Rui Queimado - Todas as cantigas

Ver com anotações <


Cancioneiros:

A 129, B 250
(C 250)

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Nostro Senhor Deus! e por que neguei
a mia senhor, quando a eu veer
podia e lhe podera dizer
muitas coitas que por ela levei?
5Ca já eu tal temp'houv'e atendi
outro melhor! E aquele perdi!
E outro tal nunca já cobrarei!
  
Ca já eu tal temp'houve que morei
u a podia eu mui bem veer
10e u a vi mui melhor parecer
de quantas donas vi nem veerei!
E pero nunca lh'ousei dizer rem
de quantas coitas levei por gram bem
que lh'eu queria e quer'e querrei
  
15mentr'eu viver! Mais já nom viverei
senom mui pouco, pois que a veer
eu nom poder; ca já nẽum prazer
de nulha cousa nunca prenderei;
ca nunca Deus quer que eu cuid'em al
20senom porque lhe nom diss'o gram mal
e a gram coita que por ela hei.
  
Mais a que sazom que m'eu acordei
- quando a nom posso per rem veer,
nem quando nom poss'i conselh'haver!
25Mais eu, cativo, e que receei?
Ca nom mi havia por end'a matar,
nem ar havia peor a estar
dela do que m'hoj'estou, ben'o sei.
  
Mais de que podia peor estar?
30Pois eu nom vej'aquela que amar
sei mais de mim nem quantas cousas sei!


Ver com anotações <


Cancioneiros:

A 130, B 251

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Deste mund'outro bem nom querria,
por quantas coitas me Deus faz sofrer,
que mia senhor do mui bom parecer
que soubess'eu bem que entendia
5como hoj'eu moir'e nom lho dizer eu,
nem outre por mim, mais ela de seu
o entender; mais como seria?
  
E se eu est'houvess', haveria
o mais de bem que eu querri'haver:
10sabê-lo ela bem, sem lho dizer
eu! E nom atender aquel dia
que eu atend', ond'hei mui gram pavor,
de lhe dizer: "por vós moiro, senhor"
- ca sei que por meu mal lho diria.
  
15Ca senhor hei que m'estranharia
tanto que nunc'haveria poder
de lh'ar falar, nem sol de a veer.
E mal me vai, mais peor m'iria.
E por esto querria eu assi
20que o soubess'ela, mais nom per mi,
e soubess'eu bem que o sabia.
  
E rog'a Deus e Santa Maria,
que lhe souberom tanto bem fazer,
que bem assi lho façam entender.
25E com tod'est'ainda seria
em gram pavor de m'estranhar por en.
E, par Deus, ar jurar-lh'-ia mui bem
que nulha culpa i nom havia
  
de m'entender, assi Deus me perdom,
30nen'o gram bem que lh'eu quer'; e entom
com dereito nom se queixaria.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

A 131, B 252

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Senhor, que Deus mui melhor parecer
fez de quantas outras donas eu vi,
ora soubéssedes quant'eu temi
sempr'o que ora quero cometer:
5de vos dizer, senhor, o mui gram bem
que vos quero e quanto mal me vem,
senhor, por vós, que eu por meu mal vi.
  
E sabe Deus que adur eu vim i
dizer-vos como me vejo morrer
10por vós, senhor; mais nom poss'al fazer!
E vel por Deus!, doede-vos de mi,
ca por vós moir', esto sabede bem;
e se quiserdes, mia senhor, por en
nom me devíades leixar morrer.
  
15E já que vos comecei a dizer
bem que vos quero, se vos nom pesar,
senhor fremosa, quero-vos rogar
que vos nom pês, por Deus, de vos veer,
nem de falar vosc'; e faredes bem
20e gram mesura e, quant'é meu sem,
tenho que nom há por que vos pesar.
  
E, mia senhor, por eu vosco falar,
nunca vós i rem podedes perder
e guarredes mim; e se o fazer
25quiserdes, quero-vos desenganar,
senhor: todos vo-lo terram por bem.
E mia senhor, mais vos direi eu en:
muito perdedes vós em me perder.
  
Ca, mia senhor, havedes vós mui bem
30como: que vos nom hei a custar rem
e servir-vos-ei já, mentr'eu viver.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

A 132, B 253

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Fiz meu cantar e loei mia senhor,
mais de quantas outras donas eu vi;
e se por est'ham queixume de mi
as outras donas, ou mi ham desamor,
5hajam de seu quem delas diga bem
e a quem façam muito mal por en:
ca bem assi faz a mim mia senhor,
  
a mais fremosa dona nem melhor
de quantas hoj'eu sei, per bõa fé.
10E vejam que farám, ca já 'si é.
E se me por aquest'ham desamor,
hajam de seu quen'as lo', e entom
nunca lhes por en façam se mal nom:
ca nom faz a mim a minha melhor!
  
15E se m'eu hei, de mi a loar, sabor,
nom ham por en por que se mi assanhar,
mais ar hajam de seu quen'as loar
e a quem hajam por en desamor,
com'a mim faz aquela que eu já
20loarei sempr'e sei bem que nom há,
de fazer a mim bem, nẽum sabor.
  
Ca se m'algum bem quisesse fazer,
já que que[r] m'en fezera entender,
des quant'há que a filhei por senhor.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

A 133, B 254

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Agora viv'eu como querria
veer viver quantos me querem mal:
que nom vissem prazer de si nem d'al,
com'eu fiz sempre des aquel dia
5que eu mia senhor nom pude veer.
Ca se nunca depois ar vi prazer,
Deus nom me valha (que poderia)!
  
E quem vivess'assi, viveria,
per bõa fé, em gram coita mortal,
10ca 'si viv'eu por ũa dona qual
sab'hoje Deus e Santa Maria,
que a fezerom melhor parecer
de quantas donas vi e mais valer
em todo bem; e bem veeria
  
15quem visse mia senhor; e diria,
eu [o] sei bem, por ela, que é tal
como vos eu dig'; e se me nom val
Deus (que mi a mostre!), já nom guarria
eu mais no mundo, ca nom hei poder
20de já mais aquesta coita sofrer
do que sofr'i; e desejaria
  
muito mia mort', e querria morrer
por mia senhor, a que prazeria;
  
e por gram coita, em que me viver
25vejo por ela, que perderia.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

A 134, B 255

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Sempr'ando cuidando em meu coraçom
com'eu iria mia senhor veer
e em como lh'ousaria dizer
o gram bem que lh'eu quer'; e sei que nom
5lh'ousarei end'eu dizer nulha rem;
mais vee-la-ei pouco e irei en
com mui gram coita no meu coraçom.
  
Tal que, se a vir, quantas cousas som
eno mundo nom mi ham de guarecer
10de morte, pois lhe nom ousar dizer
o bem que lh'eu quero. E por en nom
me sei conselho, nem sei ora bem
se prol m'é d'ir i, se nom; e meu sem
e meus conselhos todos aqui som.
  
15E assi guaresc'há mui gram sazom,
cuidando muit'e nom sei que fazer;
mais pero, pois lhe nom hei a dizer
o bem que lh'eu quero, tenho que nom
é mia prol d'ir i; mais sei al por en:
20que morrerei, se a nom vir. E quem
sofreu tantas coitas tam gram sazom?
  
Eu e nom outrem, porque me nom tem
por seu! E moir', assi Deus me perdom!


Ver com anotações <


Cancioneiros:

A 135, B 256

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Nostro Senhor! e ora que será
de mim? Que moiro, porque me parti
de mia senhor mui fremosa, que vi
polo meu mal! E de mi que será,
5Nostro Senhor? Ou ora que farei?
Ca, de pram, nẽum conselho nom hei,
nem sei que faça, nem que xe será
  
de mim, que moiro e nom me sei já
nẽum conselh'outro senom morrer!
10E tam bom conselho nom poss'haver,
pois que nom cuido nunca veer já
esta senhor, que por meu mal amei,
des que a vi, e am'e amarei
mentr'eu viver; mais nom viverei já
  
15mais des aqui, de pram, per nulha rem,
cuidando sempre no meu coraçom
no mui gram bem que lh'hoj'eu quer', e non'
a veer, nen'a cuidar já per rem
a veer. E com aqueste cuidar
20cuid'a morrer; ca nom poss'hoj'osmar
com'eu possa viver per nulha rem,
  
poila nom vej'; e cuid'em quanto bem
lhe Vós fezestes em tod', ar cuid'al,
em com'a mim fezestes muito mal:
25pois já quisestes que lh'eu tam gram bem
quisesse, nom mi fazer alongar
de a veer, e tam a meu pesar!
Nostro Senhor, u me faredes bem?
  
A la fé, nenlhur, aquesto sei já!
30Ca, se a nom vir, nunc'haverei rem.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

A 136, B 257

Descrição:

Cantiga de Género incerto

Mestria

Por mia senhor fremosa quer'eu bem
a quantas donas vej'; e gram sabor
hei eu de as servir, por mia senhor
que amo muit'; e farei ũa rem:
5porque som donas, querrei-lhes fazer
serviço sempr', e querrei-as veer
sempr'u puder e dizer delas bem,
  
por mia senhor, a que quero gram bem,
que servirei já, mentr'eu vivo for.
10Mais enquant'ora nom vir mia senhor
servirei as outras donas por en,
porque nunca vejo tam gram prazer
com'em vee-las, pois nom hei poder
de veer mia senhor que quero bem.
  
15Ca, de pram, est'é hoj'o mais de bem
que hei, pero que sõo sabedor
que assi morrerei por mia senhor,
veend'as outras, perdendo meu sem
por veer ela, que Deus quis fazer
20senhor das outras em bem parecer
e em falar e em tod'outro bem.
  
E por aquesta cuid'eu a morrer,
a que Deus fez, por meu mal, tanto bem.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

A 137, B 258

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Nunca fiz cousa de que me tam bem
achasse come de quanto servi
sempr'ũa dona, des quando a vi,
que amei sempre mais ca outra rem;
5ca, de pram, quanto no mundo durei,
os dias que a servi, gaanhei
- e tantos houv'end', a prazer de mi.
  
E tenho que me fez Deus mui gram bem
em me fazer tam bõa don'amar
10e de a servir e nom m'enfadar,
nem tee-lh'o mal, que me faz, em rem;
e de me dar coraçom de teer
por bem quanto m'ela quiser fazer
e atender temp'e nom me queixar.
  
15E de pram, sempre des que lh'eu quis bem,
maior ca mi e com maior razom,
sempre eu coidei que verria sazom
que lh'ousaria eu algũa rem
dizer do bem que lh'eu quer'! E estou
20atendend'aquel temp'! E nom chegou!
Pero estou led'em meu coraçom,
  
porque quero tam bõa dona bem,
de que sei ca nunca me mal verrá;
ca se morrer por ela, prazer-mi-á!
25Se mi ar quiser fazer algũa rem
como nom moira, fará mui melhor;
e ben'o pode fazer mia senhor,
ca tod'aqueste poder ben'o há;
  
e em fazer em mim quanto quiser
30e em valer mui mais doutra molher
em parecer e em tod'outro bem.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

A 138, B 259

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Senhor fremosa, vejo-vos queixar
porque vos am'e amei, pois vos vi;
e pois vos desto queixades de mi,
se en dereito queredes filhar,
5       aque-m'aqui eno vosso poder!
  
Pois vos de mim nom queixades por al,
senom porque vos quero mui gram bem
– e vejo que vos queixades por en –
senhor de mim e meu bem e meu mal,
10       aque-m'aqui eno vosso poder!
  
Senhor, se vós teedes por razom
d'eu por aquesto já morte prender,
nom hei eu que me de vós defender;
e por en, coita do meu coraçom,
15       aque-m'aqui eno vosso poder,
  
em que fui sempr'e hei já de seer.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

A 139, B 260

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

De mia senhor direi-vos que mi avém:
porque a vejo mui bem parecer,
tal bem lhe quer'onde cuid'a morrer.
E pero que lhe quero tam gram bem,
5       ainda lh'eu mui melhor querria
       se podesse... mais nom poderia!
  
Ca lhe quero tam gram bem que perdi
já o dormir; e, de pram, perderei
o sem mui cedo com coita que hei.
10E pero que tod'aquesto perç'i,
       ainda lh'eu mui melhor querria
       se podesse...mais nom poderia!
  
Ca lhe quero bem tam de coraçom
que sei mui bem que, se m'ela nom val,
15que morrerei cedo, nom há i al.
E com tod'esto, si Deus me perdom,
       ainda lh'eu mui melhor querria
       se podesse... mais nom poderia,
  
per nulha rem, par Santa Maria!
20Ca, se podesse, log'eu querria!


Ver com anotações <


Cancioneiros:

A 140, B 261

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Cuidades vós, mia senhor, que mui mal
estou de vós e cuid'eu que mui bem
estou de vós, senhor, por ũa rem
que vos ora direi, ca nom por al:
5       se morrer, morrerei por vós, senhor;
       se m'i ar fezerdes bem, aque melhor!
  
Tam mansa vos quis Deus, senhor, fazer
e tam fremosa e tam bem falar
que nom poderia eu mal estar
10de vós, por quanto vos quero dizer:
       se morrer, morrerei por vós, senhor;
       se m'i ar fezerdes bem, aque melhor!
  
Amo-vos tant'e com tam gram razom,
pero que nunca de vós bem prendi,
15que coid'eu est', e vós que nom é 'si;
mais tant'esforç'hei no meu coraçom:
       se morrer, morrerei por vós, senhor;
       se m'i ar fezerdes bem, aque melhor!


Ver com anotações <


Cancioneiros:

A 141, B 262

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Direi-vos que mi aveo, mia senhor,
i logo quando m'eu de vós quitei:
houve por vós, fremosa mia senhor,
a morrer; e morrera... mais cuidei
5       que nunca vos veeria des i
       se morress'... e por esto nom morri.
  
Cuidand'em quanto vos Deus fez de bem
em parecer e em mui bem falar,
morrera eu; mais polo mui gram bem
10que vos quero, mais me fez Deus cuidar
       que nunca vos veeria des i
       se morress'... e por esto nom morri.
  
Cuidand'em vosso mui bom parecer
houv'a morrer, assi Deus me perdom,
15e polo vosso mui bom parecer
morrera eu; mais acordei-m'entom
       que nunca vos veeria des i
       se morress'... e por esto nom morri.
  
Cuidand'em vós houv'a morrer assi!
20E cuidand'em vós, senhor, guareci!


Ver com anotações <


Cancioneiros:

A 142, B 263

Descrição:

Cantiga de Género incerto

Refrão

Preguntou Joam Garcia
da morte de que morria;
e dixe-lh'eu todavia:
       - A morte desto xe m'ata:
5       Guiomar Afonso Gata
       est a dona que me mata.
  
Pois que m'houve preguntado
de que era tam coitado,
dixe-lh'eu este recado:
10       - A morte desto xe m'ata:
       Guiomar Afonso Gata
       est a dona que me mata.
  
Dixe-lh'eu: - Já bem vos digo
a coita que hei comigo;
15per bõa fé, meu amigo,
       a morte desto xe m'ata:
       Guiomar Afonso Gata
       est a dona que me mata.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

A 143, B 264

Descrição:

Cantiga de Género incerto

Refrão

Pois que eu ora morto for
sei bem ca dirá mia senhor:
       - Eu sõo Guiomar Afonso!
  
Pois souber mui bem ca morri
5por ela, sei que dirá assi:
       - Eu sõo Guiomar Afonso!
  
Pois que eu morrer, filhará
entom o soqueix'e dirá:
       - Eu sõo Guiomar Afonso!


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 265

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

O meu amigo, que me mui gram bem
quer, assanhou-s'um dia contra mim
muit'endoado; mais [d]el que s'assi
a mim assanha, sei eu ũa rem:
5       se soubess'el quam pouc'eu daria
       por sa sanha, nom s'assanharia.
  
E, porque nom quig'eu com el falar
quand'el quisera, nem se mi aguisou,
assanhou-s'el, e de pram bem cuidou
10que me matava; mais, a meu cuidar,
       se soubess'el quam pouc'eu daria
       por sa sanha, nom s'assanharia.
  
Porque me quer gram bem de coraçom,
assanhou-s'el, e cuidou-m'a fazer
15mui gram pesar; mais devedes creer,
del que s'assanha, se Deus me perdom,
       se soubess'el quam pouc'eu daria
       por sa sanha, nom s'assanharia.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 266

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Pois minha senhor me manda
que nom vá u ela ´stiver,
quero-lho eu por en fazer,
pois mo ela 'ssi demanda.
5Mais nom me pod'ela tolher
por en que lh'eu nom queira gram bem.
  
Por quanto eu dela vejo,
minha senhor me defende,
que nom vá u ela entende
10que eu filho gram desejo.
Mais nom pod'ela por ende
o meu coraçom partir do seu.
  
E por quant'eu dela entendo,
que nom quer que a mais veja,
15bem me praz que assi seja:
mais vai-se meu mal sabendo;
e meus olhos me queren[do]
matar, quando lha nom vou mostrar.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 713, V 314
(C 713)

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

O meu amig', ai amiga,
a que muita prol buscastes
quando me por el rogastes,
pero vos outra vez diga
5       que me vós por el roguedes,
       nunca me por el roguedes.
  
El verrá, ben'o sabiades,
dizer-vos que é coitado;
mais sol nom seja pensado,
10pero o morrer vejades,
       que me vós por el roguedes,
       nunca me por el roguedes.
  
Quanto quiser, tanto more
meu amigo em outra terra
15e ande comigo a guerra;
mais, pero ante vós chore,
       que me vós por el roguedes,
       nunca me por el roguedes.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 714, V 315

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Quando meu amigo souber
que m'assanhei por el tardar
tam muito, quand'aqui chegar
e que lh'eu falar nom quiser,
5       muito terrá que baratou
       mal, porque tam muito tardou.
  
Nem tem agora el em rem
mui gram sanha que eu del hei;
quando el veer, com'eu serei
10sanhuda, parecendo bem,
       muito terrá que baratou
       mal, porque tam muito tardou.
  
E quand'el vir os olhos meus
e vir o meu bom semelhar
15e o eu nom quiser catar
nem m'ousar el catar dos seus,
       muito terrá que baratou
       mal, porque tam muito tardou.
  
Quando m'el vir bem parecer,
20com'hoj'eu sei que m'el verá,
e da coita que por mim há
nom m'ousar nulha rem dizer,
       muito terrá que baratou
       mal, porque tam muito tardou.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 715, V 316

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Dize[m]-mi ora que nom verrá
o meu amigo, porque quer
mui gram bem a outra molher,
mais esto quen'o creerá:
5       que nunca el de coraçom
       molher muit'ame, se mim nom?
  
Pode meu amigo dizer
que ama ou[t]rem mais ca si
nem que outra rem nem ca mi,
10mais esto nom é de creer:
       que nunca el de coraçom
       molher muit'ame, se mim nom.
  
Enfinta faz el, eu o sei,
que morre por outra d'amor
15e que nom há mim por senhor;
mais eu esto nom creerei:
       que nunca el de coraçom
       molher muit'ame, se mim nom.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 1385, V 994
(C 1385)

Descrição:

Cantiga de Escárnio e maldizer

O Demo m'houvera hoj'a levar
a ũa porta d'um cavaleiro,
por saber novas; e o porteiro
foi-lhi dizer que querria jantar;
5e el tornou[-se] logo sa via
com dous cães grandes que tragia
que na porta m'houveram de matar.
  
E começava-os el d'arriçar,
de trá'la porta d'um seu celeiro,
10um mui gram cam negr'e outro veiro;
e começavam-s'a mi de touçar
em cima da besta em que ia;
e jurand'eu: - Par Santa Maria,
por novas vos quisera preguntar.
  
15Três cães eram grandes no logar,
mais nom saiu o gram fareleiro;
mais os dous, que sairom primeiro,
nom lhis cuidei per rem a escapar;
pero jurava que nom queria
20ali decer, tanto me valia
como se dissess': - Alá quer'entrar!
  
E dix'eu logo, pois m'en partia:
- Sei-m'eu que assi convidaria
o coteife peideir'em seu logar.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 1386, V 995

Descrição:

Cantiga de Escárnio e maldizer

Mestria

Dom Estêvam, em grand'entençom
foi já or'aqui por vosso preito:
oí dizer por vós que a feito
sodes cego; mais dix'eu que mui bem
5oídes, cada que vos cham'alguém:
vedes como tiv'eu vossa razom!
  
E muitos oí eu hoj'em mal som
dizer por vós [atal]: que a feito
sodes cego; e dix'eu log'a eito
10esto que sei que vos a vós avém:
que nunca vos home diz nulha rem
que nom ouçades, se Deus mi perdom.
  
Oí dizer por vós que há sazom
que vedes [já] quanto, pois me deito
15e dormesco e dórmio bem a feito,
que assi veedes vó'lo artom;
e assanhei-m'eu e dixi por en:
- Confonda Deus quem cego chama quem
assi ouve come vó'lo sarmom.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 1387, V 996

Descrição:

Cantiga de Escárnio e maldizer

Mestria

Querri'agora saber de grado
d'um home que sei mui posfaçador,
[pois] de posfaçar há tam gram sabor,
se sab'ora el com'é posfaçado;
5e pero sabe-o, a meu coidar
- e por en há coita de posfaçar
ca nom [vai] posfaçar endoado.
  
E poilo sabe, faz aguisado
de posfaçar, ca nunca vi peior:
10ca, x['i] o deostam, el o melhor
faz, pois que já tal é seu pecado;
ca o deostam, que eu nunca vi
home no mundo, des quando naci,
en posfaçar e tam mal deostado.
  
15Nom vos é el daquest'enartado,
ante tenh'eu que é bem sabedor
de posfaçar d'amig'e de senhor
e nom guardar nẽum home nado,
em posfaçar; e tenho-lhi por sem
20de nom dizer de nẽum home bem,
ca dest'é el de todos bem guardado.
  
E diga, pois que disser, muito mal;
qual cho fezer, ó compadr', outro tal
lhi faz: por ende serás vingado.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 1388, V 997

Descrição:

Cantiga de Escárnio e maldizer

Mestria

Dom Marco, vej'eu muito queixar
Dom Estêvam de vós, ca diz assi:
que, pero foi mui mal doent'aqui,
que vos nunca quisestes trabalhar
5de o veer, nen'o vistes; mais bem
jura que o confonda Deus por en
se vos esto per casa nom passar.
  
Qual desdém lhi vós fostes fazer
nunca outr'home a seu amigo fez;
10mais ar fará-vo-lo [el], outra vez,
se mal houverdes: nom vos ar veer;
ca x'é el home que x'há poder tal,
bem come vós, se vos ar veer mal,
de vos dar en pelo vas'a bever.
  
15Diz que o nom guii Nostro Senhor,
se vos mui ced'outr'atal nom fezer:
nom vos veer quando vos for mester,
poilo nom vistes; aind'al diz peior,
um verv'antigo, com sanha que há:
20"como lhi cantardes, bailar-vos-á",
ca nom há porque vos baile melhor.