Afonso X


Deus te salve, Gloriosa,
reinha Maria,
lume dos santos fremosa
e dos ceos via.
  
5 Salve-te, que concebiste
mui contra natura,
e pois teu padre pariste
e ficaste pura
virgem, e por en sobiste
10sobre'la altura
dos ceos, porque quesiste
o que El queria.
       Deus te salve, groriosa
       reinha Maria,
15       lume dos santos fremosa
       e dos ceos via.
  
Salve-te, que enchoíste
Deus gram sem mesura
em ti, e dele feziste
20hom'e creatura:
esto foi porque houviste
gram sem e cordura
em creer quando oíste
sa messageria. 
25       Deus te salve, groriosa
       reinha Maria
       lume dos santos fremosa
       e dos ceos via.
  
 Salve-te Deus, ca nos diste,
30em nossa figura,
o seu Filho, que trouxiste,
de gram fremosura,
e com El nos remiiste
da mui gram loucura
35que fez Eva, e venciste
o que nos vencia.
       Deus te salve, groriosa
       reinha Maria,
       lume dos santos fremosa
40       e dos ceos via.
  
Salve-te Deus, ca tolhiste
de nós gram tristura
u por teu filho frangiste
a cárcer escura
45u íamos, e metiste
nos em gram folgura;
com quanto bem nos viíste,
quen'o contaria? 
       Deus te salve, groriosa
50       reinha Maria,
       lume dos santos fremosa
       e dos ceos via



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

Por motivos que nos são desconhecidos, os apógrafos italianos transcrevem o texto de duas Cantigas de Santa Maria, esta de forma completa, a outra (de autenticidade duvidosa) de forma parcelar. Muito embora se incluam na obra galego-portuguesa de Afonso X, as Cantigas de Santa Maria, cantigas religiosas e não profanas, têm uma tradição manuscrita autónoma (ou seja, foram-nos transmitidas por códices próprios), pelo que a inclusão destas duas composições (ambas laudas, ou cantigas de louvor) nos cancioneiros profanos tem um caráter excecional, que está por explicar.

Referências

1 Ferreira, Manuel Pedro (2008), Antologia de Música em Portugal na Idade Média e no Renascimento , Lisboa: Arte das Musas / Cesem.



Nota geral


Descrição

Cantiga de Loor
Refrão, refrão inicial
Cobras uníssonas
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 467, E 40, TO 30

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 467


Versões musicais

Originais

Cantiga de loor 

Versão de Afonso X

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas