Cantiga referida em nota


Paio Gomes Charinho


Dom Afonso Lopes de Baiam quer
fazer sa casa, se el pod'haver
madeira nova; e, se mi creer,
fará bom siso: tanto que houver
5madeira, logo punh', ena cobrir,
o fundamento bem alt'; e guarir
 pod'o lavor per i, se o fezer.
  
E, quand'el a madeira adusser,
guarde-a bem e faça-a jazer
10em logar que nom chôvia, ca torcer-
s'-ia mui tost', e nom ar há mester;
e, se o lavor nom quer escarnir,
abra-lh'o fundament'alt'; e ferir,
e muito batê-lo, quanto poder.
  
15E pois o fundamento aberto for
 alt'e bem batudo, pode lavrar
em salvo sobr'el; e, pois s'acabar,
estará da madeira sem pavor;
e do que diz que a revolverá,
20ant'esto faça, senom matar-s'-á,
ca est'é o começo do lavor.
  
E Dom Afonso pois há tal sabor
de fazer bõa casa, começar
 a dev[e] assi; e des i folgar
25e jazer quand'e quando mester for
descobri-la e cobri-la poderá
 e revolvê-la, ca todo sofrerá
a madeir', e seerá-l[h]i en melhor.
  
E Dom Afonso tod'esto fará
30que lh'eu conselho; se nom, perder-s'-á
esta casa per mao lavrador.



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

Esta cantiga é uma glosa-comentário a uma cantiga de D. Afonso Lopes de Baião, na qual o trovador exprime o desejo de fazer uma casa em Arouca, se a abadessa do mosteiro lhe der "madeira nova". (i.e., uma jovem freira). Tal como essa primeira composição, também esta é um equívoco erótico, aparentemente com algumas sugestões técnicas para lidar com esta "madeira". Note-se, no entanto, que Charinho aproveita para, jocosamente, desviar o equívoco inicial de D. Afonso numa outra direção, esta mais particularmente anatómica (e masculina), uma vez que a "madeira nova" agora em causa diz respeito ao próprio D. Afonso (ou seja, o termo "madeira" é aqui utilizado com um valor muito semelhante ao que nos surge numa cantiga de Afonso X).
Acrescente-se que, se a cantiga de D. Afonso Lopes de Baião datar efetivamente dos anos 1248-1250, esta será necessariamente uma composição de juventude de Paio Gomes Charinho.



Nota geral


Descrição

Cantiga de Escárnio e maldizer
Mestria
Cobras doblas
Finda
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 1625, V 1159
(C 1625)

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 1625

Cancioneiro da Vaticana - V 1159


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas