Pesquisa no glossário
  (linha 7)

Afonso X


Joam Rodriguiz, vejo-vos queixar      ←
[...]      ←
  
 E com'homem que quer mal doitear      ←
 seus naturaes, sol non'o provedes:      ←
5ca nom som mais de dous, e haveredes-      ←
-los a perder polos muito afrontar;      ←
 e sobr'esto vos dig'eu ora al:      ←
daquestes dous, o que en meos val      ←
vos fará gram mêngua, se o perdedes.      ←
  
 10E se queredes conselho filhar,      ←
creede-m'or', e bem vos acharedes:      ←
nunca muito de vó-l'os alonguedes,      ←
ca nom podedes outros taes achar      ←
que vos nom conhoscam quem sodes nem qual;      ←
  15e se vos destes dous end'ũum fal,      ←
que por minguado que vos en terredes!      ←



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

Cantiga de que só nos chegou o primeiro verso e as duas últimas estrofes, o que torna difícil o seu entendimento. Ao que tudo indica, Afonso X, dirigindo-se a este João Rodrigues (possivelmente um seu funcionário fiscal a quem dirige uma outra cantiga), construiria aqui um equívoco de conotações sexuais, a partir do termo dous. Mas, neste caso, os motivos concretos da sátira escapam-nos.
A composição levanta alguns problemas de edição. De facto, aquilo que consideramos o seu início (apenas uma linha) aparece no Cancioneiro da Biblioteca Nacional no final do folio 105, com o número 478, seguindo-se um folio em branco, ao qual se segue um outro folio que se inicia com uma outra cantiga, (B 479). Ao mesmo tempo aquilo que consideramos serem as duas estrofes seguintes são as primeiras de Afonso X a serem transmitidas pelo Cancioneiro da Vaticana (e só por ele). A partir daqui (ou seja, B 479, V 62) as restantes cantigas do rei passam a ser transmitidas por ambos os Cancioneiros. Assim sendo, e embora tradicionalmente os editores tenham considerado que a linha isolada de B 478 e as duas estrofes de V 61 seriam duas composições incompletas independentes, tudo indica que a linha solta de B seja, de facto, o início da composição de que V transcreve as estrofes finais.



Nota geral


Descrição

Escárnio e Maldizer
Mestria
Cobras uníssonas
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 478, V 61

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 478

Cancioneiro da Vaticana - V 61


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas