People referred in the song:
  (line 6)

Pero da Ponte


  Marinha López, oimais, a seu grado,      ←
se quiser Deus, será bõa molher;      ←
e se algum feito fez desaguisado,      ←
non'o fará jamais, se Deus quiser;      ←
5e direi-vos como se quer guardar:      ←
 quer-s'ir ali em cas Dom Lop'andar,      ←
  u lhi semelha logar apartado.      ←
  
E bem creede que est apartado      ←
pera ela, que folia nom quer,      ←
 10ca nom veerá i mais nulh'homem nado      ←
de mil cavaleiros, se nom quiser;      ←
e pois se quer de folia leixar,      ←
de pram Deus lhi mostrou aquel logar:      ←
i pode bem remiir seu pecado.      ←
  
15E pois bem quer remiir seu pecado,      ←
logar achou qual havia mester,      ←
u nom saberá parte nem mandado      ←
de nulh'home, se d'alhur nom veer;      ←
pero se pobr'ou coitado passar      ←
20per aquel porto, sabê-lo-á albergar      ←
e, de mais, dar-lh'alberg'endõado.      ←



 ----- Increase text size ----- Decrease text size

General note:

Marinha Lopes pretende afastar-se para um lugar isolado - a casa de D. Lopo Díaz de Haro, senhor da Biscaia, distante das vilas e cidades por onde anda a corte, parece-lhe, pois, conveniente. O problema, segundo Pero da Ponte, é que, procurando refúgio nesta grande casa senhorial, ela arrisca-se a estar rodeada pelos mais de mil homens de armas que D. Lopo tem ao seu serviço.
Para além deste sentido erótico mais ou menos óbvio, Vicenç Beltran1 é da opinão que a cantiga teria igualmente um sentido político mais profundo, relacionado com as complexas relações dos Haro com a corte castelhana. Sugere assim que ela poderá datar de 1255, e aludir a um momento em que o ainda jovem D. Lopo, continuando a rebelião de seu pai (recentemente falecido) contra o rei castelhano, se vê abandonado pelos seus aliados (o infante D. Henrique e o rei D. Jaime I de Aragão), tendo de defrontar sozinho o poder real. Seria esta circunstância que, nas palavras de Beltran, daria cabal sentido "a la paradoja de una penitente que sufre la más lacerante soledad rodeada de mil caballeros".

References

1 Beltran, Vicenç (2005), La corte de Babel. Lenguas, poética y política en la España del siglo XIII, Madrid, Bredos, pp. 157-164.
      Go to web page




General note


Description

Cantiga de Escárnio e maldizer
Mestria
Cobras uníssonas
Palavra(s)-rima: imperf. (vv. 4 em I e II):
quiser
(Learn more)


Manuscript sources

B 1631, V 1165

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 1631

Cancioneiro da Vaticana - V 1165


Musical versions

Originals

Unknown

Contrafactum

Unknown

Modern Composition or Recreation

Unknown