Vasco Peres Pardal - All cantigas

View annotations <


Cancioneiros:

B 451, V 58
(C 451)

Description:

Cantiga de Amor

Refrão

Sempr'eu punhei de servir mia senhor
quant'eu mais pud', assi me venha bem;
pero direi-vo-lo que m'end'avém
e o poder em que me tem Amor:
5       nom me quer ela nẽum bem fazer
       e Amor me faz por ela morrer.
  
Ca nom catei por al, des que a vi,
senom por ela, e sempre punhei
de a servir; pero end'al nom hei
10senom aquest'; e avém-m'end'assi:
       nom me quer ela nẽum bem fazer
       e Amor me faz por ela morrer.
  
E sempr'eu cuidei no meu coraçom
de lhi fazer serviç'e me guardar
15de jamais nunca lhi fazer pesar;
pero vem-m'en mal por esta razom:
       nom me quer ela nẽum bem fazer
       e Amor me faz por ela morrer.


View annotations <


Cancioneiros:

B 452, V 59

Description:

Cantiga de Amor

Refrão

Senhor, des quand'em vós cuidei
e no vosso bom parecer,
perdi o sem que eu haver
soía e já perdud'hei,
5       de quant'al havia, sabor:
       assi me forçou voss'amor!
  
[E] cuidando, des que vos vi,
em vós, senhor, perdud'hei já
o sem; mais quando mi valrá
10o vosso bem? Per que perdi,
       de quant'havia, sabor:
       assi me forçou voss'amor!
  
E sab'este meu coraçom,
que por vós muito mal levou
15des que vos vi e el cuidou
em vós, ca perdi des entom,
       de quant'al havia, sabor:
       assi me forçou voss'amor!


View annotations <


Cancioneiros:

B 453, V 60

Description:

Cantiga de Amor

Refrão

Muito bem mi podia Amor fazer,
se el quisess', e nom perder i rem;
mais nom quer el e perç'eu já o sem;
e direi-vo-lo que mi vai fazer:
5       vem log'e faz-m'em mia senhor cuidar,
       e, pois cuid'i muit', ar quer-me matar,
       e mia senhor nom me quer i valer!
  
Faz-mi [gram] mal e nom ous'a dizer,
de muito mal que mi faz, senom bem,
10e, se al digo, faz-m'esto por en,
ou se cuido sol de lh'end'al dizer:
       vem log'e faz-m'em mia senhor cuidar
       e, pois cuid'i muit', ar quer-me matar,
       e mia senhor nom me quer i valer!
  
15E tod'aquesto nom poss'eu sofrer
que já nom moira, ca nom sei eu quem
nom morresse com quanto mal mi vem
d'Amor, que mi faz tanto mal sofrer:
       vem log'e faz-m'em mia senhor cuidar
20       e, pois cuid'i muit', ar quer-me matar
       e mia senhor nom me quer i valer!
  
Mais Amor, que m'or'assi quer matar,
dê-lhi Deus quem lhi faça desejar
algum bem em que nom haja poder.


View annotations <


Cancioneiros:

B 820, V 405
(C 820)

Description:

Cantiga de Amigo

Refrão, Dialogada

- Amigo, que cuidades a fazer
quando vos ora partirdes daqui
e vos nembrar algũa vez de mi?
- Par Deus, senhor, quero-vo-lo dizer:
5       chorar muit[o], e nunca fazer al
       senom cuidar como mi faz Deus mal
  
em me partir de nunca já saber
vosso mandado nẽũa sazom,
nem vos falar, se per ventura nom;
10mais este conforto cuid'a prender:
       chorar muito, e nunca fazer al
       senom cuidar como mi faz Deus mal
  
em me partir de vosso parecer
e d'u soía convosc'a falar,
15ca mi val[v]era mais de me matar;
mais este conselho cuid'i haver:
       chorar muito, e nunca fazer al
       senom cuidar como mi faz Deus mal.


View annotations <


Cancioneiros:

B 821, V 406

Description:

Cantiga de Amigo

Refrão

Coitada sejo no meu coraçom
por[que] meu amigo diz ca se quer
ir daqui; e, se [o] ora fezer,
pesar-mi-á muito, se Deus mi perdom,
5       porque sei bem que as gentes dirám
       que, se morrer, por mi morre de pram.
  
E que me nom pesass'a mi por al,
pesar-m'-ia muito por ũa rem:
porque mi diz ca mi quer mui gram bem;
10mais vedes ora de que m'é gram mal:
       porque sei bem que as gentes dirám
       que, se morrer, por mi morre de pram.
  
Ca pola gram coita que sofr[ere]i
nom dou eu rem, ca, se coita sofrer
15des que s'el for, nom poderei viver;
mais temo já qual pesar haverei,
       porque sei bem que as gentes dirám
       que, se morrer, por mi morre de pram.


View annotations <


Cancioneiros:

B 822, V 407

Description:

Cantiga de Amigo

Refrão, Dialogada

- Por Deus, amiga, provad'um dia
o voss'amigo de vo-lh'assanhar
e veredes home coitad'andar.
- Ai amiga, que mal conselh'ess'é;
5ca sei eu aquesto, per boa fé,
       mui bem: que log'el morto seria.
  
- Amiga, bem vos conselharia
dizerdes que nom dades por el rem
e [o] veredes coita[do] por en.
10- Nom mi o digades, se Deus vos perdom;
ca sei eu já pelo seu coraçom
       mui bem: que log'el morto seria.
  
- Amiga, nunca lhi mal verria
de lhi dizerdes atanto por mi:
15que nom dades por el rem des aqui.
- Par Deus, amiga, nom vos creerei,
nem vós nunca mi o digades, ca sei
       mui bem que log'el morto seria.


View annotations <


Cancioneiros:

B 823, V 408

Description:

Cantiga de Amigo

Refrão

Amigo, vós ides dizer
que vos nom quero eu fazer bem,
pero sei-m'eu dest'ũa rem:
que dizedes vosso prazer;
5       ca bem é de vos sofrer eu
       de dizerdes ca sodes meu.
  
Mais nom se sabe conhocer
algum home a que bem Deus dá,
nem tem por bem esto que há;
10mais eu vos farei entender
       ca bem é de vos sofrer eu
       de dizerdes ca sodes meu.
  
Mais, des que vos eu entender
que nom venhades u eu for,
15nem me tenhades por senhor,
des i poderedes saber
       ca bem é de vos sofrer eu
       de dizerdes ca sodes meu.


View annotations <


Cancioneiros:

B 824, V 409

Description:

Cantiga de Amigo

Refrão

Amiga, bem cuid'eu do meu amigo
que é morto, ca muit'há gram sazom
que anda triste o meu coraçom;
e direi-vo-lo mais por que o digo:
5       porque há gram sazom que nom oí
       nẽum cantar que fezesse por mi,
       nem que nom houvi seu mandado migo.
  
E sei eu del mui bem que é coitado,
se hoj'el viv[e] em poder d'Amor;
10mais por meu mal me filhou por senhor
e por aquest'hei eu maior cuidado:
       porque há gram sazom que nom oí
       nẽum cantar que fezesse por mi,
       nem que nom houvi seu mandado migo.
  
15E cuid'eu bem del que se nom partisse
de trobar por mi sem mort'ou sem al;
mais por esto sei eu que nom est al,
pero que mi o nẽum home [já] disse:
       porque há gram sazom que nom oí
20       nẽum cantar que fezesse por mi
       nem que nom houvi seu mandado migo.


View annotations <


Cancioneiros:

B 1505
(C 1505)

Description:

Cantiga de Escárnio e maldizer

Mestria

Vedes agora que mala ventura
de Dom Fernando, que nom pod'haver
físico que lh'ora possa tolher
aqueste mal que há de caentura;
5pero dizem os físicos atal:
que o guarria mui bem deste mal
quem lh'o corpo metess[e] a ventura.
  
E deste mal sempr[e] é mui coitado,
e nom guarrá já del, se nom houver
10home que lhi dê quanto lh'é mester;
mais aquesto tem el mui desguisado:
ca, pero muitos físicos há 'qui,
se lh'o corpo nom aventuram i,
nom guarrá já, ca jaz desacordado.
  
15E pesa-m'ende, par Santa Maria,
deste seu mal, ca mi dizem que nom
pode guarir, se maestre Simiom
o nom guarisse; mais vos en diria:
já lhi nom pode nulha rem prestar,
20se lh'o maestre nom aventurar
o corpo, ca x'há mui gram maloutia.


View annotations <


Cancioneiros:

B 1506

Description:

Cantiga de Escárnio e maldizer

Mestria

De qual engano prendemos
aqui, nom sab'el-rei parte:
como leva quant'havemos
de nós Balteira per arte;
5ca x'é mui mal engan[ad]o,
se lh'alguém nom dá conselho,
o que tem cono mercado,
se lhi por el dam folhelho.
  
Balteira, como vos digo,
10nos engana tod'est'ano
e nom há mesura sigo;
mais, par fé, sem mal engano,
nom terria por guisada
cousa - se el-rei quisesse -
15de molher cono nem nada
vender, se o nom houvesse.
  
E somos mal enganados
todos desta merchandia
e nunca imos vingados;
20mais mande Santa Maria
que prenda i mal joguete
o d'Ambrõa, que a fode,
e ela, porque pormete
cono, poilo dar nom pode.


View annotations <


Cancioneiros:

B 1507

Description:

Cantiga de Escárnio e maldizer

Mestria

Dom Ansur, per qual serviço fazedes
a 'l-rei, per com'eu ouço razoar,
nunca foi home de vosso logar
que mais poiasse ca vós poiaredes;
5ca, pois el-rei o dereito catar,
sei que vós nom pode[re]des errar
que a muit'alto logar nom poiedes.
  
Quiçai depois vós ar baixar-vos-edes,
ca vimos melhores ca vós baixar;
10mais ũa vez quer-vos el-rei alçar
em gram talho, poilo servid'havedes;
mais quant'houverdes punhad'eno dar,
e se desto nom quiserdes minguar
- pois vos alçarem, alçado seredes.
  
15E, Dom Ansur, pola fé que devedes,
pois vos el-rei assi quer encimar,
como dizem, se per vós nom ficar,
per vós nom fiqu', e assi poiaredes
a mui gram talh', u havedes d'estar;
20e se vós ali unha[r]des poiar,
nunca depois mal andante seredes.


View annotations <


Cancioneiros:

B 1508

Description:

Cantiga de Escárnio e maldizer

Mestria

Senhor, Dom Ansur se vos querelou
por couces muitos que lhi for[om] dar;
mais, por Deus, mandad'ora justiçar
por en daquel que os couces levou:
5ca o foi ferir um home mui vil,
mais, por um couce, dem or'aqui mil
a Dom Ansur, pois gram torto tomou.
  
E, senhor, nunca Dom Ansur cuidou,
seendo vós na terra e no logar,
10que lh'os couces nom mandassem dobrar
os alcaides; mais, pois que vos achou,
por Deus, mandad'agora vós por en
por um couce que mil couces lhi dem,
pois Dom Ansur per justiça i minguou.
  
15E Airas Veaz non'o seelou,
mais agora já qué-lo seelar;
e vós mandade-lh'os mil couces dar,
ca bem os aqui el os outros dou;
e pois s'el veo querelar assi,
20taes mil couces lev'ora daqui
que diga pois: - Com meu dereito vou.


View annotations <


Cancioneiros:

B 1509
(C 1508)

Description:

Tenção

Mestria

- Pedr'Amigo, quero de vós saber
ũa cousa que vos ora direi;
e venho-vos preguntar, porque sei
que saberedes recado dizer:
5de Balteira, que vej'aqui andar,
e vejo-lhi muitos escomungar,
dizede: quem lhi deu end'o poder?
  
- Vaasco Pérez, quant'eu aprender
púdi desto, bem vo-lo contarei:
10este poder ante tempo d'el-rei
Dom Fernando já lhi virom haver;
mais nom havia poder de soltar;
mais foi pois um patriarca buscar,
fi'd'Escalhola, que lhi fez fazer.
  
15- Pedr'Amigo, sei-m'eu esto mui bem:
que Balteira nunca home soltou;
e vi-lh'eu muitos que escomungou,
que lhe peitarom grand'algo por en,
que os soltass', e direi-vos eu al:
20fi'd'Escalhola nom há poder tal
per que solt', ergo seus presos que tem.
  
- Vaasco Pérez, bem de Meca vem
este poder; e poilo outorgou
o patriarca, des i mal levou
25sobre si quanto se fez em Jaen
e em Eixarês, u se fez muito mal;
e por en met'em escomunhom qual
xi quer meter e qual quer saca en.
  
- Pedr'Amigo, esto vos nom creo eu:
30que o poder que Deus em Roma deu,
que o Balteira tal de Meca tem.
  
- Vaasco Pérez, há x'em Meca seu
poder, e o que Deus em Roma deu
diz Balteira que todo nom é rem.