Rodrigo Anes Redondo - Todas as cantigas

Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 331/335
(C 331)

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Hom'a que Deus coita quis dar
d'amor nunca dev'a dormir;
ca já, u sa senhor nom vir,
nom dormirá; e se chegar
5u a veja, esto sei bem:
nom dormirá per nulha rem,
tant'há prazer de a catar!
  
Em aquesto poss'eu falar,
ca muit'há que passa per mi:
10ca des que mia senhor nom vi,
nunca dormi; e se mostrar
algũa vez Nostro Senhor
mi a quis, hôuvi tam gram sabor,
que nunca mi al pôde nembrar.
  
15Já o dormir, mentr'eu durar,
[hei] perdudo; pois est assi
que, u a nom vi, nom dormi;
e poila nom vejo, provar
non'o hei per rem. E, por Deus já,
20dizede-mi: quem dormirá
com tam gram prazer ou pesar?


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 332

Descrição:

Cantiga de Amigo

Mestria

Dê'lo dia, ai amiga, que nos nós de vós partimos,
fui-se nosco voss'amigo, e, per quanto nós oímos,
a[i] amiga, [que dizia], e, per quanto nós [del] vimos,
- queredes que vo-lo diga?
5Nunca tam leal amigo d'amiga vistes, amiga.
  
U nos partimos chorando, vós e nós chorando vosco,
e el, mui sen'o seu grado, houve-s'entom d'ir connosco,
[muito lhi vos assanhastes]; mais, per quant'eu del conhosco,
sempre serei de seu bando,
10que, enquanto vós chorastes, nunca el quedou chorando.
  
Come vós des i chorava, e ia-s'apartar sóo,
e catava-m'el os panos, que eu tragia com dóo;
mais, pero o preguntavam por que chorava, negó-o;
mais a mim non'o negava,
15e por esto som certãa, 'miga, que por vós chorava.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 333

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Senhor, por Deus vos rogo que que[i]rades
saber um dia [como] mia ventura
é contra vós, a que quero melhor
de quantas cousas Deus quiso fazer.
5E, mia senhor, nom vos ous'a dizer
rem da [mui] gram coita que me vós dades.
E por vós morrerei [em] tal ventura!
  
Esto é [o] de que vos vós guardades:
de nom fazerdes senom o milhor
10e de nom catardes por outra rem.
Atanto creede vós bem de mi:
que mui pequena prol per tenh'eu i,
pois Deus nom quer que a mim bem façades,
que vós em al façades o melhor.
  
15[Ca] mia senhor, quanto mais bem fazedes,
atanto fazedes a mim levar
maior coidado no meu coraçom,
em desejar o bem que vos Deus deu.
E mia senhor, atanto Lhi rog'eu
20que veja[des] qual torto me fazedes,
de me fazerdes tal coita levar.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 334

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

O que vos diz, senhor, que outra rem desejo
no mundo mais ca vós, est'é o mui sobejo
mentira[l] quen'o diz; ca, u quer que eu sejo,
sem vós nom me sei eu eno mundo guarida;
5e se vou u vos vej', e quand'a vós eu vejo,
       vejo eu i quem trage mia mort'e mia vida.
  
[E] foi vo-lo dizer o que há grand'enveja
porque vos quer'eu bem e nom sabi a sobeja
coita que me vós dades; que, u quer que seja,
10no coraçom me dá voss'amor tal ferida:
[que] quando vos eu vejo (assi Deus me veja!),
       vejo eu i quem trage mia mort'e mia vida.
  
[E foi] já vos dizer cousa mui desguisada:
[d]e seer outra rem no mundo desejada
15de mi como vós sodes; mais vós, mesurada,
fremosa e mansa e doutro bem comprida,
non'o creades, ca u vos [vejo], bem talhada,
       vejo eu i quem trage mia mort'e mia vida.
  
De mim podedes vós, senhor, seer servida,
20se vos pesar mia morte e vos prouguer mia vida.
  
Se vos pesar mia morte e vos prouguer mia vida,
como em outro tempo foi, [seredes servida].


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 336

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Pois [s']ora faz que eu viver aqui
poss', u nom poss', assi Deus me perdom!,
veê'la senhor do meu coraçom,
e por en nom moiro, dig'eu assi
5(por atal cousa que passa per mi):
       pois esto faz e nom posso morrer,
       tôdalas cousas se pod'en fazer
  
que som sem guisa! Ca sem guisa é
de viver eu u nom veja os seus
10olhos, que eu vi por aquestes meus
em grave dia; mais pois assi é
que eu nom moiro já, per bõa fé,
       pois esto faz e nom posso morrer,
       tôdalas cousas se pod'en fazer
  
15que som sem guisa! Ca u vou cuidar
em qual a vi e haver a guarir
u a nom vej', a mia morte partir-
m'en nom devia, com este pesar;
mais pois nom moiro, bem posso jurar,
20       pois esto faz e nom posso morrer,
       tôdalas cousas se pod'en fazer
  
que som sem guisa! Mais tam bem viver
pod'o morto, se x'o Deus quer fazer!


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 1613, V 1146
(C 1613)

Descrição:

Cantiga de Escárnio e maldizer

Mestria

Suer'Fernándiz, si veja plazer,
veste-se bem, a todo seu poder;
e outra cousa lhe vejo fazer,
que fazem outros poucos no reinado:
5sempr'em Verãao lhe vejo trager
e no Inverno sapato dourado.
  
El se veste e se calça mui bem;
en'esto mete el o mais do que tem,
pero nunca lhe vejo menguar rem;
10e come se todo houvesse endoado,
u outros nom tragem, a el convém
que traga sempre sapato dourado.
  
El se veste sempre bem como quer,
e des i custe o que custar puder,
15e nom creades quem vos al disser;
e desto mi faço maravilhado:
ca em Inverno e per qual tempo quer,
sempre lhe vejo sapato dourado.