Juião Bolseiro


- Vej'eu, mia filha, quant'é meu cuidar,
as barcas novas viir pelo mar,
       em que se foi voss'amigo daqui.
 - Nom vos pês, madre, se Deus vos empar,
5       irei veer se vem meu amig'i.
  
- Cuid'eu, mia filha, no meu coraçom,
das barcas novas, que aquelas som
       em que se foi voss'amigo daqui.
- Nom vos pês, madre, se Deus vos perdom,
10       irei veer se vem meu amig'i.
  
- Filha fremosa, por vos nom mentir,
vej'eu as barcas pelo mar viir
       em que se foi voss'amigo daqui.
- Nom vos pês, madre, quant'eu poder ir,
15       irei veer se vem meu amig'i.



 ----- Increase text size

General note:

Diálogo entre mãe e filha, de tema muito semelhante ao da cantiga que os manuscritos transmitem imediatamente antes.
Aqui é a mãe que avista ao longe as barcas novas, aquelas onde tinha partido o amigo da filha - filha que pede então licença para ir ver se efetivamente o seu amigo nelas vem.
Embora as duas cantigas pareçam mais paralelas do que sequenciais, a haver uma sequência, esta poderia ser a primeira (ao inverso do que acontece nos manuscritos).



General note


Description

Cantiga de Amigo
Refrão, Dialogada
Cobras singulares
(Learn more)


Manuscript sources

B 1169, V 775

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 1169

Cancioneiro da Vaticana - V 775


Musical versions

Originals

Unknown

Contrafactum

Unknown

Modern Composition or Recreation

Unknown