João Garcia de Guilhade


 Translate

Quantos ham gram coita d'amor
eno mundo, qual hoj'eu hei,
querriam morrer, eu o sei,
e haveriam en sabor;
5mais, mentr'eu vos vir, mia senhor,
       sempre m'eu querria viver
       e atender e atender.
  
Pero já nom posso guarir,
ca já cegam os olhos meus
10por vós, e nom mi val i Deus
nem vós; mais, por vos nom mentir,
enquant'eu vos, mia senhor, vir,
       sempre m'eu querria viver
       e atender e atender.
  
 15E tenho que fazem mal sem,
quantos d'amor coitados som,
de querer sa morte, se nom
houverom nunca d'amor bem,
com'eu faç'; e, senhor, por en
20       sempre m'eu querria viver
       e atender e atender.
  



 ----- Increase text size ----- Decrease text size

General note:

Se todos os que sofrem por amor dizem que querem morrer, o trovador diz à sua senhora que não é esse o seu caso: enquanto a puder ver, só quer viver para esperar.
Também neste caso, encontramos na obra de João Airas de Santiago uma cantiga que desenvolve uma razom semelhante, sem que possamos estabelecer um nexo cronológico ou causal seguro.



General note


Description

Cantiga de Amor
Refrão
Cobras singulares
(Learn more)


Manuscript sources

A 234, B 424, V 36

Cancioneiro da Ajuda - A 234

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 424

Cancioneiro da Vaticana - V 36


Musical versions

Originals

Unknown

Contrafactum

Unknown

Modern Composition or Recreation

Unknown