Pero de Armea - Todas as cantigas

Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 1077, V 669

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Dê'lo dia 'm que m'eu quitei
d'u mia senhor é morador,
nunca de mim houve sabor,
per boa fé, nem haverei,
5       se nom vir ela, doutra rem.
  
Ca me quitei a meu pesar
d'u ela é; pois m'en quitei,
nunca me depois [eu] paguei
de mim, nem me cuid'a pagar,
10       se nom vir ela, doutra rem.
  
Pero que [nẽum] bem nom hei,
verdade vos quero dizer:
nunca eu depois vi prazer,
nem jamais non'o veerei,
15       se nom vir ela, doutra rem.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 1078, V 670

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Ora vos podess'eu dizer
a coita do meu coraçom
e nom chorass'i log'entom!
Pero nom hei end'o poder,
5       se vos eu mia coita contar,
       que pois nom haja de chorar.
  
Hei eu mui gram coit'a endurar,
pero, se vos dizer quiser
mia coita e vo-la disser,
10nom hei poder de m'eu guardar,
       se vos eu mia coita contar,
       que pois nom haja de chorar.
  
Mui gram coita vos contarei
d'amor que sofr[o] e sofri,
15des quand'eu mia senhor nom vi;
e pero nom me guardarei,
       se vos eu mia coita contar,
       que pois nom haja de chorar.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 1079, V 671

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Mia senhor, por Nostro Senhor,
por que vos eu venho rogar,
quero-vos agora rogar,
mia senhor, por Nostro Senhor
5       que vos nom pês de vos amar,
       ca nom sei al tam muit'amar.
  
Senhor, e nom vos rogarei
por al, ca hei de vos pesar
pavor, e se vos nom pesar,
10oíde-m'e rogar-vos-ei
       que vos nom pês de vos amar,
       ca nom sei al tam muit'amar.
  
E nom vos ous'eu mais dizer,
senhor e lume destes meus
15olhos, ai lume destes meus
olhos!, e venho-vos dizer
       que vos nom pês de vos amar,
       ca nom sei al tam muit'amar.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 1080, V 672

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Cuidades vós que mi faz a mi Deus
por outra rem tam muito desejar
aquesta dona, que me faz amar,
senom por mal de mi e destes meus
5       olhos e por me fazer entender
       qual é a mui gram coita de sofrer?
  
E nom mi os fui os seus olhos mostrar
Deus, nem mi a fez[o] filhar por senhor
senom porque houv[e] El gram sabor
10[de] que sofr'eu, com estes meus, pesar,
       olhos e por me fazer entender
       qual é a mui gram coita de sofrer.
  
E vi eu os seus olhos por meu mal
e o seu mui fremoso parecer
15e por meu mal mi a fezo Deus veer
entom daquestes meus, ca nom por al,
       olhos e por me fazer entender
       qual é a mui gram coita de sofrer.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 1081, V 673

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

A maior coita que Deus quis fazer,
senhor fremosa, a mim a guisou
aquel dia que me de vós quitou;
mais Deus, senhor, nom mi faça lezer,
5       se eu já mui gram coita tenh'em rem,
       pois que vos vejo, meu lum'e meu bem.
  
Da coita que hôuvi no coraçom
o dia, senhor, que m'eu fui daqui,
maravilho-m'eu como nom morri
10com gram coita; mais Deus nom mi perdom,
       se eu já mui gram coita tenh'em rem,
       pois que vos vejo, meu lum'e meu bem.
  
Houv'en tal coita qual vos eu direi:
o dia que m'eu fui de vós partir
15que, se cuidei desse dia sair,
Deus mi tolha este corp'e quant'hei,
       se eu já mui gram coita tenh'em rem,
       pois que vos vejo, meu lum'e meu bem.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 1082, V 674

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Com gram coita sol nom posso dormir,
nem vejo rem de que haja sabor,
e das coitas do mund'e a maior
sofro de pram e nom posso guarir,
5       vedes porquê: porque nom vej'aqui
       a mia senhor, que eu por meu mal vi.
  
Querendo-lhi bem, sofri muito mal
e muit'afã des que foi mia senhor
e muitas coitas polo seu amor
10e ora viv'em gram coita mortal;
       vedes porquê: porque nom vej'aqui
       a mia senhor, que eu por meu mal vi.
  
Quando m'eu dela parti, log'entom
houvi tal coita que perdi meu sem
15bem três dias que nom conhoci rem;
e ora moir'e faço gram razom;
       vedes porquê: porque nom vej'aqui
       a mia senhor, que eu por meu mal vi.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 1083, V 675

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Senhor fremosa, des aquel dia
que vos eu vi primeiro, des entom
nunca dormi, com'ante dormia,
nem ar fui led'e vedes por que nom:
5       cuidand'em vós e nom em outra rem
       e desejando sempr'o vosso bem.
  
E sabe Deus e Santa Maria
ca nom am'eu tant'al no coraçom
quant'amo vós, nem ar poderia;
10e se morrer por en, farei razom,
       cuidand'em vós e nom em outra rem
       e desejando sempr'o vosso bem.
  
E ant'eu já [mia] morte querria
ca viver com'eu viv', há gram sazom;
15e mia morte melhor mi seria
ca viver mais, assi Deus mi perdom,
       cuidand'em vós e nom em outra rem
       e desejando sempr'o vosso bem.
  
Ca vós sodes mia coita e meu bem
20e por vós hei quanta coita mi vem.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 1084, V 676

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

A vós fez Deus, fremosa mia senhor,
o maior bem que vos pôd'El fazer:
fez-vos mansa e melhor parecer
das outras donas e fez-vos melhor
5       dona do mund[o] e de melhor sem:
       vedes, senhor, se al disser alguém,
       com verdade nom vos pod'al dizer.
  
Feze-vos Deus e deu-vo'lo maior
poder de bem e fez-vos mais valer
10das outras donas e fez-vos vencer
tôdalas donas e fez-vos melhor
       dona do mund[o] e de melhor sem:
       vedes, senhor, se al disser alguém,
       com verdade nom vos pod'al dizer.
  
15E porque é Deus o mais sabedor
do mundo, fez-me-vos tal bem querer
qual vos eu quer'e fez a vós nacer
mais fremosa e fez-vos [a] melhor
       dona do mund[o] e de melhor sem:
20       vedes, senhor, se al disser alguém,
       com verdade nom vos pod'al dizer.
  
E o que al disser, por dizer mal
de vós, senhor, do que disser nem d'al,
cofonda Deus quem lho nunca creer!
  
25E quer'end'eu todos desenganar:
o que m'esto, senhor, nom outorgar
nom sabe nada de bem conhocer.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 1085, V 677

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Muitos me vêm preguntar,
senhor, que lhis diga eu quem
est a dona que quero bem;
e com pavor de vos pesar
5       nom lhis ouso dizer per rem,
       senhor, que vos eu quero bem.
  
Pero punham de m'apartar,
se poderám de mi saber
por qual dona quer'eu morrer;
10e eu, por vos nom assanhar,
       nom lhis ouso dizer per rem,
       senhor, que vos eu quero bem.
  
E porque me veem chorar
d'amor, querem saber de mi
15por qual dona moir'eu assi;
e eu, senhor, por vos negar,
       nom lhis ouso dizer por mi
       per rem que por vós moir'assi.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 1086, V 678

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Senhor, vej'eu que havedes sabor
de mia morte veer e de meu mal;
pois contra vós nulha rem nom mi val,
rogar-vos quero, por Nostro Senhor,
5       que vos nom pês o que vos rogarei;
       e depois, se vos prouguer, morrerei.
  
E bem entend'eu no meu coraçom
que desejades mia mort'a veer;
pois m'outro bem nom queredes fazer,
10rogar-vos quero por ũa razom:
       que vos nom pês o que vos rogarei;
       e depois, se vos prouguer, morrerei.
  
Mui bem sei eu que havedes pesar,
porque sabedes que vos quer'eu bem,
15e que vos praz de quanto mal mi vem
por vós; [por en] quero-vos eu rogar
       que vos nom pês o que vos rogarei;
       e depois, se vos prouguer, morrerei.
  
E se vos prouguer o que vos direi
20e pois morrer, jamais nom morrerei.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 1087/88, V 679

Descrição:

Cantiga de Amor

Refrão

Senhor fremosa, nom pod'hom'osmar
quam muito bem vos quiso Deus fazer
e quam fremosa vos fezo nacer,
quam bem vos fez parecer e falar;
5se Deus mi valha, nom poss'eu achar
       quem vosso bem todo possa dizer.
  
Pero punho sempre de preguntar
por en, nunca me podem entender
o mui gram bem que vos eu sei querer,
10nen'o sabor d'oir em vós falar,
per bõa fé; pero nom poss'achar
       quem vosso bem todo possa dizer.
  
Se per ventura vej'eu apartar
os que eu sei que vos podem veer,
15o que dizem moiro por aprender,
ca moiro por oir de vós falar;
e com tod'esto nom poss'eu achar
       quem vosso bem todo possa dizer.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 1089, V 680

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Meus amigos, quero-vos eu dizer,
se vós quiserdes, qual coita mi vem:
vem-mi tal coita que perço meu sem
por quanto vos ora quero dizer:
5por ũa dona, que por meu mal vi,
mui fremosa, e de que me parti
mui[to] d'anvidos e sem meu prazer.
  
Perço meu sem, que sol nom hei poder
em mi, de pram, desejando seu bem;
10e de mais, se mi quer falar alguém,
de lhi falar nom hei em mim poder;
porque me nembra quanto a servi
e quam viçoso [fui], mentr'i guari,
e que gram viç'a mi fez Deus perder.
  
15Moir'eu e praz-mi muito de morrer,
ca vivo coitado mais doutra rem;
e, pero moiro, nom vos direi quem
est a dona que m'assi faz morrer
e a que eu quero melhor ca mi
20e a que eu por meu mal conhoci,
u mi a Deus fez primeiro veer.
  
E, meus amigos, pois eu moir'assi
pola melhor dona de quantas vi,
nom tem'eu rem mia morte, nem morrer.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 1090, V 681

Descrição:

Cantiga de Amor

Mestria

Em grave dia me fez Deus nacer,
aquel[e] dia e[m] que eu naci;
e grave dia me fezo veer
a mia senhor, u a primeiro vi;
5e grave dia vi os olhos seus;
e grave dia me fez entom Deus
veer, quam bem parece, parecer.
  
E grave dia mi fez entender
Deus quam muito bem eu del'entendi;
10e grave dia mi fez conhocer,
aquel dia [em] que a conhoci:
e grave dia mi a fez entom, meus
amigos, grave dia mi a fez Deus
tam gram bem, como lh'eu quero, querer.
  
15E grave dia per mi lhi falei,
aquel dia [e]m que lh'eu fui falar;
e grave dia per mi a catei
dos meus olhos, quando a fui catar;
e grave dia foi por mi entom
20quando a vi, grave dia, ca non-
ca eu dona tam fremosa veerei.
  
E grave dia per mi comecei
com mia senhor, quand'eu fui começar
com ela; grave dia desejei
25quam muito bem m'ela fez desejar;
grave dia, foi-mi, dê'la sazom
que a eu vi, grave dia - pois nom
morri por ela, nunca morrerei.
  
E porque m'eu dela [entom] quitei,
30esmoresco mil vezes e nom sei,
per bõa fé, nulha parte de mi.
  
E nom mi ponham culpa des aqui
de seer sandeu, ca ensandeci
pola mais fremosa dona que sei.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 1204, V 809

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Sej'eu fremosa com mui gram pesar
e mui coitada no meu coraçom
e choro muit'e faço gram razom,
par Deus, mia madre, de muito chorar
5       por meu amig'e meu lum'e meu bem,
       que se foi daqui, ai madr', e nom vem.
  
E bem sei [eu] de pram que por meu mal
me fez[o] Deus tam fremosa nacer,
pois m'ora faz, como moiro, morrer,
10ca moiro, madre, se Deus mi nom val,
       por meu amig'e meu lum'e meu bem,
       que se foi daqui, ai madr', e nom vem.
  
E fez-mi Deus nacer, per bõa fé,
polo meu mal; [e] er fez-me log'i
15mais fremosa de quantas donas vi,
e moiro, madre, vedes por que é:
       por meu amig'e meu lum'e meu bem,
       que se foi daqui, ai madr', e nom vem.
  
E, pois Deus quer que eu moira por en,
20sábiam que moiro querendo-lhi bem.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 1205, V 810

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Amiga, grand'engan'houv'a prender
do que mi fez creer mui gram sazom
que mi queria bem de coraçom,
tam grande que nom podia guarir;
5       e tod'aquest'era por encobrir
       outra que queria gram bem entom.
  
E dizia que perdia o sem
por mi, demais chamava-me senhor
e dizia que morria d'amor
10por mi, e que nom podia guarir;
       e tod'aquest'era por encobrir
       outra que queria gram bem entom.
  
E, quand'el migo queria falar,
chorava muito e jurava log'i
15que nom sabia conselho de si
por mi, e que nom podia guarir;
       e tod'aquest'era por encobrir
       outra que queria gram bem entom.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 1206, V 811

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão

Mias amigas, quero-m'eu des aqui
querer a meu amigo mui gram bem,
ca o dia [em] que s'el foi daquém
viu-me chorar e, com doo de mi,
5       u chorava, começou-m'a catar,
       viu-me chorar e filhou-s'a chorar.
  
E per bõa fé, sempre lh'eu querrei
o maior bem, de pram, que eu poder,
ca fez el por mi o que vos disser,
10mias amigas, que vos nom mentirei:
       u chorava, começou-m'a catar,
       viu-me chorar e filhou-s'a chorar.
  
Houv'el gram coita no seu coraçom,
mias amigas, u se de mim partiu,
15viu-me chorar e, depois que me viu
chorar, direi-vo-lo que fez entom:
       u chorava, começou-m'a catar,
       viu-me chorar e filhou-s'a chorar.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 1207, V 812

Descrição:

Cantiga de Amigo

Refrão, Dialogada

- Amigo, mando-vos migo falar
cada que vós end'houverdes sabor.
- Nostro Senhor, fremosa mia senhor,
vos dê grado, que vo-lo pode dar,
5       de tod'este bem que mi dizedes
       e de quant'outro bem mi fazedes.
  
- Pois vós sodes por mi tam coitado,
quando quiserdes, falade migo.
- Ai mia senhor, vedes que vos digo:
10Nostro Senhor vos dê [mui] bom grado
       de tod'este bem que mi dizedes
       e de quant'outro bem mi fazedes.
  
- Porque sei [eu] que mi queredes bem,
falade migo, ca bem é e prez.
15- Nostro Senhor, que vos [fremosa] fez,
vos dê sempre mui bom grado por en
       de tod'este bem que mi dizedes
       e de quant'outro bem mi fazedes.


Ver com anotações <


Cancioneiros:

B 1602, V 1134
(C 1602)

Descrição:

Cantiga de Escárnio e maldizer

Mestria

Donzela, quem quer entenderia
que vós mui fremosa parescedes;
se assi é, como vós dizedes,
no mundo vosso par nom havia;
5aun que i vosso par nom houvesse,
quem a meu cu concela posesse,
de parescer bem vencer-vos-ia.
  
Vós andades dizend'em concelho
que sobre todas parescedes bem;
10e com tod'esto, nom vos vej'eu rem,
pero poedes branc'e vermelho;
mais sol que s'o meu cu de si pague
e poser um pouco d'alvaiade,
reveer-s'-á convosco no espelho.
  
15Donzela, vós sodes bem talhada,
se no talho erro nom prendedes
ou em essa saia que vós tragedes;
e pero sodes bem colorada,
quem ao meu cu posesse orelhas
20e lhi bem fingesse as sobrancelhas,
de parescer nom vos devera nada.