Pesquisa no glossário
  (linha 13)

Airas Nunes


Bailemos nós já todas três, ai amigas,      ←
  aquestas avelaneiras frolidas,      ←
e quem for velida, como nós, velidas,      ←
       se amigo amar,       ←
5sô aquestas avelaneiras frolidas      ←
       verrá bailar.      ←
  
Bailemos nós já todas três, ai irmanas,      ←
sô aqueste ramo destas avelanas,      ←
e quem for louçana, como nós, louçanas,      ←
10       se amigo amar,      ←
sô aqueste ramo destas avelanas      ←
       verrá bailar.      ←
  
 Por Deus, ai amigas, mentr'al nom fazemos      ←
sô aqueste ramo frolido bailemos,      ←
15e quem bem parecer, como nós parecemos,      ←
       se amigo amar,      ←
sô aqueste ramo, sol que nós bailemos,      ←
       verrá bailar.      ←



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

Esta é a "bailia das avelaneiras", uma das mais célebres cantigas de amigo que os Cancioneiros nos transmitiram. Neste breve comentário chamamos a atenção para o facto de as avelaneiras serem árvores associadas, em muitas culturas antigas, a ritos nupciais (ou seja, com um valor simbólico semelhante ao das flores de laranjeira atuais). Chamamos igualmente a atenção do leitor para a (maliciosa) expressão mentr´al nom fazemos (v. 13).
Nos Cancioneiros encontramos uma outra versão desta cantiga (mas sem a terceira estrofe), da autoria de João Zorro, Bailemos agora, por Deus, ai velidas. Podendo qualquer dos autores ter retomado a cantiga do outro, parece mais provável que tenha sido Airas Nunes a retomar uma anterior composição de Zorro, até pelo evidente gosto que o trovador mostra por este processo, visível em diversas outras cantigas suas. Mas também é possível, como sugeriu Rodrigues Lapa1, que ambos tivessem partido de uma composição tradicional.

Referências

1 Lapa, Manuel Rodrigues (1964-1973), Recensão a Tavani (Giuseppe), Le poesie di Ayras Nunez, in Boletim de Filologia, Tomo XXII , Lisboa, Centro de Estudos Filológicos.
      Aceder à página Web




Nota geral


Descrição

Cantiga de Amigo
Refrão e Paralelística
Cobras singulares
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 879, V 462

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 879

Cancioneiro da Vaticana - V 462


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Bailemos nós já todas três      versão audio disponível

Versão de The Dufay Collective

Composição/Recriação moderna

Bailemos Nos Ja Todas      versão audio disponível

Versão de Kit Higginson , Ensemble Alcatraz

Bailemos nós já todas três      versão audio disponível

Versão de Pedro Barroso

Ayras Nunes 

Versões de Tomás Borba

Baylemos nos ia todas tres 

Versão de Jorge Croner de Vasconcelos

Bailemos amigas      versão audio disponível

Versão de Miro Casabella