Pesquisa no glossário
  (linha 12)

D. Dinis


Que estranho que mi é, senhor,       ←
 e que gram coita d'endurar,      ←
quando cuid'em mi, de nembrar      ←
de quanto mal fui sofredor      ←
5des aquel dia que vos vi;      ←
       e tod'este mal eu sofri      ←
       por vós e polo voss'amor.      ←
  
Ca des aquel tempo, senhor,      ←
que vos vi e falar,      ←
10nom perdi coitas e pesar,      ←
nem mal, nom podia maior,      ←
e aquesto passou assi:      ←
       e tod'este mal sofri      ←
       por vós e polo voss'amor.      ←
  
15E por en seria, senhor,      ←
gram bem de vos amercear       ←
de mim, que hei coita sem par,       ←
de qual vós sodes sabedor       ←
que passou e passa per mi;      ←
20       e tod'este mal sofri      ←
       por vós e polo voss'amor.      ←



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

O trovador estranha como foi capaz de sofrer dor tão desmesurada desde o momento em que viu a sua senhora, e pede-lhe que tenha piedade dele, até porque conhece perfeitamente o seu sofrimento.



Nota geral


Descrição

Cantiga de Amor
Refrão
Cobras uníssonas
Palavra(s)-rima: (v. 1 de cada estrofe)
senhor
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 522b, V 125

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 522b

Cancioneiro da Vaticana - V 125


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas