João Lobeira


- Venh'eu a vós, mia senhor, por saber
 do que bem serve e nom falec'em rem
a sa senhor e lh'a senhor faz bem,
qual deles deve mais [a] gradecer.
5- Amigo, mais dev'o bem a valer;
       ca, se o bem dad'é por o servir,
       o servidor deve mais a gracir.
  
- Quem bem serve, senhor, sofre gram mal
 e grande afã e mil coitas sem par,
10onde devia bom grado a levar,
 se mesura da sa senhor nom fal.
- Amigo, mais é o bem e mais val;
       ca, se o bem dad'é por o servir,
       o servidor deve mais a gracir.



 ----- Aumentar letra

Nota geral:

Nesta cantiga dialogada, o trovador põe a seguinte questão à sua senhora: se um enamorado serve lealmente a sua amada e se ela, como recompensa, lhe concede os seus favores, qual dos dois deve ficar mais agradecido ao outro? (a senhora, pelo serviço leal que lhe foi prestado, ou o enamorado, pelo favor que recebeu?). Na resposta, a voz feminina diz-lhe que o servidor é que deve ficar mais agradecido, pois o favor concedido é superior ao serviço. Na segunda estrofe, o trovador valoriza os sofrimentos do servidor, mas obtém a mesma resposta.



Nota geral


Descrição

Cantiga de Amor
Refrão, Dialogada
Cobras singulares
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 249

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 249


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas