Pesquisa no glossário
  (linha 13)

João Airas de Santiago


Pelo souto de Crexente      ←
ũa pastor vi andar,      ←
muit'alongada da gente,      ←
alçando voz a cantar,      ←
5apertando-se na saia,      ←
quando saía la raia      ←
 do sol, nas ribas do Sar.      ←
  
E as aves que voavam,      ←
quando saía l'alvor,      ←
10todas d'amores cantavam      ←
pelos ramos d'arredor;      ←
mais nom sei tal qu'i 'stevesse,      ←
que em al cuidar podesse      ←
senom todo em amor.      ←
  
15Ali 'stivi eu mui quedo,      ←
quis falar e nom ousei,      ←
empero dix'a gram medo:      ←
- Mia senhor, falar-vos-ei      ←
um pouco, se mi ascuitardes,      ←
20e ir-m'hei quando mandardes,      ←
mais aqui nom [e]starei.      ←
  
- Senhor, por Santa Maria,      ←
nom estedes mais aqui,      ←
mais ide-vos vossa via,      ←
25faredes mesura i;      ←
ca os que aqui chegarem,      ←
pois que vos aqui acharem,      ←
bem dirám que mais houv'i.      ←



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

Esta célebre pastorela de João Airas é, seguramente, um dos mais belos exemplos da arte dos trovadores. Partindo da norma usual deste género de composições (um encontro entre o trovador e uma pastora, e o subsequente diálogo entre ambos, em que o primeiro tenta seduzir a segunda), João Airas constrói, com grande sensibilidade poética e notável mestria técnica, um quadro que, sendo de locus amenus, não deixa de estar muito concretamente ancorado nas paisagens do noroeste peninsular (já que a cena se passa no "souto de Crexente", nas margens do Sar, o rio que atravessa Santiago de Compostela).
Como breves linhas suplementares de leitura, o leitor poderá ter em atenção 1) na primeira parte da cantiga (correspondente às duas primeiras estrofes) o notável jogo com as aliterações na descrição de uma alvorada campestre (e um pouco fria, já que a donzela se "aperta na saia"); 2) o diálogo cortês que se processa na segunda parte (terceira e quarta estrofes), com o trovador assumindo o papel de sedutor receoso e educado, um receio que é comum à "pastora", mas, no seu caso, pelo perigo que tal encontro solitário pode significar para a sua reputação.



Nota geral


Descrição

Pastorela
Mestria
Cobras singulares
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 967, V 554

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 967

Cancioneiro da Vaticana - V 554


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Pelo souto de crexente      versão audio disponível

Versões de Fernando Lopes-Graça