Toponímia referida na cantiga:
  (linha 2)

Anónimo de Santarém


A mais fremosa de quantas vejo      ←
em Santarém e que mais desejo,      ←
e em que sempre cuidando sejo,      ←
nom ch'a direi, mais direi-ch', amigo:      ←
5       ai Sentirigo! ai Sentirigo!      ←
        al é Alfanx'e al Seserigo!      ←
  
Ela e outra, amigo, vi-as,      ←
se Deus me valha!, nom há dous dias!       ←
Nom ch'a direi eu, ca o dirias      ←
 10e perder-t'-ias por en comigo:      ←
       ai Sentirigo! ai Sentirigo!      ←
       al é Alfanx'e al Seserigo!      ←
  
Cuidand'[en'] ela já hei perdudo      ←
o sem, amigo, e ando mudo;      ←
15e nom sei home tam entendudo      ←
que m'hoj'entenda a por que digo:      ←
       ai Sentirigo! ai Sentirigo!      ←
       al é Alfanx'e al Seserigo!      ←



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

Esta é a primeira de três cantigas em que este trovador, que permanece anónimo, canta uma sua senhora de Santarém. Em todas elas, a identidade da amada é aludida em forma de um enigma construído a partir de bairros e aldeias do termo da cidade. Desse jogo com o seu auditório, que seria talvez descodificável na época, o leitor atual só poderá compreender a jocosa intenção, e não a solução do enigma.



Nota geral


Descrição

Cantiga de Amor
Refrão
Cobras singulares
(Saber mais)


Fontes manuscritas

A 278

Cancioneiro da Ajuda - A 278


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas