João Mendes de Briteiros


Eia, senhor, aque-vos mim aqui!
Que coita houvestes, ora, d'enviar
por mim? Nom foi senom por me matar,
pois todo meu mal teedes por bem:
5por en, senhor, mais val d'eu ir daquém
ca d'eu ficar, sem vosso bem fazer,
  
de mais haver esses olhos veer
e desejar o vosso bem, senhor,
de que eu sempre foi desejador;
10e meus desejos e meu coraçom
nunca de vós houveram se mal nom;
e, por est', é milhor de m'ir, par Deus,
  
u eu nom possa poer estes meus
olhos nos vossos, de que tanto mal
15me vem, senhor; e gram coita mortal
me vós destes eno coraçom meu;
e, mia senhor, pero que m'é mui greu,
nulh'home nunca mi o [e]straĩará.
  
E, pois m'eu for, mia senhor, que será?
20Pois mi assi faz o voss'amor ir já,
como vai cervo lançad'a fugir.



 ----- Aumentar letra

Nota geral:

Mais uma composição bastante original de João Mendes de Briteiros, uma originalidade que se nota em particular no verso de abertura e no verso final. Apresentando-se (de forma exclamativa) perante a sua senhora, como que respondendo prontamente à sua chamada, o trovador mostra-se surpreendido por essa mesma chamada, e pergunta-lhe se o motivo não terá sido apenas o de o matar, dando-lhe a ver os seus belos olhos, dos quais nunca recebeu senão mal. E assim, o melhor será afastar-se deles e partir de novo, rumo a um destino incerto como cervo lançado [ferido de lança] a fugir. Para além da beleza desta expressão, note-se que ela, sendo estranha ao vocabulário habitual das cantigas de amor, parece retomada do belíssimo ciclo de cantigas de amigo de Pero Meogo, surgindo, quase textualmente, nesta cantiga em particular.
Note-se ainda que, tal como numa anterior composição do trovador, também aqui as estrofes são capcaudadas (ou seja, a rima do último verso de cada estrofe é retomada no primeiro verso da seguinte).



Nota geral


Descrição

Cantiga de Amor
Mestria
Cobras singulares
Palavra perduda: vv. 1 e 6 de cada estrofe
Ateúda atá finda
Finda
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 861, V 447

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 861

Cancioneiro da Vaticana - V 447


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas