Paio Soares de Taveirós


O meu amigo, que mi dizia
que nunca mais migo viveria,
       par Deus, donas, aqui é já.
  
Que muito m'el havia jurado
5que me nom visse, mais, a Deus grado,
       par Deus, donas, aqui é já.
  
O que jurava que me nom visse,
por nom seer todo quant'el disse,
       par Deus, donas, aqui é já.
  
 10Melhor o fezo ca o nom disse:
       par Deus, donas, aqui é já.



 ----- Diminuir letra

Nota geral:

Dirigindo-se a um grupo de donas, a donzela anuncia-lhes alegremente que o seu amigo, que tinha jurado que nunca mais viveria perto dela nem a voltaria a ver, acaba de chegar. Agiu melhor do que falou, conclui na finda.



Nota geral


Descrição

Cantiga de Amigo
Refrão
Cobras singulares
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 638, V 239
(C 638)

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 638

Cancioneiro da Vaticana - V 239


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas