Search in glossary
  (line 4)

João Garcia


A meu amigo, que eu sempr'amei,      ←
des que o vi, mui mais ca mim nem al,      ←
foi outra dona veer por meu mal;      ←
 mais eu, sandia, quando m'acordei,      ←
5       nom soub'eu al em que me del vengar      ←
       senom chorei quanto m'eu quis chorar.      ←
  
 Mailo amei ca mim nem outra rem,      ←
des que o vi, e foi-m'ora fazer      ←
tam gram pesar que houver'a morrer;      ←
10mais eu, sandia, que lhe fiz por en?      ←
       Nom soub'eu al em que me del vengar      ←
       se nom chorei quanto m'eu quis chorar.      ←
  
Sab'ora Deus que no meu coraçom      ←
nunca rem tiv[i] ẽno seu logar,      ←
15e foi-mi ora fazer tam gram pesar;      ←
mais eu, sandia, que lhe fiz entom?      ←
       nom soub'eu al em que me del vengar      ←
       se nom chorei quanto m'eu quis chorar.      ←
  



 ----- Increase text size ----- Decrease text size

General note:

A donzela censura-se a si própria: o seu amigo, o único que sempre amou, foi encontrar-se outra mulher. E ela, louca, o que fez? Não encontrou outra vingança senão a de chorar até mais não poder.



General note


Description

Cantiga de Amigo
Refrão
Cobras singulares
(Learn more)


Manuscript sources

B 846, V 432

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 846

Cancioneiro da Vaticana - V 432


Musical versions

Originals

Unknown

Contrafactum

Unknown

Modern Composition or Recreation

Unknown