Pesquisa no glossário
  (linha 3)

João Lopes de Ulhoa


Sempr'eu, senhor, roguei a Deus por mi      ←
que me desse de vós bem; e nom quer!      ←
Mais quero-lh'al rogar; e pois souber      ←
que lh'al rogo, al me dará log'i:      ←
5       ca lhe rog'eu que nunca me dê bem      ←
       de vós, e cuido que mi o dê por en!      ←
  
 E per aquesto quero eu provar      ←
Deus, ca muit'há que lhe por al roguei      ←
de vós, senhor; mais ora veerei      ←
10se me tem prol de o assi rogar:      ←
       ca lhe rog'eu que nunca me dê bem      ←
       de vós, e cuido que mi o dê por en!      ←
  
Pois assi é que m'El sempre deu al,      ←
e al desej'eu no meu coraçom,      ←
15rogar-lh'-ei est'e cuidará que nom      ←
será meu bem e dará-mi-o por mal:      ←
       ca lhe rog'eu que nunca me dê bem      ←
       de vós, e cuido que mi o dê por en!      ←



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

Como Deus sempre fez o contrário do que o trovador lhe pedia, e nunca lhe deu os favores da sua senhora, ele descobriu a maneira de os ter: pedir-Lhe que nunca lhos dê.



Nota geral


Descrição

Cantiga de Amor
Refrão
Cobras singulares
(Saber mais)


Fontes manuscritas

A 209, B 360

Cancioneiro da Ajuda - A 209

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 360


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas