Pesquisa no glossário
  (linha 5)

Pero da Ponte


 Sueir'Eanes, nunca eu terrei      ←
que vós trobar nom entendedes bem,      ←
pois entendestes, quando vos trobei,      ←
que de trobar nom sabíades rem;      ←
  5pero d'al nom sodes tam trobador,      ←
 mais o trobar ond'estades melhor:      ←
entendedes quando vos troba alguém.      ←
  
Entendestes um dia ant'el-rei      ←
como vos meterom em um cantar      ←
10polo peior trobador que eu sei      ←
- esto s'a vós nunca pode negar;      ←
 e por aquesto maravilho-m'eu      ←
deste poder. Que demo vo-lo deu,      ←
por vós assi entenderdes trobar?      ←
  
 15Ca vos vi eu aqui mui gram sazom      ←
e nom vos vi por trobador meter;      ←
e ora nom vos trobam em razom      ←
em que xi vos possa rem asconder,      ←
se de mal trobador enmentam i,      ←
20que vós logo nom digades: - A mim      ←
foi feit'aquel cantar de mal dizer.      ←



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

Esta cantiga retoma as duas composições que Pero da Ponte dirige a Sueiro Eanes, nomeadamente a última. O equívoco centra-se agora na expressão "entender o trobar": Sueiro Eanes não entende nada da arte de trovar, mas entende bem as trovas que lhe são dirigidas.
Esta cantiga é também uma prova de como o trovar "escondudo" ou equívoco, tantas vezes adoptado pelos trovadores e jograis nas suas sátiras, exigiria por vezes, de facto, uma certa perspicácia da parte do ouvinte.
Afonso Anes do Cotom dirige igualmente uma cantiga a esta personagem.



Nota geral


Descrição

Cantiga de Escárnio e maldizer
Mestria
Cobras singulares
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 1650, V 1184

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 1650

Cancioneiro da Vaticana - V 1184


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas