Song referenced in note


Fernão Velho


 Maria Pérez se maenfestou
 noutro dia, ca por [mui] pecador
se sentiu, e log'a Nostro Senhor
pormeteu, polo mal em que andou,
5que tevess'um clérig'a seu poder,
polos pecados que lhi faz fazer
o Demo, com que x'ela sempr'andou.
  
Maenfestou-se ca diz que s'achou
 pecador muit', e por en rogador
10foi log'a Deus, ca teve por melhor
de guardar a El ca o que a guardou;
e mentre viva, diz que quer teer
um clérigo com que se defender
possa do Demo, que sempre guardou.
  
15E pois que bem seus pecados catou,
de sa mort'houv'ela gram pavor
 e d'esmolnar houv'ela gram sabor;
e log'entom um clérigo filhou
 e deu-lh'a cama em que sol jazer,
20e diz que o terrá, mentre viver;
e est'afã todo por Deus filhou.
  
E pois que s'este preito começou
antr'eles ambos houve grand'amor
antr'ela sempr'[e] o Demo maior,
25atá que se Balteira confessou;
mais, pois que vio o clérigo caer
antr'eles ambos, houv'i a perder
o Demo, des que s'ela confessou.



 ----- Increase text size ----- Decrease text size

General note:

Nesta sua única cantiga satírica conservada, Fernão Velho junta-se ao coro das chacotas dirigidas à célebre soldadeira Maria Balteira pelos trovadores e jograis do círculo de Afonso X. Aqui é com o seu súbito fervor religioso que o trovador brinca: tão pecadora ela se teria sentido que se tinha ido confessar, logo jurando não mais largar o clérigo. Note-se a utilização do dobre, repetição da mesma palavra, nos 4º e 7º versos de cada estrofe.



General note


Description

Cantiga de Escárnio e maldizer
Mestria
Cobras uníssonas
Dobre: (vv. 4 e 7 de cada estrofe)
andou (I), guardou (II), filhou (III), confessou (IV)
(Learn more)


Manuscript sources

B 1504
(C 1504)

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 1504


Musical versions

Originals

Unknown

Contrafactum

Unknown

Modern Composition or Recreation

Unknown