Afonso Sanches


Um ric'home a que um trobador
 trobou ogan'aqui em cas d'el-rei,
asseentando-m'eu, trás mim catei,
vi-o seer em um logar peior.
 5Ergi-m'e dixi: - Viind'acá pousar.
E disse-m'el: - Seed'em vosso logar,
bem sej'acá, nom quero seer melhor.
  
Quando mi assentei, assi veja prazer,
 nom me guardava eu de tal cajom;
10e quando o vi, ergi-me log'entom.
- Passad'acá! - lhe fui logo dizer,
que s'ergesse d'antre os cochões seus.
E disse-m'el: - Gradesca-vo-lo Deus,
nom me comprira de melhor seer.
  
15E [...]



 ----- Aumentar letra

Nota geral:

Cena de corte que ridiculariza um daqueles ricos-homens que, ou por o serem há pouco tempo, ou pelas suas origens rurais, serviam muitas vezes de alvo aos trovadores. Aqui tudo gira à volta do lugar em que este rico-homem não identificado decide sentar-se num serão.
A cantiga está incompleta, faltando-lhe, pelo menos, uma terceira estrofe, cuja primeira inicial é ainda visível em B.



Nota geral


Descrição

Escárnio e Maldizer
Mestria
Cobras singulares
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 781, V 365
(C 781)

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 781

Cancioneiro da Vaticana - V 365


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas