Lista alfabética de cantigas


Filtrar por género:

Filtrar por tipo:

A
Cantiga V. musical Autor Género
A ũa velha quisera trobar Afonso Anes do Cotom Escárnio e Maldizer
A bõa dona por que eu trobava João Garcia de Guilhade Amor
A Bonaval quer'eu, mia senhor, ir Bernal de Bonaval Amor
A Deus grad'hoje, mia senhor Vasco Praga de Sandim Amor
A Deus gradesco, mia senhor Anónimo 4 Amor
A do mui bom parecer        Martim de Ginzo Amigo
A Dom Foam quer'eu gram mal João Garcia de Guilhade Escárnio e maldizer
A dona de Bagüin Lopo Lias Escárnio e maldizer
A dona fremosa do Soveral Lopo Lias Escárnio e maldizer
A Dona Maria [há] soidade Lopo Lias Escárnio e maldizer
A dona que eu am'e tenho por senhor        Bernal de Bonaval Amor
A dona que eu quero bem     Rui Fernandes de Santiago Amor
A dona que eu vi por meu Fernão Gonçalves de Seabra ou Airas Veaz Amor
A dona que home "senhor" devia Paio Gomes Charinho Amor
A donzela de Biscaia Rui Pais de Ribela Escárnio e maldizer
A Far[o] um dia irei, madre, se vos prouguer João de Requeixo Amigo
A gram dereito lazerei Afonso Anes do Cotom ou Airas Engeitado Amor
A guarir nom hei per rem Rui Pais de Ribela Amor
A la fé, Deus, se nom por Vossa Madre Gil Peres Conde Escárnio e maldizer
À lealdade da Bezerra, que pela Beira muit'anda, Airas Peres Vuitorom Escárnio e maldizer
A Lobatom quer'eu ir Pero Viviães Amor
A maior coita que Deus quis fazer Pero de Armea Amor
A maior coita que eu no mund'hei Airas Carpancho Amigo
A maior coita que eu vi sofrer Fernão Velho Amor
A mais fremosa de quantas vejo Anónimo de Santarém Amor
A melhor dona que eu nunca vi Fernão Garcia Esgaravunha Amor
A meu amigo mandad'enviei João Airas de Santiago Amigo
A meu amigo, que eu sempr'amei João Garcia Amigo
A mi dizem quantos amigos hei João Fernandes de Ardeleiro Amor
A mi quer mal o infançom Lopo Lias Escárnio e maldizer
A mia senhor atanto lhe farei: Fernão Gonçalves de Seabra Amor
A mia senhor fezo Deus por meu mal Estêvão Fernandes d'Elvas Amor
A mia senhor já lh'eu muito neguei João Garcia de Guilhade Amor
A mia senhor que eu por mal de mi D. Dinis Amor
A mia senhor, a que eu sei querer Rui Pais de Ribela Amor
A mia senhor, que eu mais doutra rem Pero da Ponte ou Sancho Sanches Amor
A mia senhor, que eu por meu mal vi Pero Mafaldo Amor
A mia senhor, que eu sei muit'amar João Airas de Santiago Amor
A mia senhor, que me foi amostrar João Lopes de Ulhoa Amor
A mia senhor, que me tem em poder João Airas de Santiago Amor
A mia senhor, que mui de coraçom Rui Pais de Ribela Amor
A mia senhor, que por mal destes meus Paio Gomes Charinho Amor
A mim dam preç', e nom é desguisado Afonso Anes do Cotom Escárnio e Maldizer
A molher d'Alvar Rodriguiz tomou Estêvão da Guarda Escárnio e maldizer
A por que perço o dormir João Airas de Santiago Género incerto
A que eu quero gram bem, des que a vi Afonso Pais de Braga Amor
A que mi a mi meu amigo filhou João Airas de Santiago Amigo
A que vi ontr'as amenas     Pedro Anes Solaz Amor
A que vos fui, senhor, dizer por mi Fernão Garcia Esgaravunha Amor
A rem do mundo que melhor queria Paio Soares de Taveirós Amor
A rem que mi a mi mais valer Airas Engeitado Género incerto
A sa vida seja muita João, jograr Loor
A Sam Servand', u ora vam todas orar João Servando Amigo
A Sam Servand'em oraçom João Servando Amigo
A Sam Servando foi meu amigo        João Servando Amigo
A Santa Maria fiz ir meu amigo Pero de Ver Amigo
A Santiag'em romaria vem Airas Nunes Amigo
A tal estado m'adusse, senhor     D. Dinis Amor
A um corretor que vi Estêvão da Guarda Escárnio e maldizer
A um frade dizem escaralhado     Fernando Esquio Escárnio e maldizer
A vós fez Deus, fremosa mia senhor Pero de Armea Amor
A vós, Dona abadessa     Fernando Esquio Escárnio e maldizer
- A voss'amig', amiga, que prol tem Estêvão da Guarda Amigo
A vossa mesura, senhor Gomes Garcia Amor
Abadessa, Nostro Senhor Gonçalo Anes do Vinhal Escárnio e maldizer
Abadessa, oí dizer     Afonso Anes do Cotom Escárnio e Maldizer
- Abril Pérez, muit'hei eu gram pesar Bernal de Bonaval, Abril Peres Tenção de amor
Achei Sanch[a] Anes encavalgada Afonso X Escárnio e Maldizer
Achou-s'um bispo que eu sei um dia Airas Nunes Escárnio e maldizer
Afons'Afonses, batiçar queredes Afonso Sanches Escárnio e Maldizer
Agora m'hei eu a partir João Soares Somesso Amor
Agora me foi mia madre melhor João Soares Coelho Amigo
Agora me part'eu mui sem meu grado Pero da Ponte Amor
Agora me quer'eu já espedir Nuno Anes Cerzeo Sirventês moral
Agora oí d'ũa dona falar Fernão Rodrigues de Calheiros Escárnio e maldizer
Agora vem o meu amigo Fernão Rodrigues de Calheiros Amigo
Agora viv'eu como querria Rui Queimado Amor
- Ai amiga, hoje falou comigo João Baveca Amigo
Ai amiga, per bõa fé Mem Vasques de Folhente Amigo
Ai amiga, sempr'havedes sabor Pero Mafaldo Amigo
Ai amiga, tenh'eu por de bom sem Rodrigo Anes de Alvares Amigo
Ai amigas, perdud'ham conhocer João Garcia de Guilhade Amigo
Ai amor, amore de Pero Cantone Fernão Soares de Quinhones Escárnio e Maldizer
Ai boa dona, se Deus vos perdom Estêvão Fernandes d'Elvas Amor
Ai cervos do monte, vim-vos preguntar     Pero Meogo Amigo
Ai Deus! com'ando coitado d'amor! Airas Carpancho Amor
Ai Deus! e quem mi tolherá     Bernal de Bonaval Amor
Ai Deus! que coita de sofrer Airas Carpancho Amor
Ai Deus! Que grave coita de sofrer: Pero Garcia Burgalês Género incerto
Ai Deus, a vó'lo digo: João Soares Coelho Amigo
Ai Deus, que doo que eu de mi hei Pero de Ver Amigo
Ai Deus, se sab'ora meu amigo     Martim Codax Amigo
Ai Deus, u é meu amigo João Lopes de Ulhoa Amigo
Ai dona fea, fostes-vos queixar     João Garcia de Guilhade Escárnio e maldizer
Ai eu coitad'! e por que vi Pero Garcia Burgalês Amor
Ai eu coitad'! em que coita mortal João Soares Somesso Amor
Ai eu coitada, como vivo em gram cuidado        Afonso X ou Sancho I Amigo
Ai eu coitado! e quand'acharei quem Pero Garcia Burgalês Amor
Ai eu! e de mim que será? Nuno Fernandes Torneol Amor
Ai eu! que mal dia naci Pero Garcia Burgalês Amor
Ai fals'amig'e sem lealdade D. Dinis Amigo
- Ai filha, o que vos bem queria     Nuno Peres Sandeu Amigo
- Ai flores, ai flores do verde pino     D. Dinis Amigo
- Ai fremosinha, se bem hajades        Bernal de Bonaval Amigo
Ai Justiça, mal fazedes, que nom João Airas de Santiago Escárnio e maldizer
Ai madr', o meu amigo morr'assi Rui Martins de Ulveira Amigo
Ai madr', o meu amigo que nom vi Nuno Fernandes Torneol Amigo
Ai madr', o que bem queria Paio Calvo Amigo
Ai madr,'o que eu quero bem João Soares Coelho Amigo
- Ai madr', o que me namorou Pero da Ponte Amigo
Ai madre, bem vos digo Pero Garcia Burgalês Amigo
Ai madre, nunca mal senti[u] Juião Bolseiro Amigo
- Ai madre, que mui[t'eu err]ei Rui Fernandes de Santiago Amigo
Ai meu amig'e lume destes meus Martim de Caldas Amigo
- Ai meu amig'e meu lum'e meu bem Afonso Anes do Cotom Amigo
Ai meu amigo e meu senhor Pero Gonçalves de Portocarreiro Amigo
Ai meu amigo, coitada Martim Padrozelos Amigo
Ai meu amigo, havedes vós per mi Juião Bolseiro Amigo
Ai meu amigo, meu, per bõa fé Juião Bolseiro Amigo
Ai meu amigo, pero vós andades Pero Garcia de Ambroa Amigo
Ai meu amigo, se [vós] vejades João Soares Coelho Amigo
- Ai mia filha, de vós saber quer'eu João Airas de Santiago Amigo
Ai mia filha, por Deus, guisade vós João Airas de Santiago Amigo
Ai mia madre, sempre vos eu roguei Nuno Peres Sandeu Amigo
Ai mia senhor e meu lum'e meu bem! Pero Garcia Burgalês Amor
Ai mia senhor! quer'eu provar Afonso Pais de Braga Amor
Ai mia senhor! quero-vos preguntar Vasco Gil Amor
Ai mia senhor! se eu nom merecesse Martim Soares Amor
Ai mia senhor! sempr'eu esto temi Fernão Figueira de Lemos Amor
Ai mia senhor! sempr'eu a Deus roguei Afonso Pais de Braga Amor
Ai mia senhor! tod'o bem mi a mi fal Juião Bolseiro Amor
Ai mia senhor! U nom jaz al Nuno Fernandes Torneol Amor
Ai mia senhor! Vêm-me conselhar Pero Mafaldo Amor
Ai mia senhor, lume dos olhos meus!        Fernão Fernandes Cogominho Amor
Ai ondas que eu vim veer        Martim Codax Amigo
Ai Santiago, padrom sabido Paio Gomes Charinho Amigo
Ai senhor fremosa, por Deus D. Dinis Amor
Ai vertudes de Santa Cecília Martim de Ginzo Amigo
- Ai, Pai Soárez, venho-vos rogar Martim Soares, Paio Soares de Taveirós Tenção
- Ai, Pedr'Amigo, vós que vos teedes João Vasques de Talaveira, Pedro Amigo de Sevilha Tenção
Airas Moniz, o zevrom Lopo Lias Escárnio e maldizer
Alá u nazq la Torona Garcia Mendes de Eixo Género incerto
Algũa vez dix'eu em meu cantar Martim Moxa Amor
Alguém vos diss', amig', e sei-o eu João Airas de Santiago Amigo
Algum bem mi deve ced'a fazer João Airas de Santiago Género incerto
Am'eu tam muito mia senhor Nuno Fernandes Torneol Amor
Amad'e meu amigo     D. Dinis Amigo
Amei-vos sempr', amigo, e fiz-vos lealdade João Airas de Santiago Amigo
Amig'houv'eu a que queria bem João Peres de Aboim Amigo
Amig', e nom vos nembrades Fernão Fernandes Cogominho Amigo
Amig', entendo que nom houvestes João Baveca Amigo
- Amig', havia queixume     Martim Padrozelos Amigo
Amiga, bem [s]ei que nom há João Mendes de Briteiros Amigo
Amiga, bem cuid'eu do meu amigo Vasco Peres Pardal Amigo
Amiga, bem sei do meu amigo Sancho Sanches Amigo
Amiga, bom grad'haja Deus D. Dinis Amigo
Amiga, des que meu amigo vi        Lourenço Amigo
Amiga, dizem que meu amig'há João Baveca Amigo
Amiga, do meu amigo Sancho Sanches Amigo
- Amiga, faço-me maravilhada D. Dinis Amigo
Amiga, grand'engan'houv'a prender Pero de Armea Amigo
Amiga, muit'amigos som Pedro Amigo de Sevilha Amigo
Amiga, muit'há que nom sei Fernão Fernandes Cogominho Amigo
Amiga, muit'há gram sazom D. Dinis Amigo
Amiga, o voss'amigo Paio de Cana Amigo
Amiga, por Deus, vos venh'ora rogar Gonçalo Anes do Vinhal Amigo
Amiga, quem hoj’houvesse mandado do meu amigo João de Requeixo Amigo
Amiga, quem vos [ama] D. Dinis Amigo
Amiga, quero-m'ora cousecer Lourenço Amigo
Amiga, quero-vos eu já dizer Pero Gomes Barroso Amigo
Amiga, sei eu bem d'ũa molher D. Dinis Amigo
- Amiga, vistes amigo Pedro Amigo de Sevilha Amigo
- Amiga, voss' amigo vi falar Pedro Amigo de Sevilha Amigo
Amigas, eu oí dizer Gonçalo Anes do Vinhal Escárnio e maldizer
Amigas, o meu amigo João Garcia de Guilhade Amigo
Amigas, o que mi quer bem João Airas de Santiago Amigo
Amigas, por Nostro Senhor João Soares Coelho Amigo
Amigas, quando se quitou Estêvão Travanca Amigo
Amigas, que Deus vos valha, quando veer meu amigo João Garcia de Guilhade Amigo
Amigas, sejo cuidando Martim Padrozelos Amigo
Amigas, tamanha coita João Garcia de Guilhade Amigo
Amig'e fals'e desleal D. Dinis Amigo
Amigo, mal soubestes encobrir João Baveca Amigo
- Amigo, mando-vos migo falar Pero de Armea Amigo
Amigo, pois me leixades João Peres de Aboim Amigo
Amigo, pois me vos aqui João Soares Coelho Amigo
- Amigo, pois mi dizedes Mem Rodrigues Tenoiro Amigo
Amigo, pois vos nom vi D. Dinis Amigo
- Amigo, preguntar-vos-ei     Fernão Froiaz Amigo
Amigo, quando me levou João Airas de Santiago Amigo
- Amigo, que cuidades a fazer Vasco Peres Pardal Amigo
Amigo, queixum'havedes João Soares Coelho Amigo
Amigo, queredes-vos ir João Airas de Santiago Amigo
- Amigo, queredes-vos ir?     D. Dinis Amigo
Amigo, se bem hajades        Estêvão Reimondo Amigo
Amigo, se mi gram bem queredes João de Cangas Amigo
Amigo, sei que há mui gram sazom João Baveca Amigo
Amigo, veestes-m'um di'aqui João Airas de Santiago Amigo
Amigo, vós ides dizer Vasco Peres Pardal Amigo
Amigo, vós nom queredes catar João Baveca Amigo
Amigos, cuid'eu que Nostro Senhor Martim Moxa Sirventês moral
Amigos, cuido sempr'em mia senhor João Servando Amor
Amigos, des que me parti Anónimo de Santarém Amor
Amigos, eu nom posso bem haver João Lobeira Amor
Amigos, nom poss'eu negar João Garcia de Guilhade Amor
Amigos, nunca mereceu Afonso Mendes de Besteiros Amor
Amigos, quero-vos dizer João Garcia de Guilhade Amor
Amor faz a mim amar tal senhor Airas Nunes Amor
Amor fez a mim amar D. Dinis Amor
Amor, a ti me ven[h]'ora queixar Fernando Esquio Amor
Amor, bem sei o que m'ora faredes Bernal de Bonaval Amor
Amor, de vós bem me posso loar Martim Moxa Amor
Amor, des que m'a vós cheguei Anónimo Lai
Amor, em que grave dia vos vi D. Dinis Amor
Amor, nom qued'eu amando Martim Moxa Amor
And'ora trist'e fremosa Lopo Amigo
Anda triste o meu amigo     Estêvão Reimondo Amigo
Andei, senhor, Leon e Castela João Airas de Santiago Amor
Ando coitado por veer João Lopes de Ulhoa Amor
Ansur Moniz, muit'houve gram pesar Afonso X Escárnio e Maldizer
Ao daiam de Cález eu achei Afonso X Escárnio e Maldizer
Ao lançar do pao Lopo Lias Escárnio e maldizer
Aos mouros que aqui som Pero da Ponte Escárnio e maldizer
Aquestas coitas que de sofrer hei Rodrigo Anes de Vasconcelos Género incerto
Aquestas noites tam longas que Deus fez em grave dia     Juião Bolseiro Amigo
Aqueste mui gram mal d'amor Rui Fernandes de Santiago Amor
Aqui vej'eu, filha, o voss'amigo Nuno Fernandes Torneol Amigo
As frores do meu amigo     Paio Gomes Charinho Amigo
As graves coitas, a quen'as Deus dar João Soares Coelho Amor
As mias jornadas vedes quaes som Afonso Anes do Cotom Escárnio e Maldizer
Assanhei-m'eu muit'a meu amigo Fernão Rodrigues de Calheiros Amigo
Assanhei-me-vos, amigo, noutro dia Pero de Ver Amigo
Assanhei-me-vos, amigo, per bõa fé, com sandece Pero de Ver Amigo
Assanhou-s'o meu amigo Pero de Berdia Amigo
Assanhou-se, madr[e], o que mi quer gram bem Lopo Amigo
(Assaz é desassisado) Anónimo - cantigas espúrias Espúria
Assaz é meu amigo trobador Lourenço Amigo
Assaz entendedes vós, mia senhor Fernão Rodrigues de Calheiros Amor
Assi and'eu por serviço que fiz Gil Peres Conde Amor
Assi me traj'ora coitad'Amor Nuno Fernandes Torneol Amor
Assi me trax coitado D. Dinis Amor
Atal vej' eu aqui ama chamada João Soares Coelho Amor
Atanto querria saber Martim Moxa Amor
Atender quer'eu mandado que m'enviou meu amigo João de Requeixo Amigo

 

[^ topo]