Pesquisa no glossário
  (linha 14)

João Garcia de Guilhade


Esso mui pouco que hoj'eu falei      ←
com mia senhor, gradeci-o a Deus,      ←
e gram prazer virom os olhos meus!      ←
 Mais do que dixe gram pavor per hei;      ←
5       ca me tremi' assi o coraçom      ←
       que nom sei se lho dixe [bem] se nom.      ←
  
Tam gram sabor houv'eu de lhe dizer      ←
a mui gram coita que sofr'e sofri      ←
por ela! Mais tam mal dia naci,      ←
10se lho hoj'eu bem nom fiz entender!      ←
       ca me tremi' assi o coraçom      ←
       que nom sei se lho dixe [bem] se nom.      ←
  
Ca nunca eu falei com mia senhor      ←
senom mui pouc'hoj'; e direi-vos al:      ←
15nom sei se me lho dixe bem, se mal.      ←
Mais do que dixe estou a gram pavor:      ←
       ca me tremi' assi o coraçom      ←
       que nom sei se lho dixe [bem] se nom.      ←
  
E a quem muito trem'o coraçom,      ←
20nunca bem pod'acabar sa razom.      ←



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

O trovador só pode agradecer a Deus os breves instantes em que falou com a sua senhora e lhe confessou enfim o seu amor. Mas acontece que estava tão nervoso que não sabe agora se falou bem ou mal, ou se ela o teria entendido. Porque, como conclui na finda, quem tem o coração a tremer nunca consegue exprimir-se bem.



Nota geral


Descrição

Cantiga de Amor
Refrão
Cobras singulares
Finda
(Saber mais)


Fontes manuscritas

A 239

Cancioneiro da Ajuda - A 239


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Ca me tremia’ssi o coraçom que non sei se lho dixe ou se nom 

Versão de Frederico de Freitas