Fernão Soares de Quinhones - Todas as cantigas

Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 1553
(C 1554)

Descrição:

Cantiga de Escárnio e Maldizer

Refrão, refrão inicial

       Ai amor, amore de Pero Cantone,
       que amor tam saboroso e sem tapone!
  
Que amor tam viçoso e tam são,
quen'o podesse teer atá o Verão!
5Mais valria que amor de Chorrichão
nem de Martim Gonçalves d'Orzelhone.
       Ai amor, amore de Pero Cantone,
       que amor tam saboroso e sem tapone!
  
Que amor tam delgad[o] e tam frio,
10mais nom creo que dure atá o Estio,
ca atal era outr'amor de meu tio,
que se botou a pouca de sazone.
       Ai amor, amore de Pero Cantone,
       que amor tam saboroso e sem tapone!
  
15Que amor tam pontoso, se cuidades,
fazer-vos-á chorar, se o gostades;
semelhar-vos-á, se o provades,
amor de Dom Palaio de Gordone.
       Ai amor, amore de Pero Cantone,
20       que amor tam saboroso e sem tapone!
  
Que amor tam astroso e tam delgado,
quen'o tevess[e] um ano soterrado!
Aquel[e] fora em bom ponto nado
que depois houvesse d'el bõa rençone.
25       Ai amor, amore de Pero Cantone,
       que amor tam saboroso e sem tapone!
  
Que amor tam astros'e tam pungente,
quen'o podess'haver em remordente!
Mais valria que amor d'um meu parente
30que mora muit'acerca de Leone.
       Ai amor, amore de Pero Cantone,
       que amor tam saboroso e sem tapone!


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 1554

Descrição:

Cantiga de Escárnio e maldizer

Refrão

Dom Guilhelm'e Dom Adam e Dom Miguel Carriço,
pela porta da igreja, que saiu do quiço,
       irado'los há el-rei.
  
Eles nunca, pois nacerom, forom pegureiros;
5mas, por um home d'Estorga que perdeu carneiros,
       irado'los há el-rei.
  
Deitou um frad'a pacer sas bestas que comprara,
e porque as nom achou ali u as deitara,
       irado'los há el-rei.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 1555

Descrição:

Cantiga de Escárnio e maldizer

Refrão

       Lop'Anaia nom se vaia
       ca, senhor, se s'ora vai
       e lhi frorecer a faia,
       a alguém jogará lai.
  
5Se lhi frorec'o bastage,
meu senhor, seede sage
que prendades dele gage;
ca, se s'ora daqui vai,
bem fará tam gram domage
10come Fernam de Romai.
       Lop'Anaia nom se vaia
       ca, senhor, se s'ora vai
       e lhi frorecer a faia,
       a alguém jogará lai.
  
15Se el algur acha freiras,
ou casadas ou solteiras,
filha-x'as pelas carreiras,
e, se querem dizer "ai",
atá lhis faz as olheiras
20bem come prés de Cambrai.
       Lop'Anaia nom se vaia
       ca, senhor, se s'ora vai
       e lhi frorecer a faia,
       a alguém jogará lai.
  
25Nom se vaia de Sevilha
ca será gram maravilha
quant'achar, se o nom filha,
ca assi fez[o] seu pai;
ca já nẽum boi nom trilha
30em Oscos - esto bem sai.
       Lop'Anaia nom se vaia
       ca, senhor, se s'ora vai
       e lhi frorecer a faia,
       a alguém jogará lai.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 1556

Descrição:

Cantiga de Escárnio e maldizer

Mestria

Contar-vos-ei costumes e feituras
d'um cavalo que traj'um infançom:
há pees moles e as sedas duras
e tem'o freo e esporas nom;
5é velh'e sesgo nas aguilhaduras;
e nom encalçaria um leitom,
e encalçaria mil ferraduras.
  
De dia empeça bem: com'a escura[s],
nom s'alevant'ergo su o bardom;
10nom corre senom pelas mataduras,
nem traz caal, se enas unhas nom,
u trage mais de cem canterladuras;
e as sas reens sempre magras som,
mais nas queixadas há fortes grossuras.
  
15E quando lhi deitam as armaduras,
log'el faz contenente de forom;
e, se move, tremem-lh'as conjunturas
come doente de longa sazom;
há muit'espessas as augaduras,
20e usa mal, se nos geolhos nom,
em que trage grandes esfoladuras.
  
Nom vos contarei mais eu sas feituras,
mais, com'eu creo no meu coraçom,
quem x'em gram guerra andass'a loucuras,
25em feúza daqueste cavalom,
falecer-lh'-ia el nas queixaduras;
e, ena paz, nom ar sei eu cochom
que o quisesse trager nas Esturas.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 1557

Descrição:

Cantiga de Sirventês moral

Refrão, refrão inicial

       Rei Judeorum, Jesu Nazareno
       em que gram coit'andamos polo leno!
  
Já mais nunca quedamos, andando vias,
por empar'a comendas e benfeitorias;
5pero se nos convidam algũus dias,
nom nos dam senom leit'e pam de centeno.
       Rei Judeorum, Jesu Nazareno,
       em que gram coit'andamos polo leno!
  
Nunca veemos donas nen'[as] catamos
10e imos ant'alcaides e vozeiamos
por compoer requezas, e nom pensamos
quam pouco sa requeza logr'o caneno.
       Rei Judeorum, Jesu Nazareno,
       em que gram coit'andamos polo leno!