Vidal - Todas as cantigas

Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 1605, V 1138

Descrição:

Cantiga de Amor

Fragmento

Rubrica:

Estas duas cantigas fez um judeu d'Elvas, que havia nome Vidal, por amor d'ũa judia de sa vila que havia nome Dona. E pero que é bem que o bem que home faz se nom perça, mandamo-lo screver. E nom sabemos mais dela[s] mais de duas cobras, a primeira cobra de cada ũa.

Moir, e faço dereito,
por ũa dona d'Elvas,
que me trage tolheito,
com'a quem dam as ervas.
5Des que lh'eu vi o peito
branco, dix'às sas servas:
- A mia coita nom há par,
ca sei que me quer matar;
e quero eu morrer por ela,
10ca me nom poss'en guardar.
  
Amor hei [...]


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 1606, V 1139

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Faz-m'agora por si morrer,
e traz-me mui coitado,
mia senhor do bom parecer
e do cós bem talhado;
5a por que hei morte a prender
come cervo lançado,
que se vai do mund'a perder
da companha das cervas.
       E mal dia nom ensandeci
10       e pasesse das ervas
       e nom viss'u primeiro vi,
       a mui fremosinha d'Elvas.
  
Que [...]
[...]
15[...]
[...]
[...]
[...]
[...]
20[...]
       [E mal dia nom ensandeci
       e pasesse das ervas
       e nom viss'u primeiro vi,
       a mui fremosinha d'Elvas.]
  
25Oimais a morrer me convém,
ca tam coitado sejo
pola mia senhor do bom sem,
que am'e que desejo,
e que me parec'er tam bem
30cada que a eu vejo,
que semelha rosa que vem,
quando sal d'antr'as relvas.
       E mal dia nom ensandeci
       e pasesse das ervas
35       e nom viss', u primeiro vi,
       a mui fremosinha d'Elvas.