Cantar de amigo

Frederico de Freitas, Compositor

Composição/Recriação moderna
Década de 30 do século XX

Ver pauta Ver pauta

Intervenientes

Compositor Frederico de Freitas
Flauta
Harpa
Canto


Sem audio disponível


A versão musical nunca foi gravada.

Cantiga original Sedia-m'eu na ermida de Sam Simion

Sedia-m'eu na ermida de Sam Simion
e cercarom-mi as ondas, que grandes som!
       Eu atendendo meu amig', eu a[tendendo].
Estando na ermida ant'o altar
[e] cercarom-mi as ondas grandes do mar.
       Eu atendendo meu amig', eu a[tendendo].
E cercarom-mi as ondas, que grandes som!
Nom hei [eu i] barqueiro nem remador.
       Eu atendendo meu amig', eu a[tendendo].
E cercarom-mi [as] ondas do alto mar;
nom hei [eu i] barqueiro nem sei remar.
       Eu atendendo meu amig', eu a[tendendo].
Nom hei [eu] i barqueiro nem remador
[e] morrerei fremosa no mar maior.
       Eu atendendo meu amig', eu a[tendendo].
Nom hei [eu i] barqueiro nem sei remar
e morrerei fremosa no alto mar.
       Eu atendendo meu amig', eu a[tendendo].