Pesquisa no glossário
  (linha 3)

Estêvão Fernandes d'Elvas


Estes que agora, madre, aqui som      ←
dizem que é sandeu meu amigo;      ←
 nom tenhades que o por al digo,      ←
mais bem creo, se me vissem, que nom      ←
5       terriam meu amigo por sandeu,      ←
       madre, de que por mim ensandeceu.      ←
  
E os que dizem que perdeu o sem      ←
por mi, madre, nom me diriam mal      ←
se soubessem com'é, e sei-me eu al:      ←
 10pois que me vissem, que nunca por en      ←
       terriam meu amigo por sandeu,      ←
       madre, de que por mim ensandeceu.      ←
  
E aqueles que já dizem que é      ←
por mi sandeu, assi Deus me perdom,      ←
15cada um deles no seu coraçom,      ←
se me vissem, nunca, per bõa fé,      ←
       terriam meu amigo por sandeu,      ←
       madre, de que por mim ensandeceu.      ←



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

Dirigindo-se à sua mãe, a moça considera, com ingénua vaidade, que os que dizem que o seu amigo enlouqueceu por ela, se a conhecessem, não o considerariam louco.



Nota geral


Descrição

Cantiga de Amigo
Refrão
Cobras singulares
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 615, V 216

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 615

Cancioneiro da Vaticana - V 216


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas