Song referenced in note
  (line 19)

Rui Queimado


 Dom Estêvam, em grand'entençom
 foi já or'aqui por vosso preito:
oí dizer por vós que a feito
sodes cego; mais dix'eu que mui bem
 5oídes, cada que vos cham'alguém:
vedes como tiv'eu vossa razom!
  
 E muitos oí eu hoj'em mal som
dizer por vós [atal]: que a feito
sodes cego; e dix'eu log'a eito
 10esto que sei que vos a vós avém:
que nunca vos home diz nulha rem
que nom ouçades, se Deus mi perdom.
  
Oí dizer por vós que há sazom
que vedes [já] quanto, pois me deito
 15e dormesco e dórmio bem a feito,
que assi veedes vó'lo artom;
 e assanhei-m'eu e dixi por en:
- Confonda Deus quem cego chama quem
assi ouve come vó'lo sarmom.



 ----- Increase text size ----- Decrease text size

General note:

Rui Queimado junta-se ao coro das chacotas contra D. Estêvão, jogando aqui equivocamente com um traço que, para além da sua alegada homossexualidade, também lhe é atribuído: a sua miopia ou cegueira. Numa primeira leitura, a ideia parece ser, pois, que ele pode ver mal (os feitos - maus - dos outros) mas ouve certamente muito bem - ainda que não saibamos exatamente onde é que o trovador quer chegar com esta oposição ver/ouvir. E à noite, até vê melhor.
A composição tem, no entanto, um problema suplementar, difícil de solucionar: uma última estrofe com sete versos, quando as duas primeiras têm seis. Muito embora Rodrigues Lapa, na sua edição1, tivesse eliminado o verso 16, considerando ter sido um erro dos copistas, o certo é que este verso parece essencial, não só para a compreensão da estrofe, como da própria cantiga, já que é ele que justifica as atividades noturnas de D. Estêvão (Rui Queimado alude, como todos os outros trovadores, à sua homossexualidade). Mantivemo-lo, por isso, como os restantes (não vemos qual poderíamos eliminar), mas não é fácil encontrar uma explicação para a anomalia.
Quanto à identidade deste D. Estêvão e ao contexto em que se insere o ciclo de cantigas que lhe são dirigidas, veja-se a explicação que fornecemos na Nota Geral a uma composição de Airas Peres de Vuitorom (bem como a nota antroponímica do v. 1)

References

1 Lapa, Manuel Rodrigues (1970), Cantigas d´Escarnho e de Maldizer dos Cancioneiros Medievais Galego-Portugueses, 2ª Edição, Vigo, Editorial Galaxia.



General note


Description

Cantiga de Escárnio e maldizer
Mestria
Cobras uníssonas
(Learn more)


Manuscript sources

B 1386, V 995

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 1386

Cancioneiro da Vaticana - V 995


Musical versions

Originals

Unknown

Contrafactum

Unknown

Modern Composition or Recreation

Unknown