Toponímia referida na cantiga:
  (linha 19)

Afonso X


 Pero da Ponte, paro-vos sinal      ←
per ante o demo do fogo infernal,      ←
porque com Deus, o padr'espirital,      ←
 minguar quisestes, pois mal descreestes.      ←
5       E bem vej'ora que trobar vos fal      ←
        pois vós tam louca razom cometestes.      ←
  
E pois razom [a]tam descomunal      ←
fostes filhar, e que tam pouco val,      ←
 pesar-mi-á en, se vos pois a bem sal      ←
10ante o diabo, a que obedecestes.      ←
       E bem vej'ora que trobar vos fal      ←
       pois vós tam louca razom cometestes.      ←
  
Vós nom trobades come proençal,      ←
mais come Bernaldo de Bonaval;      ←
 15por ende nom é trobar natural      ←
pois que o del e do dem'aprendestes.      ←
       E bem vej'ora que trobar vos fal      ←
       pois vós tam louca razom cometestes.      ←
  
E por en, Dom Pedr', em Vila Real,      ←
 20em maao ponto vós tanto bevestes.      ←



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

Dirigindo-se, mais uma vez, a Pero da Ponte, D. Afonso brinca com uma cantiga que o segrel teria composto e cujo tema seria (ao que se depreende) blasfematório, ou, pelo menos, pouco ortodoxo em matéria religiosa. Esse tema (essa tam louca razom da cantiga), o rei só pode explicá-lo pelo excesso de vinho na altura da sua composição, em Vila Real.
Nenhuma das composições de Pero da Ponte que até nós chegaram parece adequar-se a estas "acusações". Assim sendo, a terceira estrofe desta composição de Afonso X, com a jocosa diferença que o rei estabelece entre os cantares provençais (modelo que Pero da Ponte teria desdenhado nessa cantiga) e os do segrel Bernaldo de Bonaval (que o segrel teria preferido seguir), torna-se para nós bastante enigmática. Várias explicações têm sido avançadas, todas relacionadas com a Arte de Trovar galego-portuguesa e a sua especificidade, face ao modelo provençal (por exemplo: estará o rei a referir-se a cantares de amigo?). De qualquer forma, é possível que a explicação seja mais simples: dado ser Bernaldo de Bonaval acusado de homossexualidade em várias cantigas (uma delas, aliás, do próprio Pero da Ponte), talvez não seja descabido ver uma alusão, pelo menos em forma de equívoco, a esse universo, naquele "trobar que não é natural", aludido nesta terceira estrofe. A ser assim talvez a estranha cantiga de Pero da Ponte Eu digo mal, com´home fodimalho possa ser, eventualmente, a referência de Afonso X. É uma sugestão meramente conjetural.



Nota geral


Descrição

Escárnio e Maldizer
Refrão
Cobras uníssonas
Finda
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 487, V 70

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 487

Cancioneiro da Vaticana - V 70


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas