Rodrigo Anes Redondo


Pois [s']ora faz que eu viver aqui
poss', u nom poss', assi Deus me perdom!,
veê'la senhor do meu coraçom,
e por en nom moiro, dig'eu assi
5(por atal cousa que passa per mi):
       pois esto faz e nom posso morrer,
       tôdalas cousas se pod'en fazer
  
 que som sem guisa! Ca sem guisa é
 de viver eu u nom veja os seus
10olhos, que eu vi por aquestes meus
em grave dia; mais pois assi é
que eu nom moiro já, per bõa fé,
       pois esto faz e nom posso morrer,
       tôdalas cousas se pod'en fazer
  
15que som sem guisa! Ca u vou cuidar
em qual a vi e haver a guarir
u a nom vej', a mia morte partir-
m'en nom devia, com este pesar;
mais pois nom moiro, bem posso jurar,
20       pois esto faz e nom posso morrer,
       tôdalas cousas se pod'en fazer
  
que som sem guisa! Mais tam bem viver
pod'o morto, se x'o Deus quer fazer!



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

O trovador declara que, uma vez que Deus o faz viver sem poder ver a sua senhora e, apesar disto, não morre, todas as coisas sem jeito ou absurdas Lhe são possíveis. De modo que, conclui, até poderá mesmo fazer viver de novo um morto.



Nota geral


Descrição

Cantiga de Amor
Refrão
Cobras singulares
Ateúda atá finda
Finda
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 336

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 336


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas