Estêvão da Guarda


A molher d'Alvar Rodriguiz tomou
tal queixume quando s'el foi daquém
e a leixou que, por mal nem por bem,
des que veo, nunca s'a el chegou
5nem quer chegar, se del certa nom é,
jurando-lhe ante que, a bõa fé,
nõn'a er leixe como a leixou.
  
E o cativo, per poder que há,
nõn'a pode desta seita partir,
10nem per meaças nem pela ferir,
ela por en nẽũa rem nom dá;
mais, se a quer desta sanha tirar,
a bõa fé lhe convém a jurar
que a nom leixe em nẽum tempo já.



 ----- Increase text size ----- Decrease text size

General note:

Continuando as duas cantigas precedentes, agora é a mulher de Álvaro Rodrigues que, desgostosa pelo abandono a que foi votada, se recusa a "chegar-se a ele".
A composição tem uma relação temática evidente com a cantiga que a antecede imediatamente nos manuscritos, já que ambas se relacionam com a partida de Álvaro Rodrigues para Além-mar. É, todavia, difícil ordená-las com rigor numa sequência narrativa, não sendo impossível que a presente cantiga faça referência a um momento cronologicamente anterior. É provável ainda que a composição esteja incompleta.



General note


Description

Cantiga de Escárnio e maldizer
Mestria
Cobras singulares
(Learn more)


Manuscript sources

B 1302, V 907

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 1302

Cancioneiro da Vaticana - V 907


Musical versions

Originals

Unknown

Contrafactum

Unknown

Modern Composition or Recreation

Unknown