Estêvão Travanca


Se eu a meu amigo dissesse
quant'eu já por el quisera fazer
ũa vez quando m'el veo veer,
des que end'el verdade soubesse,
5       nom haveria queixume de mi,
       com'hoj'el há, nem s'iria daqui.
  
E se soubesse quam sem meu grado
nom fiz por el quant'eu quisera entom
fazer, amiga, se Deus mi perdom,
10per com'eu cuid', e cuid'aguisado,
       nom haveria queixume de mi,
       com'hoj'el há, nem s'iria daqui.



 ----- Increase text size ----- Decrease text size

General note:

A moça confessa a uma amiga que esteve prestes a ceder aos pedidos do seu amigo, da última vez que estiveram juntos. Se ele o soubesse, e se soubesse ainda que não tinha sido por sua vontade que não o tinha feito, decerto que ele não teria motivos de queixa e não se teria ido embora.



General note


Description

Cantiga de Amigo
Refrão
Cobras singulares
(Learn more)


Manuscript sources

B 724, V 325

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 724

Cancioneiro da Vaticana - V 325


Musical versions

Originals

Unknown

Contrafactum

Unknown

Modern Composition or Recreation

Unknown