Afonso Sanches


 Pero eu dixe, mia senhor,
 que nom atendia per rem
de vós bem polo grand'amor
que vos sempr'houvi, al m'end'avém:
5u vej'est', ar cuido no al
- per que sempr'houvi por vós mal,
per esso me fezestes bem
  
sempre levar assaz d'afã
por vós, mia senhor, e por en,
10pois outro bem de vós, de pram,
nom houve, senhor, a meu sem,
sequer por quanto vos servi,
daqueste bem cuid'eu de mi
 que me nom tolhades vós en
  
15nada, senhor, mentr'eu viver;
 e se vos conveer d'alguém
dizer-vos com'eu já perder
tal bem nom posso, que me vem
de vós, terredes, ben'[o] sei,
20que nom devia, poilo hei
por vós, a tee-l'em desdém.



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

Cantiga que retoma e alarga o que é dito na composição que a precede nos manuscritos, incluindo o jogo com o mal e o bem que o trovador recebe da sua senhora. Neste caso, a ambiguidade nasce igualmente do duplo valor do termo bem ao longo da cantiga, ao mesmo tempo nome e advérbio.



Nota geral


Descrição

Cantiga de Amor
Mestria
Cobras singulares
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 408, V 19

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 408

Cancioneiro da Vaticana - V 19


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas