Pedro Amigo de Sevilha


Maria Balteira, que se queria
ir já daqui, veo-me preguntar
 se sabia já quê d'aguiraria,
ca nom podia mais aqui andar.
5E dixi-lh'eu log'entom: - Quant'en sei,
Maria Pérez, eu vo-lo direi.
E diss'ela log'i que mi o gracia.
  
E dix'eu: - Pois vos ides vossa via,
a quem leixades o voss'escolar?
10Ou vosso filh'é vossa companhia?
 [Diss'ela]: - Por en vos mand'eu catar
que vejades nos aguiros que hei
como poss'ir; e mais vos en direi:
a meos desto, sol nom moveria.
  
15E dixe-lh'eu: - Cada que vos deitades,
 que estornudos soedes d'haver ?
E diss'ela: - Dous hei, ben'o sabiades,
e u[u]m hei, quando quero mover;
mais este nom sei eu bem departir.
20E dix'eu: - Com dous bem poderíades ir,
mais u[u]m manda sol que nom movades.
  
E dixi-lh'eu: - Pois aguiro catades,
das aves vos ar convém a saber
vós, que tam longa carreira filhades.
25Diss'ela: - Esso vos quer'eu dizer:
hei ferivelha sempr[e] ao sair.
E dixi-lh'eu: - Bem podedes vós ir
com ferivelha, mais nunca tornades.



 ----- Aumentar letra

Nota geral:

Retrato de uma Maria Balteira interessada nas previsões dos agoiros, dado ter decidido partir em viagem. Toda a cantiga é um diálogo equívoco entre a soldadeira e o trovador, que no final, entre várias alusões escatológicas, acaba por lhe chamar velha.



Nota geral


Descrição

Cantiga de Escárnio e maldizer
Mestria
Cobras doblas
Palavra(s)-rima: (v. 6 de cada estrofe)
direi (I, II), ir (III, IV)
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 1663, V 1197

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 1663

Cancioneiro da Vaticana - V 1197


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas