Bernal de Bonaval


A Bonaval quer'eu, mia senhor, ir
 e des quand'eu ora de vós partir
       os meus olhos nom dormirám.
  
 Ir-m'-ei, pero m'é grave de fazer;
5e des quand'eu ora de vós tolher
       os meus olhos nom dormirám.
  
Todavia bem será de provar
de m'ir; mais des quand'eu de vós quitar
       os meus olhos nom dormirám.



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

O trovador vai partir para Bonaval (o seu lugar de origem), mas sabe que, assim que se afastar da sua amada, as suas noites serão passadas em claro. Nas três estrofes há uma gradação na referência à partida, dolorosa (2ª estrofe), mas que tem de tentar (3ª estrofe).



Nota geral


Descrição

Cantiga de Amor
Refrão
Cobras singulares
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 1069, V 660

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 1069

Cancioneiro da Vaticana - V 660


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas