Pesquisa no glossário
  (linha 18)

João Soares Somesso


Nom tenh'eu que coitados som      ←
d'amor (atal est o meu sem)      ←
aqueles que nom ham seu bem      ←
e que têm atal razom:      ←
5que pode sa coita perder      ←
qual deles quer, quando morrer;      ←
por que nom morre[m] log'entom?      ←
  
Mais, de pram, algũa sazom      ←
ham esses sabor doutra rem      ←
10e querem-xe viver por en.      ←
 Ca por al bem tenh'eu que nom      ←
querriam já sempre viver      ←
por tamanha coita sofrer      ←
qual sofr'eu no meu coraçom.      ←
  
15E, Deu'lo sabe!, com pavor      ←
viv'e sofr'esta coita tal,      ←
que hei de sofrer pois gram mal.      ←
E tenh'aquesto por melhor:      ←
d'eu sofrer, cuida[nd' a] veer      ←
20a mia senhor, e atender      ←
de poder ir u ela for.      ←
  
Ca nom sõo eu sabedor      ←
de per mia morte nem per al       ←
perder coita, se me nom val      ←
25a mui fremosa mia senhor.      ←
E Deus, se me quiser valer,      ←
por mim, poila tem em poder,      ←
fará-lh'haver coita d'amor.      ←



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

Retomando o tema da cantiga anterior, o trovador reafirma que os que dizem que perderiam a coita de amor se morressem não sofrem verdadeiramente, pois nesse caso não continuariam a viver. Se ainda vivem é decerto porque, não tendo os favores das suas amadas, terão outros prazeres neste mundo que os fazem viver. Não assim o trovador, e é por isso, segundo afirma, que a sua dor é imensa. Mas é uma dor que irá suportar, porque o que o move é esperança de ver a sua senhora, sempre esperando uma ocasião de poder ir ter com ela. Desta forma, nada quer com a morte, uma vez que só a sua amada pode pôr fim ao seu sofrimento. E no final pede a Deus que lhe dê, também a ela, coita de amor.
Esta última afirmação é novamente objeto de um divertido comentário (nota M) escrito por um leitor do século XV na margem do Cancioneiro da Ajuda (que poderíamos traduzir pelo provérbio atual "fia-te na Virgem e não corras").



Nota geral


Descrição

Cantiga de Amor
Mestria
Cobras doblas (rima c uníssona)
(Saber mais)


Fontes manuscritas

A 20, B 113

Cancioneiro da Ajuda - A 20

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 113


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas