que sofr'eu, bem talhada.
  
Nom é senom espanto,
u vos nom vejo, quanto
15       hei desej', e quebranto,
e por en vivo coitada
com aqueste mal tanto
       que sofr'eu, bem talhada.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 597, V 200

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Por Deus, punhade de veerdes meu
amig', amiga, que aqui chegou,
e dizede-lhi, pero me foi greu
o que m'el já muitas vezes rogou,
5       que lhi faria end'eu o prazer,
       mais tolhe-m'ende mia madr'o poder.
  
De o veerdes gradecer-vo-lo-ei,
ca sabedes quant'há que me serviu,
e dizede-lhi, pero lh'estranhei
10o que m'el rogou cada que me viu,
       que lhi faria end'eu o prazer,
       mais tolhe-m'ende mia madr'o poder.
  
De o veerdes gram prazer hei i,
pois do meu bem desasperad'está;
15por end', amiga, dizede-lh'assi:
que o que m'el per vezes rogou já
       que lhi faria end'eu o prazer,
       mais tolhe-m'ende mia madr'o poder.
  
E por aquesto nom hei eu poder
20de fazer a mim nem a el prazer.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 598, V 201

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Amiga, quem vos [ama
e por] vós é coitado
e se por vosso chama,
des que foi namorado
5nom viu prazer, sei-o eu;
       por en já morrerá
e por aquesto m'é greu.
  
Aquel que coita forte
houve des aquel dia
10que vos el viu, que morte
lh'é, par Santa Maria,
nunca viu prazer, nem bem;
       por en já morrerá
[e] a mim pesa muit'en.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 599, V 202

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Amigo, pois vos nom vi,
nunca folguei nem dormi,
mais ora já des aqui
       que vos vejo, folgarei
5e verei prazer de mi,
       pois vejo quanto bem hei.
  
Pois vos nom pudi veer,
jamais nom houvi lezer,
e, u vos Deus quis trager,
10       que vos vejo, folgarei
e verei de mim prazer,
       pois vejo quanto bem hei.
  
Des que vos nom vi, de rem
nom vi prazer e o sem
15perdi, mais, pois que mi avém
       que vos vejo, folgarei
e verei todo meu bem,
       pois vejo quanto bem hei.
  
De vos veer a mim praz
20tanto que muito é assaz,
mais, u m'este bem Deus faz
       que vos vejo, folgarei
e haverei gram solaz,
       pois vejo quanto bem hei.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 600, V 203

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Pois que diz meu amigo
que se quer ir comigo,
       pois que a el praz,
praz a mi, bem vos digo,
5       est'é o meu solaz.
  
Pois diz que todavia
nos imos nossa via,
       pois que a el praz,
praz-m'e vej'i bom dia,
10       est'é o meu solaz.
  
Pois m'e[n]de levar vejo
que est'é o seu desejo,
       pois que a el praz,
praz-mi muito sobejo,
15       est'é o meu solaz.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 601, V 204

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Por Deus, amiga, pês-vos do gram mal
que diz andand'aquel meu desleal,
ca diz de mi e de vós outro tal,
andand'a muitos, que lhi fiz eu bem
5e que vós soubestes tod'este mal,
       de que eu nem vós nom soubemos rem.
  
De vos en pesar é mui gram razom,
ca diz andando mui gram traiçom
de mim e de vós, se Deus mi perdom,
10u se louva de mim que lhi fiz bem,
e que vós soubestes end'a razom,
       de que eu nem vós nom soubemos rem.
  
De vos en pesar dereito per é,
ca diz de mim gram mal, per bõa fé,
15e de vós, amiga, cada u sé
falando, ca diz que lhi fiz eu bem
e ca vós soubestes todo com'é,
       de que eu nem vós nom soubemos rem.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 602, V 205

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Falou m'hoj'o meu amigo,
mui bem e muit'homildoso,
no meu parecer fremoso,
amiga, que eu hei migo,
5mais pero tanto vos digo:
       que lhi nom tornei recado
       ond'el ficasse pagado.
  
Disse m'el, amiga, quanto
m'eu melhor ca el sabia:
10que de quam bem parecia
que tod'era seu quebranto,
mais pero sabede tanto:
       que lhi nom tornei recado
       ond'el ficasse pagado.
  
15Disse m'el: "Senhor, creede
que a vossa fremosura
mi faz gram mal sem mesura;
por en de mi vos doede";
pero, amiga, sabede
20       que lhi nom tornei recado
       ond'el ficasse pagado.
  
E foi s'end'el tam coitado
que tom'end'eu já coidado.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 603, V 206

Descrição:

Cantiga de Amigo

Mestria

Vai-s'o meu amig'alhur sem mi morar
e, par Deus, amiga, hei end'eu pesar,
porque s'ora vai, eno meu coraçom,
tamanho que esto nom é de falar:
5ca lho defendi, e faço gram razom.
  
Defendi-lh'eu que se nom fosse daqui,
ca todo meu bem perderia per i,
e ora vai-s[e] e faz-mi gram traiçom;
e des oimais nom sei que seja de mim,
10nem vej[o] i, amiga, se morte nom.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 604, V 207

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Nom sei hoj', amigo, quem padecesse
coita qual padesco que nom morresse,
senom eu coitada, que nom nacesse,
       porque vos nom vejo com'eu queria;
5e quisesse Deus que m'escaecesse
       vós que vi, amig[o], em grave dia.
  
Nom sei, amigo, molher que passasse
coita qual eu passo que já durasse,
que nom morress[e] ou desasperasse,
10       porque vos nom vejo com'eu queria;
e quisesse Deus que me nom nembrasse
       vós que vi, amig[o], em grave dia.
  
Nom sei, amigo, quem o mal sentisse
que eu senço, que o sol encobrisse,
15senom eu coitada, que Deus maldisse,
       porque vos nom vejo com'eu queria;
e quisesse Deus que nunca eu visse
       vós que vi, amig[o], em grave dia.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 1533
(C 1533)

Descrição:

Cantiga de Escárnio e Maldizer

Mestria

Ou é Meliom Garcia queixoso
ou nom faz come home de parage
escontra duas meninhas que trage,
contra que[m] nom cata bem nem fremoso:
5ca lhas vej'eu trager, bem des antano
ambas vestidas de mui mao pano,
nunca mais feo vi nem mais lixoso.
  
Andam ant'el chorando mil vegadas,
por muito mal que ham com el levado;
10[e] el, come home desmesurado
contra elas, que andam mui coitadas,
nom cata rem do que catar devia;
e poilas [el] tem sigo noit'e dia,
seu mal é tragê-las mal lazeradas.
  
15E pois el sa fazenda tam mal cata
contra elas, que faz viver tal vida,
que nem del nem d'outrem nom ha[m] guarida,
eu nom lho tenho por bõa barata
de as trager como trag', em concelho,
20chorosas e minguadas de conselho,
ca Demo lev'a prol que xi lh'en ata.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 1534
(C 1534)

Descrição:

Cantiga de Escárnio e Maldizer

Mestria

Tant'é Meliom pecador
e tant'é fazedor de mal
e tant'é um hom'infernal,
que eu sõo bem sabedor,
5quanto o mais posso seer,
que nunca poderá veer
a face de Nostro Senhor.
  
Tantos som os pecados seus
e tam muit'é de mal talam,
10que eu sõo certo, de pram,
quant'aquest'é, amigos meus:
que por quanto mal em el há,
que jamais nunca veerá
em nẽum temp'a face de Deus.
  
15El fez sempre mal e cuidou
e jamais nunca fez o bem;
[e] eu sõo certo por en
del, que sempr'em mal andou,
que nunca já, pois assi é,
20pode veer, per bõa fé,
a face do que nos comprou.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 1535
(C 1535)

Descrição:

Cantiga de Escárnio e Maldizer

Mestria

Joam Bolo jouv'em ũa pousada
bem des ogano que da era passou,
com medo do meirinho, que lh'achou
ũa mua que tragia negada;
5pero diz el que se lhi for mester
que provará ante qual juiz quer
que a trouxe sempre dês que foi nada.
  
Esta mũa pod'el provar por sua,
que a nom pod'home dele levar
10pelo dereito, se a nom forçar,
ca moram bem cento naquela rua,
per que el poderá provar mui bem
que aquela mua, que ora tem,
que a teve sempre, mentre foi mua.
  
15Nõn'a perderá se houver bom vogado,
pois el pode per enquisas põer
como lha virom criar e trager
em cas sa madr[e], u foi el criado;
e provará per maestre Reinel
20que lha guardou bem dez meses daquel
cerro, ou bem doze, que trag'inchado.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 1536
(C 1536)

Descrição:

Cantiga de Escárnio e Maldizer

Mestria

De Joam Bol'and'eu maravilhado
u foi sem siso, d'home tam pastor
e led'e ligeiro cavalgador,
que tragia rocim bel'e loução,
5e disse-m'ora aqui um seu vilão
que o havia por mua cambiado.
  
E deste câmbio foi el enganado,
d'ir dar rocim [a]feit'e corredor
por ũa muacha revelador
10que nom sei hoj'home que a tirasse
fora da vila, pero o provasse
- se x'el nom for, nom será tam ousado.
  
Mais nom foi esto senom seu pecado
que el mereceu a Nostro Senhor:
15ir seu rocim, de que el gram sabor
havia, dar por mua mal manhada,
que nom queria, pero mi a doada
dessem, nem andar dela embargado.
  
Melhor fora dar o rocim dõado
20ca por tal muacha remusgador,
que lh'home nom guardará se nom for
el, que x'a vai já quanto conhocendo;
mais se el fica, per quant'eu entendo,
sem cajom dela, est aventurado.
  
25Mui mais queria, besta nom havendo,
ant'ir de pé, ca del'encavalgado.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 1537

Descrição:

Cantiga de Escárnio e Maldizer

Refrão

Joam Bol'anda mal desbaratado
e anda trist'e faz muit'aguisado,
ca perdeu quant'havia gaanhado
e o que lhi leixou a madre sua:
5[pois] um rapaz que era seu criado
       levou-lh'o rocim e leixou-lh'a mua.
  
Se el a mua quisesse levar
a Joam Bol'e o rocim leixar,
nom lhi pesara tant', a meu cuidar,
10nem ar semelhara cousa tam crua;
mais o rapaz, por lhi fazer pesar,
       levou-lh'o rocim e leixou-lh'a mua.
  
Aquel rapaz que lh'o rocim levou,
se lhi levass'a mua que lhi ficou
15a Joam Bolo, como se queixou
nom se queixar'andando pela rua;
mais o rapaz, por mal que lhi cuidou,
       levou-lh'o rocim e leixou-lh'a mua.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 1538

Descrição:

Cantiga de Escárnio e Maldizer

Refrão

U noutro dia Dom Foam
disse ũa cousa que eu sei,
andand'aqui em cas d'el-rei,
bõa razom mi deu de pram
5       per que lhi trobass'; e nom quis,
       e fiz mal porque o nom fiz.
  
Falou migo o que quis falar
e com outros mui sem razom;
e do que nos i diss'entom
10bõa razom mi per foi dar
       per que lhi trobass'; e nom quis
       e fiz mal porque o nom fiz.
  
Ali u comigo falou
do casamento seu e d'al,
15em que mi falou muit'e mal,
que de razões i monstrou
       per que lhi trobass'; e nom quis
       e fiz mal porque o nom fiz.
  
E sempre m'eu mal acharei
20porque lh'eu entom nom trobei;
  
ca se lh'entom trobara ali,
vingara-me do que lh'oí.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 1539

Descrição:

Cantiga de Escárnio e Maldizer

Refrão

U noutro dia seve Dom Foam
a mi começou gram noj'a crecer
de muitas cousas que lh'oí dizer.
Diss'el: "- Ir-m'-ei ca já se deitar ham".
5       E dix'eu: "- Bõa ventura hajades,
       porque vos ides e me leixades".
  
E muit'enfadado de seu parlar
sevi gram peça, se mi valha Deus,
e tosquiavam estes olhos meus.
10E quand'el disse "Ir-me quer'eu deitar",
       [lh]e dix'eu: "- Bõa ventura hajades,
       porque vos ides e me leixades".
  
El seve muit'e diss'e parfiou
e a mim creceu gram nojo por en
15e nom soub'el se x'era mal se bem.
E quand'el disse "Já m'eu deitar vou",
       dixi-lh'eu: "- Bõa ventura hajades,
       porque vos ides e me leixades".


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 1540

Descrição:

Cantiga de Escárnio e Maldizer

Refrão

Disse-m'hoj'um cavaleiro
que jazia feramente
um seu amigo doente
e buscava-lhi lorbaga;
5dixi-lh'eu: - Seguramente
       come-o praga por praga
  
que el muitas vezes disse,
per essa per que o come,
quantas en nunca diss'homem;
10e o que disse ben'o paga,
ca, come cam que há fome,
       comeo praga por praga
  
que el muitas vezes disse;
e jaz ora o astroso
15mui doent'e mui nojoso
e com medo per si caga,
ca, come lobo ravioso,
       come-o praga por praga.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 1541

Descrição:

Cantiga de Escárnio e Maldizer

Refrão

Melhor ca m'eu governo
o que revolv'o caderno
govern'há e d'inverno
o vestem bem de brou;
5e jaz eno inferno
       o que o gaanhou.
  
Andam o seu comendo
e mal o despendendo
e baratas fazendo
10que el nunca cuidou;
e jaz no fog'ardendo
       o que o gaanhou.
  
O que seu, mal pecado,
foi, é desbaratado;
15e anda en guisado
quem sempr'o seu guardou;
e jaz atormentado
       o que o gaanhou.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 1542

Descrição:

Cantiga de Escárnio e Maldizer

Mestria

Deus! Com'ora perdeu Joam Simiom
três bestas - nom vi de maior cajom,
nem perdudas nunca tam sem razom:
ca, teendo-as sãas e vivas
5e bem sangradas com [boa] sazom,
morrerom-lhi toda[s] com olivas.
  
Des aquel[e] dia em que naci
nunca bestas assi perdudas vi,
ca as fez ant'el sangrar ante si;
10e ante que saíssem daquel mês,
per com'eu a Joam Simiom oí,
com olivas morrerom todas três.
  
Ben'as cuidara de morte guardar
todas três, quando as fez[o] sangrar;
15mais havia-lhas o Dem'a levar,
pois se par [a]tal cajom perderom;
e Joam Simiom quer-s'ora matar
porque lhi com olivas morrerom.