Martim Moxa - All cantigas

Ver com anotações <


Cancioneiros:

A 303

Descrição:

Cantiga de Amor

Fragmento

[...]
Mais ambos i faredes o melhor,
ca, pois homem bem serv'a bom senhor,
bom galardom devedes a levar.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

A 304

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Cativo! mal conselhado!
que me nom sei conselhar,
e sempre viv'em cuidado,
pero nom posso cuidar
5cousa que me proe tenha
contra quem m'em coita tem:
ante cuid'eu que me venha
peor do que m'ora vem.
  
Cuid'est'e cuido guisado,
10ca me quis Deus aguisar
que sempr'amei desamado,
e faz-me senhor amar
tam de prez e que parece
tam bem que, per parecer
15e per prez, outre merece
que a possa merecer.
  
Mais nom am'eu per meu grado,
nem ar cuid'a gradoar
d'Amor, que me tem forçado;
20pero quero-m'esforçar,
com sem e com lealdade,
d'amar e seer leal;
e senhor tam sem maldade
nom me fará sempre mal.
  
25Ca sempr'eu serei pagado
de quanto s'ela pagar;
e de fazer seu mandado,
se m'ela quiser mandar,
como se me bem fezesse,
30assi como me mal faz,
ou lho meu amor prouguesse,
assi como lhe despraz.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

A 305

Descrição:

Cantiga de Género incerto

Refrão

Quem viu o mundo qual o eu já vi
e viu as gentes que eram entom
e viu aquestas que agora som,
Deus! Quand'i cuida, que pode cuidar?
5Ca me sin'eu, per mim, quando cuid'i:
       por que me nom vou algur esterrar,
       se poderia melhor mund'achar?
  
Mundo tẽemos fals'e sem sabor,
mundo sem Deus e em que bem nom há,
10e mundo tal que nom corregerá,
ante o vejo sempr'empeorar.
Quand'est'eu cat'e vej'end'o melhor,
       por que me nom vou algur esterrar,
       se poderia melhor mund'achar?
  
15U foi mesur'ou grãadez? U jaz
verdad'? U é quem há amigo leal?
Que fui d'amor ou trobar? Porque sal
a gente trist'e sol nom quer cantar?
Quand'est'eu cat'e quanto mal s'i faz,
20       por que me nom vou algur esterrar,
       se poderia melhor mund'achar?
  
Viv'eu em tal mund', e faz m'i viver
ũa dona, que quero mui gram bem,
e muit'há já que m'em seu poder tem,
25bem dê'lo temp'u soíam amar.
Oimais, de mim pode quem quer saber
       por que me nom vou algur esterrar,
       se poderia melhor mund'achar.
  
Mais em tal mundo por que vai morar
30home de prez, que s'en pod'alongar?


Ver com anotações <


Cancioneiros:

A 306

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Algũa vez dix'eu em meu cantar
que nom querria viver sem senhor;
e porque m'ora quitei de trobar,
muitos me têm por quite d'amor
5e cousecem-me do que fui dizer,
que nom queria sem senhor viver,
com'or'assi me foi d'amor quitar.
  
Já m'eu quisera com meu mal calar,
mais que farei com tanto cousidor?
10Haver-lhes-ei mia fazend'a mostrar,
que nom tenham que viv'eu sem amor?
Ca senhor hei que me tem em poder
e que sabe que lhe sei bem querer;
mais eu bem sei ca lhe faç'i pesar.
  
15E, se trobar, sei ca lhe pesará,
pois que lhe pesa de lhe querer bem;
e, se m'alguém desamar, prazer-lh'-á
d'oir o mal que me per amor vem,
e ar pesará [a] quem me bem quiser;
20por en nom trobo, ca nom m'é mester;
mais que nom am', esto nunca será!
  
E meu trobar, aquesto sei eu já
que nom mi há prol, senom por ũa rem:
per queixar hom'a gram coita que há,
25já que lezer semelha que lh'en vem;
mais se mia coit'eu mostrar e disser,
pois i pesar a mia senhor fezer,
coit'haverei que par nom haverá.
  
E de tal coita, enquant'eu poder,
30guardar-m'hei sempr'; e o que sem houver,
pois lo souber, nunca m'en cousirá.


View annotations <


Cancioneiros:

B 887, V 471
(C 887)

Description:

Cantiga de Sirventês moral

Mestria

Per como achamos na Santa Escritura,
o Anti-Cristo ora será na terra,
ca se nom guarda trégoa nem postura
e cada parte vejo a volver guerra
5e fazer mal, com mêngua de justiça;
e na gent'é tam grande a cobiiça
que nom há i conselho nem mesura.
  
Ca nom leixam [ho]spital nem egleja,
romeu nem dona, nem homem fidalgo
10nem homem d'ordem, por bõo que seja,
que nom desonrem por levar del algo.
Forçam molheres e roubam caminhos
e nom temem [alcaides] nem [meirinhos],
[ante acham sempre quem os proteja].
  
15Perde-se [..................ades],
porque nom há homem que os defenda:
nem lavram vinhas nem lavram herdades
nem ar têm per u se pag'a renda.
Perdem-s'as honras [ ...................]
20................................................
prez e mesura nom som já verdades.


View annotations <


Cancioneiros:

B 888, V 472=1036

Description:

Tenção

Mestria

Rubrica:

Esta cantiga foi feita em tempo del-rei Dom Afonso, a seus privados

- Vós que soedes em corte morar,
desses privados queria saber
se lhes há privança muit'a durar:
ca os nom vejo dar nem despender,
5ante os vejo tomar e pedir;
e o que lhes nom quer dar ou servir
nom pode rem com el-rei adubar.
  
- Destes privados nom sei novelar
senom que lhes vejo mui gram poder
10e grandes rendas e casas ganhar;
e vejo as gentes muito emprobecer
e com probeza, da terra sair;
e há el-rei sabor de os ouvir,
mais eu nom sei que lhe vam conselhar.
  
15- Sodes de cort'e nom sabedes rem;
ca mester faz a tod'homem que dé,
pois à corte por livrar algo vem;
ca, se dar nom quer, por end'escass'é;
pense de dar, nom se trabalhe d'al;
20e se nom der, nom pod'adubar al,
ca os privados querem que lhes dem.


View annotations <


Cancioneiros:

B 889, V 473

Description:

Cantiga de Sirventês moral

Mestria

Amigos, cuid'eu que Nostro Senhor
nom quer no mundo já mentes parar:
ca o vejo cada dia tornar
de bem em mal e de mal em peior;
5ca vejo bons cada dia decer
e vejo maaos sobr'eles poder;
por en nom hei da mia morte pavor.
  
O mundo tod'[a] avessas vej'ir,
e quantas cousas eno mundo som
10a avessas andam, si Deus mi perdom;
por en nom dev'ant'a mort'a fogir
quem sabe o bem que soía seer
e vêe i o mund'outra guisa correr
e nom se pode, de morte, partir.
  
15Os que morreram mentr'era melhor
ham muit'a Deus que [Lhe a]gradecer,
ca sabem já que nom ham de morrer,
nem er atendem que vejam peior,
como hoj'atendem os que vivos som;
20e por en tenh'eu que faz sem razom
quem deste mundo há mui gram sabor.
  
E por en tenh'eu que é mui melhor
de morrer homem mentre lhi bem for.


View annotations <


Cancioneiros:

B 890, V 474

Description:

Cantiga de Amor

Refrão

Por vós, senhor fremosa, pois vos vi,
me faz viver coitado sempr'Amor;
mais pero, quando ar cuid'em qual senhor
me fez e faz amar, cuido log'i
5       que nom queria nom vos querer bem;
       mais, quand'er cuido no mal que m'en vem
  
por vós, a que pesa de vos amar,
ali mi pesa de vos bem querer;
mais, pois no prez cuid'e no parecer
10que vos Deus deu, log'i hei de cuidar
       que nom queria nom vos querer bem;
       mais, quand'er cuido no mal que m'en vem
  
por vós, senhor, a que Deus por meu mal
me vos tam muito bem conhocer fez.
15Pero sabede, se rem hei de prez
ou doutro bem, por vós é, nom por al,
       que nom queria nom vos querer bem;
       mais, quand'er cuido no mal que m'en vem...


View annotations <


Cancioneiros:

B 891, V 475

Description:

Cantiga de Amor

Mestria

O gram prazer e gram viç'em cuidar,
que sempr'houvi, no bem de mia senhor,
mi a fazem já tam muito desejar
que moir'e nom perço coitas d'amor;
5pero avém que algũa sazom
ard'e mi afog'e moiro porque nom
senç'u me dol, nem sei em que travar.
  
E por esto nom leixei, pois, [d']amar
e servir bem e fazê'lo milhor;
10ca sempr'Amor per bem se quer levar,
e o pequeno e o grande e o maior,
quaes el quer, eno seu poder som;
pois assi é, semelha-mi razom
de a servir e seu bem aguardar.
  
15Ai, Deus! tal bem quen'o podess'haver
de tal sen[h]or qual mim em poder tem!
Pero que tom'em cuidar i prazer,
cuidar me tolh'o dormir e o sem:
ca nom poss'end'o coraçom partir,
20ca mi a faz sempr'ant'os meus olhos ir
cada u vou e, u a vi, veer.
  
Mais tanto sei: se podesse seer
se viss'ela o meu coraçom tam bem
com'el ela, dever-s'-ia doer
25del e de mim, poilo viss'; e por en
am'eu e trob'e punh'ena servir:
que entenda, pois meu cantar oir,
o que nom posso nem lh'ouso a dizer.
  
E nom dev'homem seu cor encobrir
30a quem sabe que o pode guarir:
demais u lh'outro nom pode valer.


View annotations <


Cancioneiros:

B 892, V 476

Description:

Cantiga de Amor

Refrão

Amor, de vós bem me posso loar
de qual senhor mi fazedes amar;
mais d'ũa cousa me devo queixar,
quant'é meu sem:
5       u mesura nem mercee nom fal,
       nem outro bem,
       mesur'a mi nem mercee nom val,
       nem outra rem.
  
Gradesco-vos que mi destes senhor
10fremosa e de todo bem sabedor;
mais, pois mi a destes, pese-vos, Amor,
do que mi avém:
       u mesura nem mercee nom fal,
       nem outro bem,
15       mesur'a mi nem mercee nom val,
       nem outra rem.
  
Am'eu e trob'e sérvi', a mais poder,
aquesta dona, por seu bem haver;
mais quando lh'a coita venho dizer
20em que me tem:
       u mesura nem mercee nom fal,
       nem outro bem,
       mesur'a mi nem mercee nom val,
       nem outra rem.


View annotations <


Cancioneiros:

B 893, V 477

Description:

Cantiga de Amor

Refrão

Pero mi fez e faz Amor
mal e nom hei nem cuid'haver
já per el bem de mia senhor,
hei muito que lhi gradecer:
5       porque mi faz a melhor rem
       daqueste mundo querer bem.
  
E pero m'el nom quis nem quer
dar bem por quanto mal mi deu,
já, enquant'eu viver poder,
10ledo serei de seer seu:
       porque mi faz a melhor rem
       daqueste mundo querer bem.


View annotations <


Cancioneiros:

B 893bis, V 478

Description:

Cantiga de Amor

Refrão

Venho-vos, mia senhor, rogar,
com grand'amor que vos eu hei,
que mi valhades, ca bem sei,
se m'esta coita mais durar,
5       já mia vida pouco será.
  
E que mi queirades valer,
ai coita do meu coraçom!
Bem sei eu, se Deus mi perdom,
se o [nom] parardes em lezer,
10       já mia vida pouco será.


View annotations <


Cancioneiros:

B 894, V 479

Description:

Cantiga de Amor

Mestria

Atanto querria saber,
destes que morrem com amor,
qual coita têm por maior:
d'ir hom'em tal logar viver
5u nunca veja sa senhor,
ou de guarir u a veer
possa e nom lh'ouse falar.
  
E muitos vej'a Deus rogar
que lhe-la mostre ou que lhis dé
10mort'e juram, per bõa fé,
que esta coita nom há par:
non'a veer; ca já quit'é,
u a nom vir, d'em al cuidar,
nem de pagar-se doutra rem.
  
15E direi-vos como lh'avém
a quem dona mui gram bem quer,
se a vir e lhi nom poder
falar: tal é come quem tem
ante si quanto lh'é mester
20e nom lh'ousa falar em rem
e, desejando, morr'assi.
  
E tod'aquest'eu padeci,
ca mui gram coita per levei,
pois me de mia senhor quitei,
25............................[-i]
porque lhi falar nom ousei:
atam coitado foi log'i
que cuidara morrer entom.
  
E destas coitas que sofri
30a maior escolher nom sei;
pero sei ca mui graves som.


View annotations <


Cancioneiros:

A 307, B 895, V 480

Description:

Cantiga de Amor

Refrão

Amor, nom qued'eu amando,
nem quedo d'andar punhando
como podesse fazer
per que vossa graç'houvesse,
5ou a mia senhor prouguesse;
mais, per'o faç'a poder,
       contra mia desaventura
       nom val amar nem servir,
       nem val razom nem mesura,
10       nem val calar nem pedir.
  
Am'e sirvo quanto posso
e praz-me de seer vosso;
e sol que a mia senhor
nom pesasse meu serviço,
15Deus nom me dess'outro viço;
mais, faç'end'eu o melhor,
       contra mia desaventura
       nom val amar nem servir;
       nem val razom nem mesura,
20       nem val calar nem pedir.
  
Que quer que mi a mim gracido
fosse de quant'hei servido,
(que mi a mim nada nom val)
mia coita viço seria,
25ca servind'atenderia
gram bem; mais, est'é meu mal:
       contra mia desaventura
       nom val amar nem servir,
       nem val razom nem mesura,
30       nem val calar nem pedir.
  
Porque sol dizer a gente
do que ama lealmente:
"se s'en nom quer enfadar,
na cima gualardom prende",
35am'eu e sirvo por ende;
mais, vedes ond'hei pesar:
       contra mia desaventura
       nom val amar nem servir,
       nem val razom nem mesura,
40       nem val calar nem pedir.
  
Mais pois me Deus deu ventura
d'em tam bom logar servir,
atender quero mesura
ca me nom há de falir.


View annotations <


Cancioneiros:

B 896, V 481

Description:

Cantiga de Sirventês moral

Descordo

Per quant'eu vejo,
perco-me desejo,
hei coita e pesar;
se and'ou sejo,
5o cor m'est tam tejo,
que me faz cuidar;
ca, pois franqueza
proez'a
venceu escasseza,
10nom sei que pensar.
Vej'avoleza,
maleza,
per sa soteleza
o mundo tornar.
  
15Já de verdade
nem de lealdade
nom ouço falar;
ca falsidade,
mentira e maldade
20nom lhis da[m] logar;
estas som nadas,
criadas,
e aventuradas
e querem reinar.
25As nossas fadas,
iradas,
for[om] i chegadas
por esto fadar.
  
Louvamĩares
30e prazenteares
ham prez e poder;
e nos logares
u nobres falares
soíam dizer,
35vej'a honrados
deitados,
do mund'eixerdados
e vam-se perder;
vej'achegados,
40loados,
de muitos amados
os de maldizer.
  
A crerizia,
per que se soía
45todo bem reger
- paz, cortesia,
solaz, que havia
fremoso poder
(quand'alegria
50vevia
no mund'e fazia
muit'alg'e prazer) -
foi-se sa via,
e dizia:
55- [Ora] cada dia
hei de falecer.
  
Dar, que valia,
compria
seu tempo, fogia,
60por s'ir asconder.


View annotations <


Cancioneiros:

B 897, V 482

Description:

Cantiga de Amor

Mestria

Bem poss'Amor e seu mal endurar,
tant'é o bem que de mia senhor hei,
sol em cuidar no bem que dela sei;
ca sa mesur'e seu mui bom falar
5e seu bom sem e seu bom parecer
tod'é meu bem; mais que mal poss'haver,
mentre a vir e no seu bem cuidar?
  
Gradesc'a Deus que mi deu tal senhor,
tam de bõo prez e que tam muito val,
10e rogo-lhi que nunca deste mal
me garesca, nem m'empare d'Amor;
ante mi dê sempre poder e sem
de a servir, ca est'é o meu bem
e aquest'é meu viço e meu sabor!
  
15Ca seu fremoso catar e riir
e falar bem, sempr'em bõa razom,
assi m'alegra no meu coraçom,
que nom cuid'al senom ena servir
e no seu bem, se mi o Deus dar quiser;
20como farei depois, se o houver,
que o possa manteer e gracir?
  
Ai Deus Senhor! Quando se nembrará
esta dona, que tant'amo, de mim,
que diga eu: "Tam bom dia servi
25senhor que tam bom galardom mi dá!"?
Pois em cuidar tam gram sabor ach'eu,
rem nom daria, se houvess'o seu
bem, por quant'outro bem eno mund'há.
  
E por end'am'e sérvi'e sõo seu,
30desta senhor, e servi-la quer'eu,
ca bom serviç'em bem s'encimará.


View annotations <


Cancioneiros:

B 898, V 483

Description:

Cantiga de Amor

Mestria

Que grave coita que m'é [de] dizer
as graves coitas que sofr'em cantar!
Vejo mia morte, que mi há de matar,
em vós e nom vos ous'en rem dizer.
5Pero dizer-lo cantando e em som?
Que me semelha cousa sem razom
d'homem, com coita de mort[e], cantar!
  
E pois mia coita per tal guisa é
que a nom posso per rem encobrir,
10em atal terra cuido eu de guarir
u bem entendam meu mal, a la fé;
e a tal gente cuid'eu de cantar
e dizer som, u com ela falar,
que bem entenda o meu mal onde é!


View annotations <


Cancioneiros:

B 915, V 502
(C 915)

Description:

Cantiga de Sirventês moral

Mestria

Em muit'andando, cheguei a logar
u lealdade, nem manha, nem sem,
nem crerezia nom vejo preçar,
nem pod'hom'i de senhor gaar rem
5se nom loar quanto lhi vir fazer,
e lousin[h]ar e rem nom lhi dizer
pero lhi veja o sal semear.
  
E quem ali, com'eu cheguei, chegar
se[m] mentir, e nem tever mal por bem,
10quitar-s'-á en, com'eu vi mim quitar,
mais nom com'end'eu vi quitar alguém
(nem quem nem como, nom quero dizer);
e vi alhur quem mentiral seer
nom quer nem pode, nem bom prez leixar.
  
15Mentr'ali foi, tal sonh'houvi a sonhar
muitas vezes; e no sonho, vi quem?
Vi a bubela a cerzeta filhar,
e a[a] bubel'a crista que tem.
E a cerzeta, o que quer dizer?
20Ou com'a pode bubela prender?
Este sonho, quen'o pode soltar?


View annotations <


Cancioneiros:

B 916, V 503

Description:

Cantiga de Escárnio e Maldizer

Mestria

Maestr'Acenço, dereito faria
el-rei de vos dar mui boa soldada,
porque fezestes ũa cavalgada
sem seu mandad', a Roda, noutro dia:
5sem sa ajuda e sem seu dinheiro,
fostes alá matar um cavaleiro,
porque soubestes que o desservia.
  
E se el-rei fosse bem conselhado,
maestr'Acenço, daquestes dinheiros
10que lh'o Demo leva nos cavaleiros,
parti-los-ia vosco, per meu grado;
ca nom foi tal que a Roda entrasse
que cavaleiro da vila matasse
senom vós, que íades desarmado.
  
15E do serviço que lh'havedes feito,
maestr'Acenço, nom vos enfadedes:
tornad'alá [e] bem barataredes,
e matad'outro, quando virdes jeito;
ca, se el-rei sabe vossa demanda
20e houver paz deste execo em que anda,
arcediagom sodes logo feito.
  
E diss'el-rei noutro dia, estando
u lhe falarom em vossa fazenda,
que vos quer dar Ardon em encomenda,
25porque dizem que sodes de seu bando;
mais, se i jouver algum homem fraco,
dos vossos póos levad'um gram saco,
e ir-se-lh'-á o castelo livrando.