Toponímia referida na cantiga:
  (linha 12)

Pedro Amigo de Sevilha


Joam Baveca e Pero d'Ambrõa      ←
começarom de fazer sa tençom,      ←
e sairom-se logo da razom      ←
       Joam Baveca e Pero d'Ambrõa;      ←
5e, porque x'a nom souberom seguir,      ←
nunca quedarom pois em departir      ←
       Joam Baveca e Pero d'Ambrõa.      ←
  
Joam Baveca e Pero d'Ambrõa      ←
ar forom outra razom começar.      ←
 10Sobre que houverom de pelejar      ←
       Joam Baveca e Pero d'Ambrõa?      ←
Sobre la terra de Ierusalém,      ←
 que diziam que sabiam mui bem      ←
       Joam Baveca e Pero d'Ambrõa.      ←
  
15Joam Baveca e Pero d'Ambrõa      ←
ar departirom logo no Gram Cam;      ←
 e pelejarom sobr'esto de pram      ←
       Joam Baveca e Pero d'Ambrõa,      ←
dizend': - Ora veeremos quis qual é!      ←
20E leixei eu assi, per bõa fé,      ←
       Joam Baveca e Pero d'Ambrõa.      ←



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

Original e vivo retrato de dois jograis às voltas com a dificuldade de comporem uma tenção, que nunca conseguem concluir. Pedro Amigo aproveita a ocasião para, mais uma vez, aludir maliciosamente à alegada viagem de Pero d´Ambroa aos Lugares Santos. Repare-se na excelente utilização que é feita do nome dos jograis no triplo refrão.
Note-se que de João Baveca e Pero d´Ambroa nos chegou, de facto, uma tenção, eventualmente composta a partir desta provocação de Pedro Amigo.



Nota geral


Descrição

Cantiga de Escárnio e maldizer
Refrão
Cobras singulares
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 1664, V 1198

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 1664

Cancioneiro da Vaticana - V 1198


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas