[Seja eu, fremosa]

Tomás Borba, Compositor

Composição/Recriação moderna
Década de 20/30 do século XX

Ver pauta Ver pauta

Intervenientes

Compositor Tomás Borba
Piano/harpa
Canto


Sem audio disponível


A versão musical nunca foi gravada.

Cantiga original Sej'eu fremosa com mui gram pesar

Sej'eu fremosa com mui gram pesar
e mui coitada no meu coraçom
e choro muit'e faço gram razom,
par Deus, mia madre, de muito chorar
       por meu amig'e meu lum'e meu bem,
       que se foi daqui, ai madr', e nom vem.
E bem sei [eu] de pram que por meu mal
me fez[o] Deus tam fremosa nacer,
pois m'ora faz, como moiro, morrer,
ca moiro, madre, se Deus mi nom val,
       por meu amig'e meu lum'e meu bem,
       que se foi daqui, ai madr', e nom vem.
E fez-mi Deus nacer, per bõa fé,
polo meu mal; [e] er fez-me log'i
mais fremosa de quantas donas vi,
e moiro, madre, vedes por que é:
       por meu amig'e meu lum'e meu bem,
       que se foi daqui, ai madr', e nom vem.
E, pois Deus quer que eu moira por en,
sábiam que moiro querendo-lhi bem.