Nuno Fernandes Torneol - Todas as cantigas

Ver com anotações <


Cancioneiros:

A 70, B 183
(C 183)

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Ir-vos queredes, mia senhor,
e fic'end'eu com gram pesar,
que nunca soube rem amar
ergo vós, des quando vos vi.
5E pois que vos ides daqui,
       senhor fremosa, que farei?
  
E que farei eu, pois nom vir
o vosso mui bom parecer?
Nom poderei eu mais viver,
10se me Deus contra vós nom val.
Mais ar dizede-me vós al:
       senhor fremosa, que farei?
  
E rog'eu a Nostro Senhor
que, se vós vos fordes daquém,
15que me dê mia morte por en,
ca muito me será mester.
E se mi a El dar nom quiser,
       senhor fremosa, que farei?
  
Pois mi assi força voss'amor
20e nom ouso vosco guarir,
des quando me de vós partir,
eu que nom sei al bem querer
querria-me de vós saber:
       senhor fremosa, que farei?


Ver com anotações <


Cancioneiros:

A 71, B 184

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Am'eu tam muito mia senhor
que sol nom me sei conselhar!
E ela nom se quer nembrar
de mim... e moiro-me d'amor!
5       E assi morrerei por quem
       nem quer meu mal, nem quer meu bem!
  
E quando lh 'eu quero dizer
o muito mal que mi amor faz,
sol nom lhe pesa, nem lhe praz,
10nem quer em mim mentes meter.
       E assi morrerei por quem
       nem quer meu mal, nem quer meu bem!
  
Que ventura que me Deus deu:
que me fez amar tal molher
15que meu serviço nom me quer!
E moir'e nom me tem por seu!
       E assi morrerei por quem
       nem quer meu mal, nem quer meu bem!
  
E veede que coita tal:
20que eu já sempr'hei a servir
molher que mi o nom quer gracir,
nem mi o tem por bem, nem por mal!
       E assi morrerei por quem
       nem quer meu mal, nem quer meu bem!


Ver com anotações <


Cancioneiros:

A 72, B 185

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Par Deus, senhor, em gram coita serei
agora quando m'eu de vós quitar,
ca me nom hei d'al no mund'a pagar;
e, mia senhor, gram dereito farei,
5       pois eu de vós os meus olhos partir
       e os vossos mui fremosos nom vir.
  
E bem mi o per devedes a creer
que me será mia mort', e m'é mester,
des quando vos eu veer nom poder;
10nem Deus, senhor, nom me leixe viver,
       pois eu de vos os meus olhos partir
       e os vossos mui fremosos nom vir.
  
Pero sei-m'eu que me faço mal sem,
de vos amar, ca, des quando vos vi,
15em mui gram coita fui, senhor, des i;
mais que farei, ai meu lum'e meu bem,
       pois eu de vós os meus olhos partir
       e os vossos mui fremosos nom vir?
  
E pois vos Deus fez parecer melhor
20de quantas outras eno mundo som,
por mal de mim e do meu coraçom,
com'haverei já do mundo sabor,
       pois eu de vós os meus olhos partir
       e os vossos mui fremosos nom vir?


Ver com anotações <


Cancioneiros:

A 73, B 186

Descrição:

Cantiga de Amor

Fragmento

Ora vej'eu que me nom fará bem
a mia senhor, pois me mandou dizer
que me partisse de a bem querer.
Pero sei eu que lhe farei por en:
5mentr'eu viver, sempre lhe bem querrei
e sempre a já "senhor" chamarei.
  
[...]


Ver com anotações <


Cancioneiros:

A 74, B 187

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Que prol vos há 'vós, mia senhor,
de me tam muito mal fazer,
pois eu nom sei al bem querer
no mundo, nem hei d'al sabor?
5       Dizede-me, que prol vos há?
  
E que prol vos há de fazer
tam muito mal a quem voss'é?
Nom vos há prol, per bõa fé!
E mia senhor, se eu morrer,
10       dizede-me, que prol vos há?
  
[E] que prol vos há d'eu estar
sempre por vós em grand'afã?
(e éste mui grande, de pram).
E pois mi o voss'amor matar,
15       dizede-me, que prol vos há?
  
E vós, lume dos olhos meus,
oir-vos-edes maldizer
por mim, se eu por vós morrer.
E senhor, por amor de Deus,
20       dizede-me, que prol vos há?


Ver com anotações <


Cancioneiros:

A 75, B 188

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Quer'eu a Deus rogar de coraçom,
com'home que é coitado d'amor,
que El me leixe veer mia senhor
mui ced'; e se m'El nom quiser oir,
5logo lh'eu querrei outra rem pedir:
       que me nom leixe no mundo viver!
  
E se m'El há de fazer algum bem,
oir-mi-á 'questo que Lh'eu rogarei
e mostrar-mi-á quanto bem no mund'hei.
10E se mi o El nom quiser amostrar,
logo Lh'eu outra rem querrei rogar:
       que me nom leixe no mundo viver!
  
E se m'El amostrar a mia senhor,
que am'eu mais ca o meu coraçom,
15vedes o que Lhe rogarei entom:
que me dê seu bem, que m'é mui mester;
e rogá'-Lh'-ei que, se o nom fezer,
       que me nom leixe no mundo viver!
  
E rogá'-Lh'-ei, se me bem há fazer,
20que El me leixe viver em logar
u a veja e lhe possa falar,
por quanta coita me por ela deu;
senom, vedes que Lhe rogarei eu:
       que me nom leixe no mundo viver!


Ver com anotações <


Cancioneiros:

A 76, B 189

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Quando mi agora for e mi alongar
de vós, senhor, e nom poder veer
esse vosso fremoso parecer,
quero-vos ora por Deus preguntar:
5       senhor fremosa, que farei entom?
       Dized', ai coita do meu coraçom!
  
E dizede-m': em que vos fiz pesar,
por que mi assi mandades ir morrer?
Ca me mandades ir alhur viver!
10E pois m'eu for e me sem vós achar,
       senhor fremosa, que farei entom?
       Dized', ai coita do meu coraçom!
  
E nom sei eu como possa morar
u nom vir vós, que me fez Deus querer
15bem, por meu mal; por en quero saber:
[e] quando vos nom vir, nem vos falar,
       senhor fremosa, que farei entom?
       Dized', ai coita do meu coraçom!


Ver com anotações <


Cancioneiros:

A 77, B 180bis

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Que bem que m'eu sei encobrir
com mia coita e com meu mal!
Ca mi o nunca pod'hom'oir.
Mais que pouco que mi a mim val!
5Ca nom quer'eu bem tal senhor
que se tenha por devedor
algũa vez de mi o gracir.
  
Pero faça como quiser,
ca sempre a eu servirei
10e quanto a negar poder,
todavia negá-la-ei.
Ca eu por que hei a dizer
o por que m'hajam de saber
quam gram sandece comecei
  
15e de que me nom há quitar
nulha cousa, se morte nom?
(pois Deus, que mi a fez muit'amar,
nom quer, nen'o meu coraçom)
Mais a Deus rogarei por en
20que me dê cedo dela bem,
ou morte, se m'est'há durar.
  
E bem dev'eu ant'a querer
mia morte ca viver assi,
pois me nom quer Amor valer,
25e a que eu sempre servi
me desama mais doutra rem.
Pero fui home de mal sem
porque, d'u ela é, saí!


Ver com anotações <


Cancioneiros:

A 78, B 181bis

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Ai eu! e de mim que será?
Que fui tal dona querer bem
a que nom ouso dizer rem
de quanto mal me faz haver!
5E feze-a Deus parecer
melhor de quantas no mund'há!
  
Mais em grave dia naci,
se Deus conselho nom mi der;
ca destas coitas qual xe quer
10m'é-mi mui grave d'endurar:
como nom lh'ousar a falar
e ela parecer assi.
  
Ela, que Deus fez por meu mal!
Ca já lh'eu sempre bem querrei
15e nunca end'atenderei
com que folg'o meu coraçom,
que foi trist', há i gram sazom,
polo seu bem, ca nom por al.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

A 79, B 182bis

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Ai mia senhor! U nom jaz al,
haverei mui ced'a morrer,
pois vosso bem nom poss'haver;
mais direi-vos do que m'é mal:
5       de que seredes, mia senhor
       fremosa, de mim pecador!
  
E praz-me, si Deus me perdom,
de morrer, pois ensandeci
por vós, que eu por meu mal vi;
10mais pesa-me de coraçom
       de que seredes, mia senhor
       fremosa, de mim pecador!
  
E de morrer m'é mui gram bem,
ca nom poss'eu mais endurar
15o mal que mi amor faz levar;
mais pesa-me mais doutra rem
       de que seredes, mia senhor
       fremosa, de mim pecador!


Ver com anotações <


Cancioneiros:

A 80, B 183bis

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Pois naci nunca vi Amor
e ouço del sempre falar;
pero sei que me quer matar,
mais rogarei a mia senhor:
5       que me mostr'aquel matador,
       ou que m'ampare del melhor.
  
Pero nunca lh'eu fige rem
por que m'el haja de matar,
mais quer'eu mia senhor rogar,
10pola gram coit'em que me tem:
       que me mostr'aquel matador,
       ou que m'ampare del melhor!
  
Nunca me lh'eu ampararei,
se m'ela del nom amparar;
15mais quer'eu mia senhor rogar,
polo gram medo que del hei:
       que mi amostr'aquel matador,
       ou que mi ampare del melhor.
  
E pois Amor há sobre mi
20de me matar tam gram poder
e eu non'o posso veer,
rogarei mia senhor assi:
       que mi amostr'aquel matador,
       ou que m'ampare del melhor.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

A 81, B 184bis

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Preguntam-me por que ando sandeu,
e nom lhe'lo quer'eu já mais negar;
e pois me deles nom poss'amparar,
nem me leixam encobrir com meu mal,
5direi-lhes eu a verdad'e nom al:
       direi-lhes ca ensandeci
       pola melhor dona que vi.
  
Nem mais fremosa, lhes direi, de pram,
(ca lhes nom quero negar nulha rem
10de mia fazenda – ca lhes quero bem),
nem pola que hoj'eu sei mais de prez.
E se m'ar preguntarem outra vez,
       direi-lhes ca ensandeci
       pola melhor dona que vi.
  
15E Deu'lo sabe quam grav'a mi é
de lhes dizer o que sempre neguei;
mais pois me coitam, dizer-lhe-la-ei
a meus amigos, e a outros nom,
mui gram verdade, si Deus mi perdom!:
20       direi-lhes ca ensandeci
       pola melhor dona que vi.
  
E se a eles virem, creerám
ca lhes dig'eu verdade, u al nom há,
e leixar-m'-am de me preguntar já;
25e se o nom ar quiserem fazer,
querê'-lhes-ei a verdade dizer:
       direi-lhes ca ensandeci
       pola melhor dona que vi.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 185bis

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Assi me traj'ora coitad'Amor
que nunca lh'home vi trager tam mal;
e vivo com el ũa vida tal
que já mia morte seria melhor.
5       Nostro Senhor, nom me leixe viver,
       se estas coitas nom hei a perder!
  
E pera qual terra lh'eu fugirei
log'el saberá mandado de mi,
ali u for; e pois me tever i
10em sa prisom, sempr'eu esto direi:
       Nostro Senhor, nom me leixe viver,
       se estas coitas nom hei a perder!
  
E a mim faz hoj'el maior pesar
de quantos outros seus vassalos som
15e a [e]ste mal nom lh'hei defensom:
u me tem em poder, quer-me matar.
       Nostro Senhor, nom me leixe viver,
       se estas coitas nom hei a perder!


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 641, V 242
(C 641)

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão e Paralelística

Levad', amigo, que dormides as manhanas frias
tôdalas aves do mundo d'amor dizia[m]:
       leda m'and'eu.
  
Levad', amigo que dormide'las frias manhanas
5tôdalas aves do mundo d'amor cantavam:
       leda m'and'eu.
  
Tôdalas aves do mundo d'amor diziam,
do meu amor e do voss[o] em ment'haviam:
       leda m'and'eu.
  
10Tôdalas aves do mundo d'amor cantavam,
do meu amor e do voss[o] i enmentavam:
       leda m'and'eu.
  
Do meu amor e do voss[o] em ment'haviam
vós lhi tolhestes os ramos em que siíam:
15       leda m'and'eu.
  
Do meu amor e do voss[o] i enmentavam
vós lhi tolhestes os ramos em que pousavam:
       leda m'and'eu.
  
Vós lhi tolhestes os ramos em que siíam
20e lhis secastes as fontes em que beviam;
       leda m'and'eu.
  
Vós lhi tolhestes os ramos em que pousavam
e lhis secastes as fontes u se banhavam;
       leda m'and'eu.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 642, V 243

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão e Paralelística

Aqui vej'eu, filha, o voss'amigo,
o por que vós baralhades migo,
       delgada.
  
Aqui vejo, filha, o que amades,
5o por que vós migo baralhades,
       delgada.
  
[O] por que vós baralhades migo;
quero-lh'eu bem, pois é voss'amigo,
       delgada.
  
10O por que vós migo baralhades;
quero-lh'eu bem, poilo vós amades,
       delgada


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 643, V 244

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Ai madr', o meu amigo que nom vi
há gram sazom, dizem-mi que é 'qui,
       madre, per bõa fé, leda m'and'eu.
  
E sempr'eu punhei de lhi mal fazer,
5mais, pois ora vẽo por me veer,
       madre, per bõa fé, leda m'and'eu.
  
Por quanta coita el por mi levou
nom lhi poss'al fazer, mais, pois chegou,
       madre, per bõa fé, leda m'and'eu.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 644, V 245

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão e Paralelística

Que coita tamanha hei a sofrer,
por amar amig'e non'o veer,
       e pousarei sô lo avelanal.
  
Que coita tamanha hei endurar,
5por amar amig'e nom lhi falar,
       e pousarei sô lo avelanal.
  
Por amar amig'e nom lhi falar,
nem lh'ousar a coita que hei mostrar,
       e pousarei sô lo avelanal.
  
10Por amar amig'e o nom veer,
nem lh'ousar a coita que hei dizer,
       e pousarei sô lo avelanal.
  
Nom lhe ousar a coita que hei dizer,
e nom mi dam seus amores lezer,
15       e pousarei sô lo avelanal.
  
Nom lhe ousar a coita que hei mostrar,
e nom mi dam seus amores vagar,
       e pousarei sô lo avelanal.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 645, V 246

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão e Paralelística

Vi eu, mia madr', andar
as barcas eno mar,
       e moiro-me d'amor.
  
Foi eu, madre, veer
5as barcas eno lez,
       e moiro-me d'amor.
  
As barcas [e]no mar
e foi-las [a]guardar,
       e moiro-me d'amor.
  
10As barcas eno lez
e foi-las atender,
       e moiro-me d'amor.
  
E foi-las aguardar
e non'o pud'achar,
15       e moiro-me d'amor.
  
E foi-las atender
e non'o pud'i veer,
       e moiro-me d'amor.
  
E non'o achei i,
20[o] que por meu mal vi,
       e moiro-me d'amor.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 646, V 247

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Trist'anda, mia madr[e], o meu amigo,
e eu triste por el, bem vo-lo digo,
       e, se m'el morrer, morrer-vos-ei eu.
  
E morrerá por mi, tant'é coitado,
5e vós perderedes meu gasalhado,
       e, se m'el morrer, morrer-vos-ei eu.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 647, V 248

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Foi-s'um dia meu amigo daqui
e nom me viu, e porque o nom vi,
       madre, ora morrerei.
  
Quando m'el viu, nom foi polo seu bem,
5ca morre agora por mi e por en,
       madre, ora morrerei.
  
Foi-s'el daqui e nom m'ousou falar
nem eu a el, e por en com pesar,
       madre, ora morrerei.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 648, V 249

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão e Paralelística

- Dizede-m'ora, filha, por Santa Maria,
qual est o voss'amigo, que mi vos pedia?
       - Madr', eu amostrar-vo-lo-ei.
  
- Qual e[st o] voss'amigo que mi vos pedia?
5se mi o vós mostrássedes, gracir-vo-lo-ia.
       - Madr', eu amostrar-vo-lo-ei.
  
- [S]e mi o vós amostrardes, gracir-vo-lo-ia,
e direi-vo-l'eu logo em que s'atrevia.
       - Madr', eu amostrar-vo-lo-ei.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 1371, V 979
(C 1371)

Descrição:

Cantiga de Escárnio e maldizer

Mestria

"De longas vias, mui longas mentiras":
este verv'antig[o] é verdadeiro,
ca um ric'hom'achei eu mentireiro,
indo de Valedolide pera Toledo:
5achei sas mentiras, entrant'a Olmedo,
e[m] sa repost[e] e seu pousadeiro.
  
Aquestas som as que el enviara,
sem as outras que com el [i] ficarom,
de que paga os que o aguardarom,
10há gram sazom; e demais seus amigos
pagará delas, e seus enmiigos,
ca tal est el, que nunca lhi menguarom,
  
nem minguarám, ca mui bem as barata
de mui gram terra que tem, bem parada,
15de que lhi nom tolhe nulh'home nada;
[e] gram dereit'é, ca el nunca erra:
dá-lhis mentiras, em paz e em guerra,
a seus cavaleiros, por sa soldada.