Expressão pesquisada:


Pedro Amigo de Sevilha


Elvir', a capa velha dest'aqui,      ←
que te vendess'um judeu corretor,      ←
e ficou contig'outra mui peior,      ←
Elvir', a capa velha, que t'eu vi;      ←
5ca, queres sempre por dinheiros dar      ←
a melhor capa e queres leixar      ←
a capa velha, Elvira, pera ti.      ←
  
 Por que te fiqu', assi Deus ti perdom,      ←
a capa velh', Elvira, que trager      ←
10nom quer nulh'home mais, dás a vender      ←
melhor capa velha doutra sazom.      ←
Elvira, nunc'a ti capa darám,      ←
ca ficas, destas capas que ti dam,      ←
com as mais usadas no cabeçom.      ←
  
15E a capa, velh'Elvira, mi pesou,      ←
porque nom é já pera cas d'el-rei      ←
a capa velh', Elvira, que eu sei      ←
muit'usa[da] que contigo ficou:      ←
ca pera corte sei que nom val rem      ←
20a capa, velh'Elvira, que já tem      ←
pouco cabelo, tam muito s'usou.      ←



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

Brinquedo linguístico dirigido à soldadeira Elvira, que parte de um cerrado jogo verbal entre as expressões capa velha e velha Elvira. Para além do equívoco entre a velhice da capa (peça de vestuário) e da soldadeira, é possível que haja ainda um jogo com um segundo sentido obsceno que o termo capa teria. Esse jogo é percetível numa outra cantiga satírica que utiliza ambiguamente o termo, sem que, no entanto, consigamos explicar a sua significação exata.
Procurámos pontuar a composição a partir de um primeiro sentido "inocente", sem deixar de ter em conta que outras pausas são possíveis e que o jogo entre elas seria predominantemente oral. Seria curioso saber como seria cantada a composição.



Nota geral


Descrição

Cantiga de Escárnio e maldizer
Mestria
Cobras singulares
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 1658, V 1192
(C 1658)

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 1658

Cancioneiro da Vaticana - V 1192


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas