Mem Rodrigues Tenoiro - All cantigas

View annotations <


Cancioneiros:

B 397, V 7
(C 397)

Description:

Cantiga de Amor

Refrão

Quant'há, senhor, que m'eu quitei
de vós, tant'há que d'al prazer
nom vi; mais pois de vos veer
[me] guisou [ora Deus], já verei
5       prazer, por quanto pesar vi,
       des quando m'eu de vós parti,
  
mui trist'; e sempre trist'andei,
com'homem que com gram pesar
vive; mais pois m'El foi guisar
10[ora] de vos veer, já verei
       prazer, por quanto pesar vi,
       des quando m'eu de vós parti,
  
a meu pesar; quanto morei
sem vós foi e daquestes meus
15olhos; mais pois que m'ora Deus
guisou [de vos veer], já verei
       prazer, por quanto pesar vi,
       des quando m'eu de vós parti.


View annotations <


Cancioneiros:

B 398, V 8

Description:

Cantiga de Amor

Refrão

Senhor fremosa, pois m'aqui,
u vos vejo, tanto mal vem,
dizede-m'ora ũa rem,
por Deus: e que será de mi,
5       quando m'eu ora, mia senhor
       fremosa, d'u vós sodes, for?
  
E pois m'ora tal coita dá
o voss'amor, u vos veer
posso, querria já saber
10eu de vós: de mi que será,
       quando m'eu ora, mia senhor
       fremosa, d'u vos sodes, for?
  


View annotations <


Cancioneiros:

B 399, V 9

Description:

Cantiga de Amor

Refrão

Se eu podess'ir u mia senhor é,
bem vos juro que querria ir [i],
mais nom posso, nem xi me guisa assi.
E por aquest', ora, per bõa fé,
5       tal coita hei que nom poderia viver,
       se nom foss'o sabor que hei de a veer.
  
Esto me fez viver dê'la sazom
que m'eu quitei d'u era mia senhor;
mais ora hei d'ir i mui gram sabor,
10e nom poss'; e [e']no meu coraçom
       tal coita hei que nom poderia viver,
       se nom foss'o sabor que hei de a veer.
  
E se esto nom fosse, nom sei rem
que [me] podesse de morte guarir,
15u a nom vejo; mais cuid'eu a ir
u ela est e nom poss', e por en
       tal coita hei que nom poderia viver,
       se nom foss'o sabor que hei de a veer.


View annotations <


Cancioneiros:

B 400, V 10

Description:

Cantiga de Amor

Refrão

Quer'eu agora já meu coraçom
esforçar bem e nom morrer assi;
e quer'ir ora, si Deus mi perdom,
u é mia senhor; e pois eu for i,
5querrei-me de mui gram medo quitar,
que hei dela e, mentr'ela catar
       alhur, catar eu ela log'entom.
  
Ca, per bõa fé, há mui gram sazom
que hei eu [gram] medo de mia senhor
10mui fremosa; mais agora já nom
haverei medo, pois ant'ela for;
ante me querrei mui bem esforçar
e perder med' e, mentr'ela catar
       alhur, catar eu ela log'entom.
  
15A mui mais fremosa de quantas som
hoje no mund', aquesto sei eu bem,
quer'ir veer; e acho já razom
como a veja sem med', e com sem
irei vee-la e querrei falar
20com outra d'i, e, mentr'ela catar
       alhur, catar eu ela log'entom.


View annotations <


Cancioneiros:

A 226, B 401, V 11

Description:

Cantiga de Amor

Refrão

Senhor fremosa, creede per mi
que vos amo já mui de coraçom,
e gram dereito faç'e gram razom,
senhor, ca nunca outra dona vi
5       tam mansa, nem tam aposto catar,
       nem tam fremosa, nem tam bem falar
  
come vós, senhor; e pois assi é,
mui gram dereito faç'em vos querer
mui gram bem; ca nunca pud'i veer
10outra dona, senhor, per bõa fé,
       tam mansa, nem tam aposto catar,
       nem tam fremosa, nem tam bem falar,
  
come vós, por que cedo morrerei,
[mais] pero direi-vos ant'ũa rem:
15dereito faç'em vos querer gram bem,
ca nunca dona vi nem veerei
       tam mansa, nem tam aposto catar,
       nem tam fremosa, nem tam bem falar!


View annotations <


Cancioneiros:

A 227, B 402, V 12

Description:

Cantiga de Amor

Refrão

Quando m'eu mui triste de mia senhor
mui fremosa, sem meu grado, quitei
e s'ela foi, e, mesquinh'!, eu fiquei,
nunca me valh'a mim Nostro Senhor,
5       se eu cuidasse que tanto vivera
       sen'a veer, se ante nom morrera
  
ali, u eu dela quitei os meus
olhos e me dela triste parti,
se cuidasse viver quanto vivi
10sen'a veer, nunca me valha Deus,
       se eu cuidasse que tanto vivera
       sen'a veer, se ante nom morrera
  
ali, u m'eu dela quitei, mais nom
cuidei que tanto podesse viver,
15como vivi, sen'a poder veer!
Ca Nostro Senhor nunca me perdom,
       se eu cuidasse que tanto vivera
       sen'a veer, se ante nom morrera!


View annotations <


Cancioneiros:

B 403bis, V 14bis

Description:

Tenção

Mestria

- Juïão, quero contigo fazer,
se tu quiseres, ũa entençom:
e querrei-te, na primeira razom,
ũa punhada mui grande poer
5eno rostro, e chamar-te rapaz
mui mao; e creo que assi faz
boa entençom quen'a quer fazer.
  
- Meem Rodriguiz, mui sem meu prazer
a farei vosc', assi Deus me perdom:
10ca vos haverei de chamar cochom,
pois que eu a punhada receber;
des i trobar-vos-ei mui mal assaz,
e atal entençom, se a vós praz,
a farei vosco mui sem meu prazer.
  
15- Juïão, pois [con]tigo começar
fui, direi-t'ora o que te farei:
ũa punhada grande te darei,
des i querrei-te muitos couces dar
na garganta, por te ferir peor,
20que nunca vilão haja sabor
doutra tençom comego começar.
  
- Meem Rodriguiz, querrei-m'emparar,
se Deus me valha, como vos direi:
coteife nojoso vos chamarei,
25pois que eu a punhada recadar;
des i direi, pois sô os couces for:
"Le[i]xade-m'ora, por Nostro Senhor",
ca assi se sol meu padr'a emparar.
  
- Juïão, pois que t'eu [ora] filhar
30pelos cabelos e que t'arrastrar,
ah que dez couces te presentarei!
  
- Meem Rodriguiz, se m'eu trosquiar,
ou se me fano, ou se m'encostar,
ai, trobador, já vos nom tornarei!


View annotations <


Cancioneiros:

B 716, V 317
(C 716)

Description:

Cantiga de Amigo

Refrão

Pois que vos eu quero mui gram bem,
amig', e quero por vós fazer
quanto me vós rogades, dizer
vos quer'eu e rogar ũa rem:
5       que nunca vós, amig', hajades
       amig'a que o digades,
       nem eu nom quer'haver amiga,
       meu amig', a que o diga.
  
Quanto me vós quiserdes mandar
10que por vós faça, bem sabede
que o farei, e vós fazede
por mi o que vos quero rogar:
       que nunca vós, amig', hajades
       amig'a que o digades,
15       nem eu nom quer'haver amiga,
       meu amig', a que o diga.
  
Pois vos eu faço tam grand'amor
que nom quero ao meu catar,
quero-vos ante muito rogar,
20meu amigo, por Nostro Senhor,
       que nunca vós, amig', hajades
       amig'a que o digades,
       nem eu nom quer'haver amiga,
       meu amig', a que o diga.


View annotations <


Cancioneiros:

B 717, V 318

Description:

Cantiga de Amigo

Refrão, Dialogada

- Amigo, pois mi dizedes
ca mi queredes mui gram bem,
quand'ora vos fordes daquém,
dizede-mi, que faredes?
5       - Senhor fremosa, eu vo-lo direi:
       tornar-m'-ei ced'ou morrerei.
  
- Se Nostro Senhor vos perdom,
pois aqui sodes coitado,
quando fordes alongado,
10por Deus, que fare[des] entom?
       - Senhor fremosa. eu vo-lo direi:
       tornar-m'-ei ced'ou morrerei.


View annotations <


Cancioneiros:

B 403, B 718, V 13, V 319

Description:

Cantiga de Amigo

Refrão

Ir-vos queredes, amigo, daquém
e dizedes-mi vós que vos guis'eu
que faledes ante comig', e, meu
amigo, dizede ora ũa rem:
5       como farei eu [a]tam gram prazer
       a quem mi tam gram pesar quer fazer?
  
Rogades-me vós mui de coraçom
que fale vosc'e al nom haja i,
e queredes-vos, amig', ir daqui,
10mais dized'ora, se Deus vos perdom:
       como farei eu [a]tam gram prazer
       a quem mi tam gram pesar quer fazer?
  
Queredes que vos fale, se poder,
e dizedes que vos queredes ir,
15ma[i]s, se Deus vos leixe cedo viir,
dized', amigo, se o eu fezer,
       como farei eu [a]tam gram prazer
       a quem mi tam gram pesar quer fazer?


View annotations <


Cancioneiros:

B 719, V 320

Description:

Cantiga de Amigo

Refrão

Quiso-m'hoj'um cavaleiro dizer,
amigas, ca me queria gram bem,
e defendi-lho eu, e ũa rem
sei, per quant'eu i del pud'aprender:
5       tornou mui trist', e eu bem lh'entendi
       que lhi pesou porque lho defendi.
  
Quis-m'el dizer, assi Deus mi perdom,
o bem que mi quer, a mui gram pavor,
e quiso-me logo chamar senhor,
10e defendi-lho eu, e el entom
       tornou mui trist', e eu bem lh'entendi
       que Ihi pesou porque lho defendi.
  
Falava mig'e quiso-me falar
no mui gram bem que m'el diz ca mi quer,
15e dixi-lh'eu que nom lh'era mester
de falar i, e el com gram pesar
       tornou mui trist', e eu bem lh'entendi
       que lhi pesou porque lho defendi.
  
E tenho que desmesura fiz i,
20porque lh'end'algũa rem nom tornei i.


View annotations <


Cancioneiros:

B 1472, V 1083

Description:

Cantiga de Escárnio e maldizer

Mestria

Dom Estêvam achei noutro dia
mui sanhudo depós um seu hom'ir;
e sol nom lhi pôd'um passo fogir
aquel seu home depós que el ia;
5e filhou-o i pelo cabeçom
e feriu-o mui mal d'um gram bastom
que na outra mão destra tragia.
  
E Dom Estêvam assi dizia
a nós, que lho nom leixámos ferir
10mais: - Quero-vos eu ora descobrir
com'este vilão migo vivia:
mais era eu seu ca era el meu,
e muit'andava mais em pós el eu
ca el pós mi, pero xi m'el queria.
  
15E o vilão entom respondia
com'agora pode[re]des oír:
- Mui gram mal fazedes em consentir
a est'hom'o torto que mi fazia;
ca, dê'lo dia em que o eu sei,
20sempr'a gram coita deante lh'andei,
e el sempre deante me metia.
  
E veed'ora, por Santa Maria,
se hei poder de com el mais guarir,
ca me nom poss'um dia del partir
25de mi dar golpe, de que morreria,
d'um gram pao que achou nom sei u;
e, pois s'assanha, nom cata per u
feira com el, sol que lh'home desvia.


View annotations <


Cancioneiros:

B 1473, V 1084
(C 1473)

Description:

Cantiga de Escárnio e maldizer

Mestria

Dom Estêvam, eu eiri comi
em cas del-rei, nunca vistes melhor,
e contarei-vo-l'o jantar aqui,
ca x'há home de falar i sabor:
5nom virom nunca já outro tal pam
os vossos olhos, nem ar veerám
outro tal vinho aqual eu i bevi.
  
Nem vistes nunca, se Deus mi perdom,
melhor jantar, e contar-vo-lo-ei:
10há dez anos que nom vistes capom
qual eu i houve, nem vistes, bem sei,
melhor cabrito, nem vistes atal
lombo de vinh'e d'alhos e de sal,
qual mi a mi deu i um de criaçom.
  
15Nem vistes nunca nulh'home comer
com'eu comi, nem vistes tal jantar,
nem vistes mais viços'home seer
do que eu sevi, em nẽum logar,
ca a mim nom minguava nulha rem;
20e mais viços'home de comer bem
nom vistes nem havedes de veer.