Toponímia referida na cantiga:
  (linha 5)

Afonso Anes do Cotom


 Paai Rengel e outros dous romeus      ←
de gram ventura, nom vistes maior,      ←
 guarecerom ora, loado a Deus:      ←
que nom morrerom, por Nostro Senhor,      ←
5em ũa lide que foi em Josafás:      ←
a lide foi com'hoj', e come crás,      ←
prenderam eles terra no Alcor.      ←
  
E ben'os quis Deus de morte guardar,      ←
Paai Rengel e outros dous, entom,      ←
10d'ũa lide que foi em Ultramar:      ←
que nom chegaram aquela sazom;      ←
e vedes ora por quanto ficou:      ←
que o dia que s'a lide juntou      ←
 prenderam eles port'a Mormojom.      ←
  
 15De como nom entrarom a Blandiz,      ←
per que poderam na lide seer,      ←
ca os quis Deos de morte guarecer,      ←
per com'agora Paai Rengel diz;      ←
e guarecerom de morte por en:      ←
20que quand[o] a lide foi em Belém      ←
 aportarom eles em Tamariz.      ←
  



 ----- Aumentar letra ----- Diminuir letra

Nota geral:

Bem-humorada sátira contra uns pretensos peregrinos, que, contando as aventuras de uma sua peregrinação à Terra Santa, explicavam como tinham milagrosamente escapado de várias batalhas, em diversos lugares, por mero desencontro de horas. Quase todos os lugares citados são, no entanto, topónimos peninsulares, original modo de insinuar que a viagem à Terra Santa era pura gabarolice. Ou ainda, se entendermos que a cantiga é equívoca, que a dita viagem seria sobretudo uma desculpa para escaparem dos campos de batalha, esses muito concretos, da Andaluzia.



Nota geral


Descrição

Escárnio e Maldizer
Mestria
Cobras singulares
(Saber mais)


Fontes manuscritas

B 1586, V 1118

Cancioneiro da Biblioteca Nacional - B 1586

Cancioneiro da Vaticana - V 1118


Versões musicais

Originais

Desconhecidas

Contrafactum

Desconhecidas

Composição/Recriação moderna

Desconhecidas