Pero de Armea


Cuidades vós que mi faz a mi Deus
 por outra rem tam muito desejar
aquesta dona, que me faz amar,
senom por mal de mi e destes meus
5       olhos e por me fazer entender
       qual é a mui gram coita de sofrer?
  
E nom mi os fui os seus olhos mostrar
Deus, nem mi a fez[o] filhar por senhor
senom porque houv[e] El gram sabor
10[de] que sofr'eu, com estes meus, pesar,
       olhos e por me fazer entender
       qual é a mui gram coita de sofrer.
  
E vi eu os seus olhos por meu mal
e o seu mui fremoso parecer
15e por meu mal mi a fezo Deus veer
 entom daquestes meus, ca nom por al,
       olhos e por me fazer entender
       qual é a mui gram coita de sofrer.



 ----- Increase text size ----- Decrease text size

General note:

O poeta considera que Deus o fez ver os formosos olhos da sua senhora apenas para lhe mostrar o que é sofrer.
Começando com uma pergunta retórica que ocupa toda a primeira estrofe (dirigida a um público genérico), a cantiga singulariza-se ainda pela alteração à normal ordem sintática que ocorre em torno do termo olhos na segunda e terceira estrofes.



General note


Description

Cantiga de Amor
Refrão
Cobras singulares
(Learn more)


Manuscript sources

B 1080, V 672

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 1080

Cancioneiro da Vaticana - V 672


Musical versions

Originals

Unknown

Contrafactum

Unknown

Modern Composition or Recreation

Unknown