Pesquisa no glossário
  (linha 14)

Fernão Garcia Esgaravunha


Tod'home que Deus faz morar      ←
u est a molher que gram bem      ←
quer, bem sei eu ca nunca tem      ←
gram coita no seu coraçom,       ←
5pero se a pode veer;      ←
mais quem end'há lonj'a viver      ←
aquesta coita nom há par!      ←
  
 Ca, pois u ela est' estar      ←
pode, nom sabe nulha rem      ←
 10de gram coita, ca, de pram, tem      ←
assi eno seu coraçom:      ←
qual bem lhi quer de lho dizer;       ←
e nom pode gram coita haver       ←
enquant'en'aquesto cuidar.      ←
  
15E quem bem quiser preguntar       ←
por gram coita, mim pregunt'en,      ←
ca eu a sei, vedes per quem:      ←
per mim e per meu coraçom.      ←
E mia senhor mi a faz saber      ←
20e o seu mui bom parecer      ←
e Deus, que m'en fez alongar      ←
  
por viver sempr'em gram pesar      ←
de mim, e por perder o sem      ←
com haver a viver sem quem      ←
25sei eu bem no meu coraçom.      ←
Ca nunca já posso prazer,      ←
u a nom vir, de rem prender.       ←
Vedes que coita d'endurar!      ←
  
E o que atal nom sofrer      ←
30non'o devedes a creer      ←
de gram coita, se i falar!      ←



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

O trovador considera que aquele que pode viver perto da sua senhora, e com a possibilidade de a ver, tem o seu sofrimento mitigado, pois distrai-se continuamente a pensar no modo de lhe confessar o seu amor. Pelo contrário, os que vivem longe, como é o seu caso, sofrem uma dor mortal. Só eles sabem, pois, o que é sofrer verdadeiramente.



Nota geral


Descrição

Cantiga de Amor
Mestria
Cobras uníssonas
Palavra(s)-rima: (v. 4 de cada estrofe)
coraçom
Dobre: (v. 3 de cada estrofe)
tem (I, II), quem (III, IV)
Palavra perduda: v. 4 de cada estrofe
Finda
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 229

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 229


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas