Toponímia referida na cantiga:
  (linha 5)

Pero Mafaldo


O meu amig', amiga, que me gram bem fezia,      ←
fez-me preit'e menage que ante me veria      ←
 que se fosse; e vai-s'ora de carreira sa via;      ←
       e sempre mi assi ment'e nom há de mi vergonha,      ←
5       nom me viu mais d'um dia e vai-s'a Catalonha.      ←
  
Nunca vistes, amiga, quem tal amigo visse,      ←
ca me jurou que nunca se já de mi partisse,      ←
e mais forom de cento mentiras que m'el disse;      ←
       e sempre mi assi mente e nom há de mi vergonha,      ←
10       nom me viu mais d'um dia e vai- s'a Catalonha.      ←
  
Nom sabedes, amiga, como m'houve jurado      ←
que nunca se partisse de mi sem meu mandado,      ←
e mentiu-me cem vezes e mais o perjurado;      ←
       e sempre mi assi ment'e nom há de mi vergonha,      ←
15       nom me viu mais d'um dia e vai-s'a Catalonha.      ←



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

Falando com uma amiga, a donzela queixa-se das mentiras do seu amigo: jurou-lhe solenemente que a viria ver antes de partir e, tendo estado com ela apenas um dia, já está a caminho da Catalunha. Mentindo mais de cem vezes, foi-se embora sem lhe pedir licença - o traidor e o sem vergonha!
Como dizemos na sua nota biográfica, esta original referência à Catalunha pode dar-nos algumas pistas sobre o percurso de Pero Mafaldo, trovador sobre o qual poucos dados subsistem.



Nota geral


Descrição

Cantiga de Amigo
Refrão
Cobras singulares
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 383
(C 383)

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 383


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas