Pesquisa no glossário
  (linha 6)

João Mendes de Briteiros


Estranho mal e estranho pesar      ←
é hoje o meu de quantos outros som      ←
no mundo já, pois [a] mia senhor nom      ←
praz que eu moira, mais quer que assi      ←
5haj'a viver a gram pesar de mim.      ←
E por aquesto, assi Deus me perdom,      ←
muito m'é grave de viver e nom      ←
posso viver se est'hei a passar.      ←
  
 E por en sempre todo[s] m'estranhar      ←
10devia[m] esto, com mui gram razom,       ←
pois as mias coitas o meu coraçom      ←
sofrer nom pode; mais sei que, des i,      ←
tanto [so]fresse[m] com'eu sofr'aqui:      ←
hei a viver sem grad'e, des entom,      ←
15viv'em pesar; por en me[u] coraçom      ←
nom pode já tanto mal endurar.      ←



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

O trovador queixa-se do estranho mal e da estranha dor que é o amor, em particular o facto de a sua senhora não querer que ele morra, preferindo vê-lo arrastar-se sem nada lhe conceder. Uma mágoa que o seu coração não pode mais suportar.
Embora a composição não se afaste dos temas habituais da cantiga de amor, mais uma vez a inventiva de João Mendes de Briteiros (nomeadamente vocabular) leva a melhor aos lugares comuns.



Nota geral


Descrição

Cantiga de Amor
Mestria
Cobras uníssonas
Dobre: (vv. 3 e 7 de cada estrofe)
nom (I), coraçom (II)
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 863, V 449

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 863

Cancioneiro da Vaticana - V 449


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas