Estêvão da Guarda, Josepe


- Vós, Dom Josep, venho eu preguntar:
pois pelos vossos judeus talhadores
vos é talhado, a grandes e meores,
quanto cada um judeu há de dar,
5per qual razom Dom Foam judeu,
a que já talha foi posta no seu,
s'escusa sempre de vosco reitar?
  
- [E]stêvam da Guarda, pode quitar
qual judeu quer de reitar os senhores,
10mais na talha, graças nem amores
num lhi faram os que ham de talhar;
e Dom Foam já per vezes deu
do que talharom, com'eu dei do meu,
er dará mais, e querrá-se livrar.
  
15- Dom Josep, tenho por sem razom,
pois já fam vosc', em talha, igualdade
(u do seu dem quanto lhi foi talhado),
que per senhores haja defensom
de nom peitar com'outro peitador,
20como peita qualquer talhador
quanto lhi talham, sem escusaçom.
  
- [E]stêvam da Guarda, per tal auçom
qual vós dizedes, foi já demandado
e foi per el seu feito desputado,
25assi que dura na desputaçom;
e do talho nom tem [i] o melhor,
ca deu gram peça; mais pois seu senhor
lha peita, quanto val tal quitaçom!
  
[...]
  
30- Já Dom Foam, por mal que mi quer, diz
que nego quant'hei, por nom peitar nada;
e de com'é mia fazend'apostada,
vós, Dom Estêvam, sodes en bem fiz
que nunca foi de mia talha negado,
35mais sabudo é, certo, apregoado,
quant'hei na terra, móvil e raíz.
  
- Dom Josep, já [or']eu certo fiz
que do vosso nom é rem sonegado,
mais é [a]tam certo e apreçado
40come o vinho forte em Alhariz;
e el queria de vós, des i arreigado,
de vos haver assi espeitado
com'hoj'el é pelo maior juiz.



 ----- Increase text size ----- Decrease text size

General note:

Curiosa tenção entre Estêvão da Guarda e o judeu D. Josepe, muito provavelmente um alto funcionário da fazenda ao serviço de D. Dinis (ou de seu filho, D. Afonso IV). A tenção é uma verdadeira discussão sobre questões fiscais, nomeadamente sobre a aplicação da talha, imposto proporcional aos bens, de cuja cobrança se encarregavam os judeus. Além de estar incompleta (parece faltar-lhe a quinta estrofe, correspondente a uma resposta de Estêvão da Guarda), e das restantes estrofes serem de leitura difícil nos manuscritos, esta composição aborda um tema de tal forma técnico que, em muitos passos, o seu sentido não é hoje muito claro para nós. Parece, de qualquer forma, que Estêvão da Guarda parte da acusação, que um outro judeu (que se sentia prejudicado no imposto que lhe tinha sido aplicado) faria a D. Josepe, de parcialidade na aplicação do imposto e a de fuga às suas próprias obrigações fiscais. D. Josepe defende-se e, no final, Estêvão da Guarda acaba por lhe dar razão e acusar o seu delator de má-fé e inveja.



General note


Description

Tenção
Mestria
Cobras doblas
(Learn more)


Manuscript sources

B 1315, V 920

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 1315

Cancioneiro da Vaticana - V 920


Musical versions

Originals

Unknown

Contrafactum

Unknown

Modern Composition or Recreation

Unknown